Quer poupar na oficina? 10 vícios de condução a evitar.

O principal inimigo do nosso carro são os nossos vícios de condução. Alguns são graves o suficiente para nos levar à oficina por isso o melhor é evitá-los.

A partir do momento em que agarramos pela primeira vez num carro, todos nós começamos a criar maus hábitos. Não há nenhum condutor que não tenha desenvolvido um qualquer vício que acabará por levar o carro à oficina. São gestos muito pequenos, nenhum dura mais do que alguns segundos, mas acabam por ter um impacto fulcral na vida do nosso automóvel. Veja connosco 10 vícios de condução que poderão provocar avarias graves.

1. Ligar o carro e iniciar imediatamente a marcha

É verdade que os motores modernos são cada vez mais ágeis, mas também precisam de tempo para acordar. Durante os primeiros 10 a 20s depois de dar à chave, o óleo está a ser bombeado para os pontos onde será necessário. Se estiver muito frio, conforme o óleo que estiver a usar, poderá demorar mais pois o fluido está espesso. Já em circulação, espere alguns minutos para que o motor chegue à temperatura ideal antes de acelerar a fundo.

2. Descansar a mão na alavanca das mudanças

Os garfos de seleção são desenhados para fazer contacto com as mudanças por um período muito curto. Ao deixarmos a mão na alavanca, estamos a pressionar os garfos contra as peças em rotação, resultando em desgaste desnecessário.

3. Deixar o carro engatado em paragens no trânsito

Ainda na caixa de velocidades, ao pressionarmos a embraiagem com a mudança engatada, estamos a aumentar o tempo de contacto entre as peças. É mais um caso de desgaste inútil, numa situação que pode ser tratada de outra forma.

4. Pisar a embraiagem numa subida

O mesmo se passa com o famoso ponto de embraiagem: prefira sempre o travão de mão se possível. Use o seu juízo em cada situação mas recorde-se sempre que está a trocar longevidade por comodidade.

5. Descansar o pé na embraiagem

Conforme o curso do pedal do seu carro, deixar o pé na embraiagem, mesmo que levemente, é uma má ideia. O prato fica pressionado contra a embraiagem e, novamente vocês já sabem, entra em cena o maldito desgaste.

Quer poupar na oficina? 10 vícios de condução a evitar.

6. Uso agressivo dos travões

Todos temos aqueles dias nervosos, quando só nos apetece passar à frente daquele carro lento que vai à nossa frente. Mas, quando o fazemos, logo de seguida aparece um semáforo que nos obriga a travar a fundo. Para além da segurança que estamos a esquecer, também o carro sofre com esta condução agressiva. Desgaste prematuro dos travões e dos pneus e aumento do consumo de combustível são motivos suficientes para acalmar a condução.

7. Uso agressivo da caixa

E, como para cada ação existe uma reação, a caixa é outro elemento a sofrer com a condução agressiva. Ou apenas desatenta… Use a mudança certa para o regime em que está: mudanças altas a baixas velocidades danificam as cabeças dos cilindros. Inversamente, um regime muito elevado provoca, mais uma vez, o desgaste que queremos evitar. Passagens brutas entre primeira e marcha-atrás são outro gesto a evitar.

8. Uso prolongado do travão numa descida

A melhor solução numa descida é sempre controlar a velocidade através da caixa. Reserve o travão para momentos em que realmente necessita dele. Caso contrário irá chegar ao fim da descida com os discos em brasa. O resultado é uma visita prematura à oficina para trocar pastilhas e discos.

9. Condução prolongada com o combustível na reserva

Há vários motivos que aconselham a não conduzir com o tanque quase vazio. Nenhum combustível está livre de detritos que se acumulam no fundo do depósito e irão entrar no sistema. E o combustível também funciona como uma forma de lubrificante, função que não pode realizar se não estiver presente. Se a bomba não estiver submersa irá aquecer e aumentar a fricção.

10. Não deixar o turbo arrefecer

Se o seu carro tem um turbocompressor, é uma boa ideia deixá-lo arrefecer antes de desligar completamente o motor. Deixe o motor em ponto-morto durante um minuto para a lubrificação do turbo funcionar algum tempo. A bomba de óleo só funciona enquanto o motor trabalha e temos que dar tempo à turbina para que seja lubrificada. Além de se preocupar com este gesto quando termina uma viagem, lembre-se dele também em paragens rápidas. Numa estação de serviço, por exemplo, depois de conduzir a um velocidade comum em auto-estrada não desligue imediatamente o carro.

Escolhemos apenas os 10 mais comuns, mas há muitos mais erros e vícios de condução que, todos os dias, atiram carros para as oficinas. E o leitor? Quais é que adicionaria a esta lista? Tem também um vício do qual não se consegue livrar?