Castelo de Vide: uma das mais belas vilas do Alentejo

Castelo de Vide é considerada uma das mais belas vilas do Alentejo. Para uns é a Provença portuguesa, para outros a Sintra do Alentejo.

Antes que o calor aperte, a nossa sugestão de escapadela vai para Castelo de Vide, no Alentejo. No distrito de Portalegre, inserido no Parque Natural de São Mamede, a cerca de 20 km de Marvão e perto de Espanha fica Castelo de Vide. Uma vila rodeada por 2,5 km de muralhas considerada uma das cinco vilas históricas mais bonitas do Alentejo.

Primeiramente, ao aproximar-se vai ver um castelo em destaque entre o casario. A combinação quase mágica traduz-se nas palavras que se usam para descrever o local. Para uns é a Provença portuguesa para outros a Sintra do Alentejo. Já no local, e a partir do castelo, a paisagem tipicamente alentejana estende-se a perder de vista: campos, pequenas aldeias, um vislumbre de Marvão e Espanha ali ao lado.

As riquezas naturais cruzam-se com as riquezas culturais. As termas, e as suas águas com, dizem, propriedades terapêuticas, não passam despercebidas. Além disso, destacam-se ainda a Fonte da Vila e a Fonte da Mealhada. Mas atenção, sobre esta fonte, importa reter que, segundo a sabedoria popular “quem bebe da água da Fonte da Mealhada há de voltar a Castelo de Vide para casar”.

Lição de história

Na vila, as influências do passado estão dispersas por todo o lado. Na encosta norte, entre o Castelo e a Fonte da Vila ruas estreitas conduzem ao núcleo histórico da Judiaria. Aqui, no século XIII, no tempo de D. Dinis, vivia uma comunidade de judeus, cujos vestígios sobreviveram até hoje. A judiaria de Castelo de Vide estende-se pela encosta a nascente, uma das mais íngremes da vila. Afinal, o site do Turismo de Portugal descreve o espaço como um dos mais bem preservados, estando a ser alvo de “um programa de recuperação de edifícios e de revitalização, onde se preserva um dos maiores espólios de arquitetura civil do período gótico”.

As judiarias eram “guetos medievais” onde os judeus eram obrigados a morar por leis do reino. A expulsão de Espanha que os Reis Católicos impuseram em finais do século XV ajudaram o bairro a crescer definitivamente. Podemos ainda visitar a sinagoga, hoje convertida em museus, situada na Rua da Judiaria ou Rua da Fonte, num edifício que conserva o ar original e pode ser visitado no interior. A sugestão de passeio nesta zona fica ao seu critério, pois as ruas e ruelas íngremes, sinuosas e estreitas convidam a um passeio sem rumo certo à descoberta da memória medieval.

Castelo de Vide: uma das vilas mais bonitas do Alentejo

Visitar ainda

Naturalmente que, em matéria de memória cristã, a oferta é igualmente rica. Entre as 24 igrejas é imperdível a visita aos painéis de azulejos da Capela do Salvador do Mundo. Não deve também deixar de visitar a Capela de São Roque construída no séc. XV e reconstruída no séc. XVIII. Ao subir o monte fronteiro a Castelo de Vide, aproveite para visitar a Capela de Nossa Senhora da Penha.

Fique ou não a pernoitar na Quinta das Lavandas, pode aproveitar, nos meses de junho e julho, para fazer uma visita a visita guiada, de hora e meia, à Quinta e aos campos de lavanda. Na visita é feita uma breve explicação sobre o cultivo da lavanda e uma passagem pela destilaria. No final, os visitantes podem passear livremente pela quinta e tirar fotografias. Há passeios agendados para as terças e quintas-feiras, mas o local está aberto a outras propostas.

Onde ficar

Para ficar em Castelo de Vide a sugestão vai para a, já referida, Quinta das Lavandas. É um alojamento de turismo rural, no Parque da Serra de São Mamede, a quatro quilómetros de Castelo de Vide. A quinta tem 200 mil m2 de espaço para descansar. Os quartos são apenas sete, mas no local terá a oportunidade de viver, temporariamente, entre 6 hectares de lavanda (alfazema) que têm como destino a produção de óleos essenciais e a elaboração de produtos tradicionais resultantes dos derivados da lavanda.

Ao consultar sites de reservas de hotel, pode encontrar outras opções de estadia como a Casa da Rua Nova, Vila Maria, Monte das Mariolas, Quinta Serra de São Mamede, Convento Senhora da Vitória e a Pensão Destino.

Onde comer

Igualmente, em Castelo de Vide, a gastronomia é rica. Aproveite para experimentar migas com entrecosto, pezinhos de coentrada, sarapatel ou alhada de cação. As broas de mel ou as boleimas com gosto de maçã são, para acompanhar, a melhor sobremesa.

O restaurante D. Pedro V, na praça principal de Castelo de Vide, junto da Igreja Matriz, da Câmara Municipal e da Igreja de S. João é uma das opções. Ocupa um prédio antigo onde, diz a lenda, D. Pedro V se instalou. A sala do restaurante é ampla e preserva os tetos abobadados originais, não tratados, com chão de tijoleira. As mesas são madeira com toalhas de papel branco sobre outras de pano amarelo. A cozinha inclui o queijo de Nisa DOP, os enchidos regionais, a Cacholeira Branca, ou a açorda alentejana. O repasto pode prosseguir com sopa de cação, o cabrito de cachafrito, e as migas de batata à alentejana. Logo depois, o aldrabado de castanha, doce típico recuperado de uma receita da antiga dona da casa.

Por muito que o exploremos, o Alentejo continuará sempre a guardar segredos à vista de todos. Experiente uma escapadela de fim de semana em Castelo de Vide e ouça os sussuros da História.