Aldeia Encantada

Dois dias na aldeia do Piódão, Serra do Açor, no INATEL local

É o xisto e a lousa que emprestam os tons ao Piódão e o tornam tão singular. Apesar do frio da Serra do Açor, estas casas recebem a luz através de janelas pintadas de azul. Ao longo da encosta forma-se um anfiteatro que tem que ser visto para ser apreciado, foto alguma lhe presta devida justiça. De visita ao concelho de Arganil, escolhemos o INATEL local para pernoitar e tivemos direito a uma noite com verdadeiro sabor a Natal.

 

Fim de semana na “aldeia presépio”

Unanimemente considerada uma das mais bonitas localidades do país, e classificada como “de interesse público” desde 1978, o Piódão fica a cerca de uma hora de Arganil com a Serra do Açor pelo meio. É aliás esta elevação que marca toda a paisagem e nos isola do resto do mundo.

A estrada para o Piódão é feita de curvas e contra-curvas e assim temos o primeiro exemplo de como a vida serrana é uma história de adaptação ao que de mais inóspito a natureza oferece ao ser humano. Em redor encontramos uma região pura e pouco tocada pelo Homem, o que nos permite ainda cruzarmo-nos com diversas espécies de fauna e flora típicas da zona.

 

A magia da encosta

Nascida de um castro lusitano, Casal de Piodam, a aldeia mantem o hábito milenar da agricultura em socalcos, sendo construída segundo a mesma lógica. Os últimos cem anos e a emigração esvaziaram a aldeia e a vida dos campos, mas com novas gerações sedentas de escapadelas rurais, a encosta volta a animar-se e as noites tornam-se menos silenciosas.

À chegada encontramos logo o que aqui viémos presenciar: é a disposição do casario ao longo da encosta que parece ter sido sonhada só para nosso deleite. Em socalcos, patamares, escadas, pequenos recantos e ruelas, as casas de xisto “aconchegam-se” umas às outras, para que nenhuma delas role pela serra abaixo.

Mas este não foi um esforço fácil: é através do projecto das Aldeias Históricas que esta simplicidade é preservada e se evitam a construção em cimento e telha. O resultado é uma beleza rústica de tirar a respiração. A “destoar” só fica um edifício: a Igreja Matriz, do séc XVII, à qual é permitida a “ousadia” de se apresentar num bonito branco e azul.

Paisagem Piodao - Quilometrosquecontam

 

Defendidos da noite serrana

O Inatel  local foi a nossa sede durante este fim de semana e dificilmente poderíamos escolher melhor para nos defender do frio nesta altura do ano. No conforto deste chalé de montanha perfeitamente integrado na paisagem, encontrámos o calor que faltava lá fora, uma deliciosa piscina aquecida e um miradouro perfeito.

A nossa primeira manhã na encosta do Açor começou com uma forte neblina que nos impedia de ver alguma coisa nas regiões mais baixas, um pouco como estar no topo do mundo, mas não deixámos que isso nos dissuadisse de pegar no carro e seguir à descoberta. Em Foz D´Égua fomos encontrar uma piscina natural e seguimos a ribeira a pé durante algum tempo. Mesmo ao lado, apreciámos o extraordinário trabalho e resultado dos socalcos que aqui se constróem desde tempos ancestrais.

Tal como já tínhamos sugerido aqui neste mesmo blog, não podíamos acabar o dia sem passar pela Fraga da Pena,  e somos obrigados a admitir que a primeira impressão mantém-se: é um verdadeiro cenário de cartão postal. Leia o que na altura dissemos aqui.

Se vier até aqui através dos nossos conselhos, aventure-se mais um pouco como nós e, à noite, experimente sair do conforto do hotel. Do outro lado do vale tivémos a visão do Piódão iluminado e percebemos porque se apelida afinal de “aldeia presépio”. A beleza das pequenas ruas e escadarias iluminadas parece saida de um filme de Natal ou de um museu de brinquedos. Mas não é uma maqueta, é mesmo real e esteve este tempo todo à nossa espera.