A épica jornada de Bourdain pela gastronomia do Porto

Anthony Bourdain, um dos mais conhecidos chef’s da atualidade visitou o Porto e apaixonou-se pelas tripas, francesinhas e vinhos. Saiba por onde andou.

É um dos heróis de qualquer foodie que se preze e os programas de culinária não seriam o mesmo sem ele. Anthony Bourdain visitou o Porto para gravar um programa emocional que todos os habitantes da cidade e apreciadores da comida do norte têm que ver. A 9ª temporada de “Viagem ao Desconhecido” está já a passar na televisão por cabo, mas o destaque vai para o último episódio da temporada. Já vimos a carta de amor que Bourdain deixou à gastronomia tripeira e contamos o que ele comeu, bebeu e viu.

A relação de Anthony Bourdain com a Invicta não é nova. Esteve aqui em 2002 para um episódio de “A Cooks Tour”, em 2012 para “No Reservations” e regressou para “Parts Unknown/Viagem ao Desconhecido”. Já teve oportunidades suficientes para saber o que de melhor se come na cidade por isso o menu foi completo. Houve tripas, francesinhas, peixe, marisco e até croissants, sempre acompanhados do respeito que os vinhos do Douro merecem. Mas o que é Anthony Bourdain comeu no Porto, onde e quais foram os seus destaques?

A Cozinha do Martinho

Bourdain gosta de ver a cidade com cara renovada e edifícios recuperados. “Já só há um número limitado de locais bonitos no mundo e o Porto é um deles”, diz o famoso chef enquanto se senta à mesa do Martinho para provar as Tripas à Moda do Porto. O repasto começou pelas petingas fritas antes de prosseguir para as tripas, enquanto ouvia a história da origem do nome “tripeiros” e de como se trabalha o vinho no Douro.

A épica jornada de Bourdain pela gastronomia do Porto

Real Companhia Velha

A conversa versava o licor do Douro e, naturalmente, a próxima paragem foi um dos ex-libris do vinho. As caves da Real Companhia Velha ficam em Vila Nova de Gaia e são um local histórico, mas Bourdain não perde muito tempo com isso. “O vinho é um tema aborrecido. Não falem dele. Bebam-no!” Provou diversos queijos (da Serra e Azeitão, claro) com pão e doce de abóbora, acompanhados por vinho do Porto. “É a forma ideal de acabar uma refeição” diz, antes de perder a cabeça e apelidar a cena de “pornografia com queijo”.

Cervejaria Gazela

Para sentir a noite da cidade, Bourdain seguiu até ao balcão da Gazela para comer o cachorro da casa. Descobriu que esta é uma versão “bastarda” e que o segredo está no molho, mesmo que, no essencial, os ingredientes sejam os mesmos. Há salsicha, há pão e até uma fatia de queijo, mas este cachorro não se compara com mais nenhum. Já não há muitos lugares assim e este merece o destaque.

Marisqueira Antiga

Depois da visita à Batalha, o cozinheiro seguiu até Matosinhos para mais dois dedos de conversa e uma mariscada. A Antiga aproveita bem a proximidade desta terra de pescadores e serviu-lhe uma bandeja em que se perde a cabeça. Havia búzios, camarão, ostras, percebes, lagostins, ouriços, todos de viveiros próprios ou apanhados nesta costa. A expressão escolhida nem precisa de tradução: “Insane”. Como um herói, Bourdain ainda tem estômago para se atirar a um peixe ao sal de ar delicioso.

A épica jornada de Bourdain pela gastronomia do Porto

O Afonso

Antes de lhe colocarem uma francesinha à frente, Bourdain pergunta: “vai correr tudo bem, não vai?”. É iguaria portentosa e a descrição como “sandes” fica muito longe da verdade. Depois de dar uma garfada, fica mais tranquilo e confirma que “é bom”. Contudo, logo de seguida pergunta qual o peso médio dos portugueses e qual a taxa de doenças cardíacas. A francesinha d’O Afonso não engana ninguém e gosta de se exibir como a bomba calórica preferida dos portuenses.

Teve ainda tempo para ouvir fado, sentar-se à mesa de uma família comum para comer lampreia à bordalesa, ouvir uma explicação sobre o que é a “saudade”, relatos da guerra colonial ou assistir à matança do porco. À escala gastronómica, a visita de Anthony Bourdain ao porto foi uma jornada verdadeiramente épica.