Pelos caminhos do Alvarinho, de Melgaço a Monção

A Rota do Alvarinho visita o terroir de um vinho único e inconfundível, através do Alto Minho, entre Melgaço e Monção. Destacamos 8 quintas a não perder.

Mesmo ao gosto dos portugueses, leve, fresco, equilibrado e delicado q.b., o Alvarinho é um vinho único, nascido de uma casta que só existe na Península Ibérica, e que eleva a fama do Minho a novos patamares. Se esta zona do Norte de Portugal tem, muito justamente, a qualidade dos seus vinhos verdes, o Alvarinho é mais um caso à parte, opinião que os diversos prémios em concursos internacionais ajudam a consolidar.

Mas, falar do Alvarinho é acima de tudo falar da sub-região de Melgaço e Monção que, com as características do seu micro-clima, transformaram-se no berço ideal para esta casta de características únicas e exclusivas. De produção muito reduzida, as uvas destas videiras são as mais caras do país, contribuindo para a aura nobre que envolve este vinho e a sua relativa raridade.

Pelas estradas do Alvarinho

Entre Melgaço e Monção a paisagem faz-se de vinha e não faltam propostas para conhecermos a sua produção ou participar em sessões de provas. Começamos a nossa viagem pelo local mais óbvio, o Solar do Alvarinho em Melgaço, onde podemos conhecer uma montra das principais marcas da região, visitar a cave e a exposição ou ainda participar em sessões de prova.

A vila de Melgaço formou-se em redor de uma fortaleza mandada construir por D. Afonso Henriques, da qual ainda sobrevive com orgulho a Torre de Menagem. Em redor, as velhas ruas empedradas e os solares seculares mostram que a tradição da terra vai longe no tempo e, como muitas terras do Minho aqui em volta, tem uma forte ligação ao vinho. Em redor, a principal atividade continua a ser a agricultura e, com a aposta no Alvarinho durante as duas últimas décadas, assistiu-se a uma forte reconversão das antigas culturas em vinhas, contribuindo assim para que haja mais e melhor uva.

Pelas estradas do Alvarinho

No outro extremo da Rota do Alvarinho fica Monção, terra de gente muito aguerrida que vigiou a fronteira a mando de D. Dinis e combateu os invasores franceses no final do séc. XVII. Mas, anterior a tudo isso, já os vinhos da região eram famosos antes da fundação do país e o seu nome continuou a ir longe, nos barcos que iam para a Flandres ou para o Novo Mundo. A Adega Cooperativa de Monção só aceita visitas mediante marcação (impossível durante a altura da colheita), mas tem uma loja onde podemos adquirir a produção dos seus associados.

Entre as duas localidades, o visitante vai encontrar o Minho em estado puro, o terroir tão especial que serve de berço à casta Alvarinha, mas também os pontos nevrálgicos da produção deste vinho. Nós damos-lhe a conhecer 6 das quintas e solares que estão a levar a fama do Alvarinho ainda mais longe.

Quinta da Cheira

Podemos conhecer a pequena Quinta da Cheira, apenas 2 hectares, com o acompanhamento do proprietário que nos levará a ver a vinha e a cave, terminando a visita com uma prova do seu vinho premiado.

Quinta das Pereirinhas

Apesar de ficar a apenas 3km de Monção, a Quinta das Pereirinhas tem alguma da sua produção dispersa por diversas explorações do concelho, mantendo a loja, a adega e o ponto de prova na sua sede.

Quinta de Soalheiro

Nesta exploração nasceu a primeira marca de Alvarinho em Melgaço,  no princípio dos anos 80. Mantém até hoje um perfil familiar apesar do investimento na modernização da produção. Além da loja, da visita à vinha e à adega, organiza ainda almoços e jantares vínicos.

Pelas estradas do Alvarinho

Quintas de Melgaço

Local de nascimento do premiado Couto de Frades, aqui pode-se visitar a adega e conhecer todo o processo de vinificação e engarrafamento. Na sala de provas, temos a oportunidade de realizar uma prova de vinhos e descobrir os segredos do alvarinho.

Solar de Serrade

Neste palacete típico do Alto Minho, além da produção vinícola, foi instalado um ponto de turismo rural de charme onde podemos passar um fim de semana de descoberta do Alvarinho. Realiza também visitas à vinha e adega e provas.

Casa do Capitão-Mor

A Quinta dos Paços é uma das mais antigas na tradição de produção do vinho Alvarinho. Está situada junto à vila de Monção, realiza provas gustativas, visitas à vinha e conta já com um currículo de prémios assinalável.