Castelo de Bode: 5 restaurantes no grande lago

Nas margens de Castelo de Bode encontram-se destinos gastronómicos de grande nível. Conheça 5 que vão desde a cozinha regional aos hambúrgueres gourmet.

Perto do centro geográfico do país, a Barragem de Castelo de Bode aproveita o Zêzere para criar uma bela paisagem. É um destino de desportos náuticos por excelência, sendo palco para provas internacionais, mas tem também convites para o estômago. A meio caminho entre a linha de costa e a fronteira, encontram-se aqui uma série de tradições gastronómicas. Come-se peixe de rio mas também se assam cabritos, há doces conventuais e bom vinho. Fizemos uma pausa na companhia do Zêzere e revelamos os nossos destinos preferidos para comer em Castelo de Bode.

Com a sua dimensão, que abrange os concelhos de Tomar, Abrantes, Sardoal e Ferreira do Zêzere, ao longo de 60 quilómetros, a Castelo de Bode não faltam motivos de visita. A vegetação e o pinhal que a rodeiam são de grande beleza, criando fantásticos recantos nesta bacia. Desde Constância até Dornes sucedem-se pequenas aldeias e baías e, ao prazer da natureza, junta-se também o do estômago. É um destino que nos inspira sempre e tem uma gastronomia que justifica a deslocação em qualquer altura do ano. Conheçam as nossas 5 recomendações.

A Lúria

Na Portela de São Pedro, a caminho de Castelo de Bode, o Lúria desde 1979 que preserva a gastronomia local. Recomenda-se o Magusto de Carnes, uma grelhada mista de porco, vaca e borrego, e a Açorda de Sável. Este peixe também é frito e acompanhado com açorda de ovas, em doses mais do que generosas. Conforme a época do ano, a carta poderá oferecer ainda lampreia, cogumelos ou pratos de caça.

O Sabor da Pedra

Para acompanhar a magnífica vista panorâmica sobre o rio, o Sabor da Pedra junta-lhe um menu de grande esmero. Serve-se aqui gastronomia tradicional portuguesa, com destaque para as carnes DOP certificadas, e também peixes do mar e rio. As entradas, só por si, matam a energia de qualquer estômago incauto: presunto de porco preto divinal e o pão certo para o acompanhar. Recomendam-se o sável frito e açorda de ovas, o lúcio e achigã grelhados, no que diz respeito à pesca de rio. Conforme as épocas, serve-se também cabrito assado no forno, galo do campo, pato no forno e cozido à portuguesa.

Paraíso do Zêzere

Outro exemplo de um paraíso para a vista e para o palato, este restaurante fica também debruçado sobre a água. Prezam-se aqui os peixes do rio, grelham-se e fritam-se achigãs, barbos e lúcios, acompanhados pela obrigatória açorda de ovas. Recomenda-se também o arroz de lagostins, a sopa de tomate e, se estiver na carta nesse dia, o javali. Apesar da dimensão (cerca de 120 lugares) se vier até aqui num fim de semana traga alguma paciência consigo. O serviço é simpático e disponível, mas em dias de grande afluência prepare-se para admirar as águas do rio por mais tempo do que gostaria. Mas vale a pena, asseguramos.

Maven Cafe

Mudamos um pouco o espírito para visitar o Maven. Em vez dos pratos regionais típicos, na praia fluvial do lago azul encontramos refeições ligeiras para um momento de descontração. Com esplanada e vista para o lago, há música ambiente e, em vez de açorda e peixe de rio, há hambúrgueres e sandes diversas. Muito frequentado no auge da temporada de desportos náuticos (há aqui uma escola de wakeboard), convida à descontração na época baixa. Recomendamos o hambúrguer Maven e as deliciosas batatas fritas que o acompanham.

Restaurante da Casa do Adro 

No centro de Ferreira do Zêzere, junto à igreja matriz, a Casa do Adro é um edifício histórico agora transformado em Hotel. Com um estilo mais sofisticado do que outros exemplos nesta lista, o seu restaurante mantém contudo uma aposta tradicional. As cataplanas de tamboril e camarão, assim como o porco preto com migas, são as estrelas. A cozinha está a cargo do chef Flávio Ferreira.