Aveiro: o que comer e onde

Do bacalhau do Norte à vitela de Arouca, comer em Aveiro é encontrar os melhores sabores da nossa gastronomia. Recomendamos 8 restaurantes a não perder.

No litoral, a experiência que os mestres locais têm desta costa garante-lhes algum do melhor pescado nacional. Avançando para o interior, a riqueza das serras que aninham o distrito, espelha-se na sua excelente carne. Comer em Aveiro é um prazer para qualquer paladar. Este povo fez vida na Terra Nova e conhece o bacalhau como ninguém. Aprendeu a fazer o melhor que podia, com o pouco que tinha: nasceu a caldeirada de enguias. Aprendeu a assar e tirou doutoramento em leitão e posta arouquesa. Se anda pela região, aproveite o nosso convite e descubra os melhores pratos tradicionais e onde os comer em Aveiro.

Aveiro: o que comer e onde

Caldeirada de Enguias

O que é? Conta-se que, no passado, a enguia era mais difícil de vender e acabava muitas vezes em casa do próprio pescador. A mestria na confeção foi sendo aprimorada no litoral centro e norte e tornou-se então um dos seus símbolos gastronómicos. Em Aveiro tornou-se famosa a Caldeirada de Enguias, com direito a um pó milagroso feito em seu nome. Metidas no tacho com batata e cebola, levam o “pó de enguias”, uma mistura de gengibre, pimento, açafrão e pimenta. Junta-se ainda banha de porco, sal grosso e vinagre.

Onde comer? O Gafanhoto fica na Gafanha da Encarnação e é um dos mestres nesta iguaria. As feijoadas e os ensopados são outras especialidades da casa. Por seu lado, o ZéZé das Caldeiradas serve as enguias fritas para entrada ou em caldeirada. Destacam-se aindas as sobremesas caseiras para terminar a refeição em beleza.

Todas as variantes do bacalhau…

O que é? Os pescadores de Aveiro não faziam só vida na costa portuguesa. No Museu Marítimo de Ílhavo poderá descobrir mais sobre pesca do bacalhau, tradição que ocupou muitas gerações de aveirenses. O resultado é que, das 1001 formas de cozinhar bacalhau, pelo menos 1000 têm especialistas na região. Assado na brasa, com as batatas a murro, é um clássico, mas também se faz em pataniscas, caras, samos, línguas, espinhas e até carpaccio.

Onde comer? O nome não é soberba: o Batista do Bacalhau é mesmo mestre na arte. Depois das pataniscas de entrada, siga para as migas ou para o bacalhau assado, ambos se recomendam. O Legado da Ria é um espaço mais moderno, mas também sabe preparar o fiel amigo. Os restantes pratos de peixe são sempre também de frescura a toda a prova e o churrasco é outra especialidade.

O rei Leitão

O que é? De norte a sul do país, não faltam localidades que se assumem como a “capital do leitão”. Contudo, é ao longo da Estrada Nacional 1, entre Coimbra e Anadia com passagem na Mealhada, que ficam alguns dos seus mais clássicos restaurantes. Os porcos jovens, entre os seis e os oito quilos, são temperados com uma pasta de sal e pimenta e assados com mestria muito especial. Entre a pele estaladiça e a carne ainda suculenta, fica uma linha que só a experiência sabe garantir. De resto, não precisa de mais, apenas o acompanhamento de batata frita e salada. E vinho regional claro!

Onde comer? É um inquestionável clássico que já obrigou a milhares de desvios em qualquer viagem que passe perto: Meta dos Leitões. É como, muitos dos restaurantes da zona, um espaço grande, muito concorrido, para o qual devemos ir com tempo. Além do proverbial leitão, recomendam-se ainda as espetadas. Por seu lado, o Pedro dos Leitões tem ainda a cabidela de leitão e uma canja a não perder.

Uma vitela de boas famílias

O que é? A carne da Raça Arouquesa foi consagrada com a Denominação de Origem Protegida em 1994, mas a sua fama é mais longa. Já na Grande Exposição de Paris de 1878 foi o único produto português galardoado. A sua produção cresceu nos últimos anos, começou a chegar a mais pontos do país, e é hoje uma marca consagrada. É uma carne suculenta, ligeiramente húmida, particularmente apta para ser assada na brasa ou grelhada em chapa apropriada. Além de Arouca, encontramos este gado ainda no Porto, Braga ou Viseu.

Onde comer? Na Casa Caetano, próximo das margens do Paiva, encontramos a tradição do bife de Alvarenga e da vitela arouquesa. Aqui cozinha-se com o tempero à moda antiga e forno aquecido a lenha. Na Tasquinha da Quinta, no centro de Arouca, a estrela é a posta arouquesa, num ambiente rústico e acolhedor.