Algarve em duas rodas

Combinando trilhos em paisagens protegidas com estradas pouco movimentadas, esta não é uma aventura muito exigente e pode ser enfrentada por quase toda a gente capaz de se sentar num selim

A Ecovia do Algarve é um percurso costeiro que liga Sagres a Vila Real de Santo António e faz parte do EuroVelo, rota que termina no Cabo do Norte na Noruega. Combinando trilhos em paisagens protegidas com estradas pouco movimentadas, esta não é uma aventura muito exigente e pode ser enfrentada por quase toda a gente capaz de se sentar num selim. Será cansativo, decerto, mas recompensante para o grupo de amigos que se meter à estrada para uns dias a pedalar.

Para ajudar o ciclista, o percurso está relativamente bem identificado, linhas azuis e mapas marcam a estrada correta, mas algumas zonas ainda não foram terminadas ou as obras de repavimentação encarregaram-se de apagar os sinais.  Nesses casos, poderá ter que recorrer à clássica EN125 que, depois das bermas alargadas, tornou-se mais segura para as bicicletas. Contudo, não se esqueça que continua a ser a via mais movimentada do Algarve.

Chave de fendas e repelente

Faça uma revisão simples à bicicleta antes de se meter ao caminho. Cerca de metade do trajeto será efectuado em estradas não pavimentadas ou de gravilha e, em alguns locais, até de areia e rocha. Não andará a fazer enduro, mas vai agitar bastante os parafusos da sua amiga de duas rodas.

Para além do kit de reparações rápidas, a sua mochila terá que ter espaço para protetor solar e repelente de insectos, fato de banho, mudas de roupa leve e alguma mais quente para a noite. Pouco mais será necessário pois, entre parques de campismo e hotéis de 5 estrelas, o Algarve não deixa ninguém a dormir ao relento.

A rotina já sabe como é: começar a pedalar cedo, parar a meio da manhã para evitar as horas infernais, aproveitar a praia ou simplesmente descansar à sombra, e voltar ao selim ao final da tarde. Desta forma, o ciclista garante que conhece os locais por onde vai passando, enquanto evita o sofrimento da desidratação.

Ecovia do Algarve

 

O dourado do Sol e das areias 

Desta perspectiva privilegiada, o Algarve ganha novos encantos para recordação. Ao começarmos a viagem em Vila Real de Santo António, a etapa que nos leva até Cacela Velha passa por algumas das praias mais movimentadas do Sotavento, mas leva-nos também através de típicas aldeias de pescadores, até ao topo desta pitoresca vila.

A partir daqui e até Faro, iremos passar por Tavira e Olhão, sempre na companhia da Ria. Vamos ver também as diferentes heranças do Algarve e cruzarmo-nos com mesquitas, igrejas e a mestiçagem da arquitetura mourisca, sinais que continuam até passarmos Albufeira.

Entre Armação de Pêra e Portimão vão ser as areias douradas da Senhora da Rocha a preencher-nos as memórias, enquanto a qualidade do peixe aqui pescado merece uma pausa na viagem.

Para o fim fica a etapa mais selvagem: a partir da Ponta da Piedade a quantidade de areia diminui, ao mesmo tempo que a rocha começa a marcar a costa de forma cada vez mais poderosa. São Vicente, local de peregrinação desde o Neolítico, é o ponto perfeito para o fim da aventura. Do alto dos seus 69 metros podemos ver o vasto Atlântico em conversa com a rocha, a saudar-nos depois dos muitos quilómetros que fizemos de costas para o Mediterrâneo. Ajuste o seu horário para chegar aqui ao pôr do Sol… Vai agradecer-nos por este conselho…