As reparações automóveis mais comuns e como preveni-las

2 Julho | 2019 | Goodyear

Quer queiramos quer não, os automóveis avariam-se, sejam avarias comuns ou má utilização. Mostramos-lhe as reparações mais comuns e como preveni-las.

Mesmo os melhores automóveis necessitam de fazer uma paragem nas boxes. Não tem que ser um drama, há que aceitá-lo. Independentemente da qualidade das peças e da marca, os quilómetros não perdoam e, pontualmente, torna-se necessário levar o carro à oficina para rever o funcionamento correto dos elementos ou corrigir algum possível defeito. O ABC da manutenção preventiva. Neste sentido, e como em outros casos, existe todo o tipo de possíveis problemas mecânicos, desde os mais graves e complicados a outros mais frequentes do que se possa pensar. Cada automóvel é um mundo mas, no entanto, um estudo realizado pela plataforma espanhola Autingo analisou os pedidos de reparações que os seus utilizadores fazem com mais frequência, o que nos permitiu fazer uma recolha das reparações comuns e avarias frequentes que a maioria dos condutores enfrenta. Conhece estes casos?

Substituir o kit de embraiagem

Trata-se de uma das revisões mais habituais e, em geral, lidera o ranking das reparações mais comuns. O desgaste do kit de embraiagem acontece devido ao uso continuado do veículo e pode causar um risco importante para a segurança do condutor: por causa de uma falha de transmissão da potência do motor à caixa de mudanças, o carro pode tornar-se instável e responder de forma inadequada. Como podemos dar conta deste tipo de falhas?

  • Diminuição da potência
  • Falhas a meter a mudança
  • Excesso de revoluções nas mudanças de velocidade.
  • Dificuldades para enfrentar subidas

Mudar o kit de distribuição

Outros dos suspeitos do costume é o kit de distribuição. Muitos condutores já ouviram falar em falhas na correia de distribuição do seu veículo. No entanto, esta correia de distribuição faz parte de uma engrenagem maior de peças cujo funcionamento e interação corretos afetam decisivamente o rendimento do veículo. Assim, se um destes elementos sofre algum tipo de dano, é provável que o kit de distribuição seja afetado no seu conjunto. Eis os sintomas principais:

  • Ruído no motor
  • O motor não arranca
  • Fugas de óleo na dianteira
  • Falhas de ignição

Mudar a correia de distribuição

Uma rotura na correia de distribuição pode significar um dos investimentos mais elevados na hora de fazer reparações no nosso veículo. Isto deve-se ao facto de a sua função ser primordial na interconexão da cambota e da árvore de cames. É, por assim, dizer “o coração” do kit de distribuição mencionado no ponto anterior. Não lhe prestar a atenção devida pode levar a que, em vez de um custo normal, tenha de gastar muito mais dinheiro. Ainda que uma rotura na correia sde distribuição possa ser imprevisível, devemos seguir as recomendações do fabricante que, por norma, aconselha a mudança da correia a cada cinco anos ou ao fim de 80 mil quilómetros. Seja como for, quais são os sinais mais evidentes da deterioração desta peça?

  • Ruído na transmissão
  • Vibrações no veículo
  • Dificuldade para arrancar

Mudar o volante de inércia ou volante do motor

Trata-se de uma peça para muitos desconhecida mas que se danifica habitualmente. È uma peça circular situada no extremo da cambota, junto à caixa de velocidades. Em geral, esta peça danifica-se devido ao uso incorreto ou pouco adequado da embraiagem, já que a sua função principal é amortecer as vibrações geradas pelo motor, assim como permitir o arranque correto do veículo. É a peça que assegura um arranque progressivo quando se aciona a embraiagem. Como podemos detetar falhas nesta peça?

  • Ruídos desagradáveis no ralenti
  • Vibrações fortes no pedal de embraiagem
  • Ruídos ocasionais ao pisar o pedal de embraiagem
  • Dificuldade ao mudar de velocidade

Pastilhas de travão

Mudar as pastilhas de travão é outra das tarefas mais frequentes nas oficinas de reparação. O desgaste destes elementos faz com que o nosso veículo perca eficácia e capacidade de fricção, fazendo com que a travagem se torne perigosa. Trata-se de uma das peças a que devemos prestar atenção especial, já que o seu desgaste não depende tanto o uso incorreto do veículo como do uso prolongado e habitual do mesmo. É muito importante manter a segurança na estrada e, assim, fazer uma revisão periódica das pastilhas de travão. Quando é que devemos substitui-las?

  • A maioria dos fabricantes recomenda a mudança das pastilhas de travão a cada 10 mil quilómetros
  • Ruídos desagradáveis ao travar
  • A luz do travão de mão mantém-se acesa

Estas são as reparações mais comuns, algumas delas em resultado de avarias e do desgaste habitual causado pelo uso e outras que podem ser prevenidas com uma manutenção correta. Tome nota e assegure-se da vida útil do seu veículo e de todos os seus elementos.

 

Good Year Kilometros que cuentan