Aldeia Natal: a festa dos nossos avós

11 Dezembro | 2015 | Goodyear

Imagine lá uma aldeia de 200 moradores que se engalana cada Natal para celebrar a festa como fez tradicionalmente. Um Natal onde os nossos avós iriam sentir-se em casa longe da iluminação deslumbrante e as cidades lotadas. Uma festa em que enfeites tirados da própria natureza ornamentam umas casinhas de pedra e xisto ao modo tradicional sob a neve que começa a cobrir as montanhas. Não, não estamos a falar de um conto de Natal.

A aldeia de Cabeça é bem real e encontra-se no concelho de Seia, no coração profundo da Serra da Estrela. E está prestes, pelo terceiro ano consecutivo, a celebrar a sua muito própria festa de Aldeia Natal, uma homenagem ao passado e tradições desta povoação diminuta. Ao chegar depressa pode ser percebido que há qualquer coisa de distinto nesta aldeia que tem a honra de ser, desde 2011, a primeira aldeia LED do nosso país pelo seu investimento em medidas de eficiência energética na iluminação pública. Uma prova de um compromisso dos seus moradores com o ambiente e a sua conservação que faz deste lugar um caso único e a imitar.

Aldeia Natal - Quilometrosquecontam

Cabeça: Aldeia Natal é uma iniciativa que nasce da Comissão de Baldios de Cabeça em parceria com a Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha, o Município de Seia e também a União de Freguesias de Vide e Cabeça. De 12 de Dezembro a 6 de Janeiro, o evento visa trazer um número de visitantes que quer superar vários milhares.

Estamos a falar de um evento único no país: a aldeia enfeita-se com elementos decorativos retirados da natureza como giestas ou pinheiros, produzindo um resultado final muito pitoresco e 100% sustentável; reaproveitamento de materiais florestais, produtos agrícolas tradicionais e até mesmo desperdícios da indústria têxtil como a afamada lã da Serra da Estrela. Aliás, todo o trabalho é realizado pelos moradores do lugar, acrescentando um valor especial ao produto. Os cabecenses, pessoas muito acolhedoras, abrem as portas das suas casas durante a Aldeia Natal para receber os visitantes e ajudá-los a mergulhar num clima familiar e atraente. Nas suas próprias palavras, “uma aldeia genuína por mãos de gente genuína”.

E o que oferece a programação da Aldeia Natal? Bom, pois quem esperar um programa aborrecido ou repetitivo ficará decerto desiludido: a programação do evento visa satisfazer públicos diversos e unidos pela paixão à natureza e o modo de vida rural, mas focado nos interesses de visitantes pouco habituados ao ambiente. A festa inclui o clássico presépio ao vivo (e, curiosamente, a ausência completa de qualquer referência ao Pai Natal), para além de concertos (como o do Orfeão de Seia ou os alunos do Centro Musical). Mas, também, e certamente é um dos pratos principais, o visitante tem a oportunidade de assistir a pequenas demonstrações que fazem com que a viagem valha a pena: apresentação do ímpar queijo da serra, incluindo a sua feitura, ou oficinas tradicionais sobre elaboração de pão. Também pode percorrer a rota dos Socalcos da aldeia, expoente único do modelo tradicional de agricultura da zona sem o qual é impossível perceber a história do lugar.

Natureza - Quilometrosquecontam

Graças à alargada base colaborativa da Aldeia Natal existem vários restaurantes e alojamentos aderidos à festa que podem ajudar muito a uma estadia mais cómoda. Perto de Cabeça, a 22 minutos pela N231 encontramos São Romão, e aqui A Margarida I, que conserva o mesmo charme pitoresco que a aldeia de Cabeças graças a ter sido remodelado de um velho forno comunitário, muito frequentes na zona. Situado à beira do rio Alva e perto do Museu Natural da Electricidade, o restaurante especializa-se em petiscos da nossa cozinha tradicional,  e aqui podemos experimentar delicioso cabrito assado ou polvo com migas, entre outras iguarias da ementa. Ainda, O Tachinho do Francisco, em Seia, oferece também toda a riqueza da gastronomia local com uma ementa de sobremesas que vale a pena ser experimentada, a começar pelos doces da Avó e da Neta. Por se precisar de algum motivo mais para vir conhecer o derradeiro Natal distinto de Portugal.

Good Year Kilometros que cuentan