Celebração: Madeira completa 600 anos

A Madeira está em festa. A ilha completa os 600 anos. São esperados milhares de visitantes para as comemorações. O que vai acontecer e o que não pode perder.

O arquipélago da Madeira celebra 600 anos. Para o assinalar estão a ser preparados espectáculos, livros ou selos, mas não só. A festa passa também pela reabilitação de quintas para acomodar mais turistas. As celebrações já começaram mas há ainda muitos motivos para visitar a Madeira no ano do seu 600º aniversário.

Voltemos antes de mais aos bancos da escola. Em 1418 João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira descobriram a ilha de Porto Santo, num momento de fuga a um temporal, e, um ano depois, desembarcaram na ilha da Madeira, assim chamada devido à quantidade de árvores no local.

Se ilha foi descoberta ou reconhecida naquela altura, por já integrar alguns mapas antes daquela data, fica para os historiadores confirmarem. Agora o momento é de “Dar a conhecer a Madeira ao mundo”. É esse, afinal, o mote das comemorações que têm sede na Torre do Capitão, no Funchal.

E as celebrações já começaram o ano passado, estando previsto prolongarem-se até 2020. Claro que o impacto no turismo se espera acentuado. Quer fazer parte desta imensa mol humana?

A agenda das festas é variada e inclui eventos culturais, exposições, espetáculos, a emissão de selos e medalhas. E claro, tem de aproveitar para visitar os espaços entretanto recuperados.

Celebração: Madeira completa 600 anos

29 de junho: ecrã de água dos 600 anos

A 29 de junho, poderá assistir ao espetáculo ecrã de água “600 anos do descobrimento da Madeira e do Porto Santo”, na Praça do povo. O espetáculo está integrado na programação do Festival do Atlântico 2018. Trata-se de um espetáculo multimédia inédito na região, com recurso à projeção de imagens em “ecrã de água”, que pretende assim retratar alguns dos marcos e momentos históricos mais emblemáticos na História das ilhas da Madeira e do Porto Santo.

2 de julho: herdeiros dos Capitães do Donatário

Até 20 de julho de 2018, no Solar do Ribeirinho em Machico, estará patente uma exposição sobre os primeiros Capitães do Donatário da Madeira: Tristão, Perestrelo e Zarco. O objetivo é dar a conhecer quem foram os homens que lideraram o processo de povoamento daquelas ilhas atlânticas.
Madeira: o que visitar

Se já está na Madeira para as festas pode aproveitar para visitar os monumentos que foram entretanto alvo de intervenções de recuperação e requalificação.

Fortaleza do Pico

A Fortaleza do Pico foi alvo de uma intervenção no âmbito das comemorações dos 600 anos da descoberta do arquipélago. Deste modo, a recuperação da Fortaleza de São João Baptista do Pico, no Funchal, terminou recentemente e o espaço renovado. Para o efeito, foram recuperados espaços exteriores, paredes e abriram três áreas importantes. Assim, conta-se agora um espaço de exposição, uma área multiusos para concertos e conferências e uma cafetaria que abrirá em breve. Além disso, a entrada no espaço, com uma excelente vista sobre o Funchal, é gratuita.

Celebração: Madeira completa 600 anos

Igreja Matriz de Machico

Aproveite também para visitar a Igreja Matriz de Machico. cujas naves foram recuperadas no âmbito das comemorações. A construção desta igreja ter-se-á iniciado em finais do século XV e princípios do século XVI. É um edifício de planta longitudinal, composta por uma única nave e capela-mor rectangulares, estando orientada liturgicamente. Igreja construída em alvenaria de pedra e cal percorrida por embasamento em cantaria vermelha. A Igreja sofreu sucessivas intervenções ao longo dos séculos

Quintas renovadas

Além disso, incluídas neste programa está também a reabilitação de quintas madeirenses, como a Quinta da Magnólia ou a Quinta do Monte, onde residiu o imperador da Áustria durante o seu exílio na Madeira em 1921.

Em recuperação estão outros espaços, como o Museu Fotografia Vicentes, no âmbito de um projeto mais vasto de requalificação do património e requalificação urbana. Aquele museu é o mais antigo estúdio de fotografia do país e alberga mais de 800 mil negativos desde o séc. XIX, um património que está atualmente a ser tratado e catalogado. Neste momento já está tratado cerca de metade do arquivo. O estúdio, fundado em 1848 por Vicente Gomes da Silva, foi transformado em museu, sendo, hoje o Photograhia – Museu “Vicentes”.

Madeira: onde ficar

Por fim, uma das opções para ficar é o Golden Residence. Foi considerado recentemente pelo website Holidaycheck.de como um dos dez melhores hotéis da Madeira, ocupando a oitava posição no ranking elaborado pela agência de viagens alemã.

A festa na Madeira vai prolongar-se por muito meses. Afinal não se completa 600 anos todos os dias. Milhares de visitantes vão viajar para assistir às comemorações. Não perca pitada.