A volta do marisco

É um país sem igual quando o tema são escapadelas gastronómicas e desafiamo-lo este Verão a uma pequena “Volta a Portugal” com o marisco como tema principal

É um passatempo nacional: finais de tarde de verão com os frutos do mar português, acompanhados por vinho verde ou cerveja, que terminam depois do sol se pôr já sem apetite para o jantar. É um país sem igual quando o tema são escapadelas gastronómicas e desafiamo-lo este Verão a uma pequena “Volta a Portugal” com o marisco como tema principal. É um percurso que não é para ser feito todo de uma vez mas escolha um destino, junte um grupo de amigos e saia da cidade um ou dois dias para apreciar o sabor do mar.

Mar do Norte

Em Âncora, os mariscos e crustáceos são da melhor qualidade, assim como a oferta de locais onde estes são cozinhados. Experimente o “Camarão”, restaurante com uma linda vista sobre o mar e as rochas, com o menu sempre fresco dos pescadores locais. O lavagante e, porque o nome não engana, também os camarões, são especialidades a não perder.

Mais perto do Porto, Matosinhos e Espinho competem pelas atenções. “A Antiga”, em Matosinhos, já tem sete décadas e parece “estar para durar”, mesmo que a seu lado outras marisqueiras ofereçam também o bom marisco destas águas. Aqui aconselhamos as gambas, lagostins e lavagantes, criados em viveiros próprios com uma arte que tem merecido destaque anual no Guia Michelin. A “Casa de Chá da Boa Nova”, ou o “Rincão do Mar” são outras opções de grande qualidade.

Em Espinho, o “Aquário Marisqueira” é um ex-libris local, com preço mais elevado do que habitual mas com menú a condizer. Peixes e mariscos preparados na grelha, no tacho ou no forno, e uma extensa carta de vinhos, aqui reina a qualidade e a obediência às regras da cozinha tradicional.

Entre dois cabos

A linha de costa que separa Aveiro de Peniche, com a Figueira da Foz pelo meio, volta a ser local de excelência para apanhar e, acima de tudo, comermos bom marisco. Perto de Aveiro, com a presença também de peixe da Ria, o nosso conselho vai para “A Praia do Tubarão”, em Ílhavo. Se for à procura de um rodízio de marisco, cozido na hora, o “Forte de Santa Catarina” na Figueira da Foz será o seu destino. Mas se o seu paladar ansiar por lagosta, a Suada à Moda de Peniche é receita que não pode perder.

Na Ericeira, a Praia dos Pescadores é o ponto principal de atração e é o local onde podemos encontrar o “Mar à Vista”, onde os percebes e o camarão da costa cumprimentam-nos mal nos sentamos à mesa. No “Terra Mar”, o destaque vai para as gambas panadas e para a sopa rica do mar, ambos belíssimos motivos para uma visita a esta vila piscatória.

A linha de Cascais conta também com alguns clássicos, entre o Guincho e Lisboa, começando pelo “Porto de Santa Maria”, passando pelo “Beira Mar” e não deixando passar as conquilhas do “Eduardo” na Parede. Mariscos de viveiro e bivalves são especialidades da zona e há oferta para todas as bolsas.

 frutos do mar

 

Para lá de Cetóbriga

Saltamos Lisboa, onde cervejarias como “O Ramiro”, “O Pinóquio” ou a “Ibo” são conhecidas o suficiente para terem longas filas de clientes à porta e vamos já para Sesimbra. Ao lado do areal, já com 65 anos de atividade, o “Ribamar” é sinónimo de sabor a mar: ostras, pés-de-burro, ouriços-do-mar, navalhas, mexilhões, carabineiros, caramujos… a lista é extensa e vai obrigá-lo a repetir a visita porque, acredite em nós, não vai querer deixar nada por provar. O “Bar do Peixe”, a “Celmar” ou o “Domingos”, são outras sugestões que representam bem a qualidade da cozinha local.

Entre Milfontes e o Sardão, em Almograve, a nossa “Volta a Portugal” tem que fazer uma pausa n´”O Josué”, onde as navalheiras e as santolas merecem tempo para ser apreciadas. Mas não exagere porque, a poucos quilómetros, na Zambujeira do Mar, fica o “Azenha”, famoso por um arroz de marisco capaz de alimentar uma família inteira.

Quando a nossa rota se desvia para a esquerda para deixarmos o Atlântico para trás, o barlavento algarvio ainda nos oferece os melhores percebes da costa vicentina. Estão no “Café Correia, em Vila do Bispo, onde os camarões guisados são também motivo para levar histórias aos amigos. Na outra ponta do Algarve, a “Casa de Pasto” de Cacela Velha é um clássico que mete muito veraneante a percorrer a Via do Infante. Ostras é aqui, mas o charme simples das mesas corridas, das amêijoas e dos camarões fritos, fazem deste o nosso local de eleição para relaxar depois de muitas horas ao volante.