Bê-á-bá dos carros elétricos: 5 dúvidas respondidas

20 Junho | 2017 | Goodyear

As exigências dos consumidores, as legislações cada vez mais apertadas sobre as emissões e a evolução tecnológica estão a encarregar-se de materializar a promessa de um futuro cheio de carros elétricos. Ainda é o custo das baterias a principal dificuldade nos planos dos construtores, mas a adoção cada vez maior, os novos progressos em materiais e o aparecimento de cada vez mais postos de abastecimento, vão conduzir o mercado inevitavelmente nesse sentido: os carros elétricos não são uma promessa, são mesmo o futuro.

Mas, para o consumidor final, que só precisa de chegar de A a B, o mais depressa e com o menor custo possível, esta conversa de tecnologias não adianta muito. Nós queremos mesmo é saber como é que funcionam coisas práticas como o tempo de carga, a autonomia ou quantos anos de vida podemos esperar dos carros elétricos. Assim, fomos investigar e responder às 5 perguntas que mais frequentemente nos fazem sobre carros elétricos:

Híbrido ou elétrico? Qual é que é o ideal para mim?

Os híbridos plug-in usam um sistema misto de motorização elétrica e combustão, circulando por períodos curtos a eletricidade e mudando para gasolina em trajetos maiores. São uma solução adequada se o condutor fizer habitualmente percursos curtos mas quiser manter em aberto a possibilidade de aproveitar o potencial de um motor a combustão. Por seu lado, além das suas vantagens ambientais, os elétricos puros têm um custo de circulação significativamente mais reduzido (pode chegar a 1/3), à custa de uma diminuição da versatilidade e autonomia. A principal questão na decisão entre um ou outro tipo é qual a distância que irá fazer sempre que pegar no carro. É inferior a 100km? Então um elétrico poderá ser tudo o que necessita. É superior? Está na altura de investigar a oferta do mercado de híbridos.

Onde posso recarregar um carro elétrico?

Apesar de qualquer tomada poder ser um posto de abastecimento, há pelo menos três opções ao seu dispor: postos de carregamento rápido público que podem carregar até 80% da bateria em 30 minutos, posto de carregamento doméstico (instalado pelo seu fornecedor de energia) com tempos de carga entre as 2 e as 8 horas, conforme o modelo e a rede disponível, e uma tomada normal que estende o período de carga até às 12h. Com diferentes níveis de comodidade, entre estas três soluções é possível encontrar pelo menos uma que nos permita carregar a bateria. Se está a pensar ligar habitualmente o carro à sua corrente doméstica, investigue qual o período do dia durante o qual o seu operador oferece preços mais baixos.

Bê-á-bá dos carros elétricos: 5 dúvidas respondidas

Quanto tempo demora a recarregar?

O tempo de carga pode variar bastante de acordo com o tipo de posto utilizado, a sua amperagem e a capacidade da bateria mas, a não ser que ande diariamente a esgotar todas as suas reservas, pode contar com uma média entre as 4 e as 6 horas num posto de carregamento doméstico. Os híbridos plug-in, regra geral, demoram menos tempo (entre as 2 e as 5 horas). Com uma amperagem superior, os postos de abastecimento rápido conseguem o recorde de 80% em apenas 30 minutos, sendo que os restantes 20% poderão demorar um bom par de horas a carregar.

Qual é afinal a sua autonomia?

O mercado de carros elétricos tem ofertas que vão desde os 100 aos 300kms de autonomia, sendo comum o valor médio dos 150km, enquanto os valores superiores vão para o segmento premium da oferta. Os híbridos plug-in, com o uso misto de eletricidade e combustão, podem ficar entre os 600 e os 800km. O rei da autonomia dos EV é o Chevrolet Bolt (380km) enquanto nos plug-in é o Toyota Prius Prime (mais de 1000km). Quando comparar valores de diferentes modelos, tenha em atenção que os valores indicados pelos fabricantes são obtidos em circunstâncias ideais e não em circulação real. Conte também com uma autonomia inferior durante o inverno, altura em que as baterias têm dificuldade em mostrar todo o seu músculo.

A sua condução é muito diferente de um carro a combustão?

Tal como os seus colegas a gasolina/diesel, nem todos os carros elétricos são construídos da mesma forma. Mas, apesar dos desenhos, conceitos e aerodinâmicas diversos, todos apresentam uma resposta de condução muito própria que surpreende o novo condutor mas a que rapidamente nos habituamos. O binário de um carro elétrico está imediatamente disponível a partir do momento em que metemos o pé no acelerador, tornando-o visivelmente mais responsivo. A resposta do motor torna a viagem mais suave e a ausência do ruído da combustão é primeiro insólita, mas rapidamente se torna agradável. É uma experiência muito diferente daquilo a que estamos habituados, mas não causa estranheza e ao fim de alguns quilómetros já estamos no ritmo.

Good Year Kilometros que cuentan