Ciência para crianças: o Nóbel de 2030 mora em sua casa

25 Novembro | 2015 | Goodyear

Nestas férias de Natal leve as suas crianças a um dos muitos centros de ciência espalhados pelo país

Quando toca à ciência, não há público mais curioso e atento do que as crianças . E, agora que chega o frio e começa a ser cada vez mais difícil organizar programas que tirem os nossos filhos da passividade do lar, os diversos Centros Ciência Viva (CCV) espalhados pelo país oferecem-nos a hipótese de oferecer as maravilhas da ciência aos investigadores lá de casa. Conheça aqui alguns dos pólos e actividades que pode visitar para ocupar um fim de semana chuvoso ou tornar mais  úteis as férias do Natal que se avizinham.

 

A aprender nos tempos livres

As crianças, ao contrário de nós, estão perfeitamente satisfeitas em mudar de opinião: um dia querem ser veterinárias, noutros sonham em ser astronautas e noutros querem “inventar” máquinas. É essa curiosidade que, como pais,  gostamos de fazer crescer e os 20 centros da rede Ciência Viva apoiam isso mesmo. Cada pólo tem um tema próprio, relacionado com a região onde está situado, e merece uma visita. No Sousal o tema é a actividade mineira, em Aveiro visita-se uma fábrica, em Proença-a-Nova falam-nos de florestas…

 

…o infinito e mais além!

 Se os seus filhos sonham em ser engenheiros de foguetões ou médicos de gatos, há com certeza um CCV mesmo à sua medida. No nosso caso não é segredo que lá em casa somos fãs da astronomia e gostamos de passar fins de semana com as estrelas (http://quilometrosquecontam.com/duas-noites-em-viagem-pelo-universo/) por isso terão que nos desculpar se começarmos mesmo por aí.

Em Lisboa, o Planetário Calouste Gulbenkian já contribui para criar pequenos-grandes astrónomos desde 1965 e continua bem activo apesar dos seus 50 anos. Oferece uma série de sessões pensadas para os mais jovens (a partir dos 4 anos) e tem actualmente em exibição uma viagem a um buraco negro narrada por Nuno Markl. O Planetário do Porto é coordenado pelo Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, um conjunto de professores e investigadores com provas dadas, e tem sessões e laboratórios para todas as faixas etárias. “Vida, Uma História Cósmica”, do Planetário Morrison, seria a nossa sessão recomendada, mas não irá falhar se escolher qualquer outra.

O centro de Constância é coordenado por um dos nomes incontornáveis da astronomia nacional, Máximo Ferreira, e foi desenhado com uma extrema atenção ao pormenor e à implantação na paisagem. Com um observatório-auditório onde encontramos um fabuloso telescópio de 20” (um verdadeiro “fórmula 1” deste tipo de dispositivos), planetário e diversos módulos exteriores, é um dos espaços que melhor recebe a ciência nos seus braços. Para as crianças, além das sessões de observação abertas ao público todos os sábados à noite, organizam-se ainda festas de aniversário.

Ciencia crianças - Quilometrosquecontam

 

Com os pés na Terra

O Carsoscópio é o Centro do Alviela (Santarém), e tem workshops para famílias sobre a ciência na cozinha, uma experiência bem engraçada para nos entretermos no primeiro domingo de cada mês. Uma visita virtual aos dinossáurios que deixaram pegadas na Serra d´Aire ou descobrir porque é que os morcegos não caiem quando dormem, são outras propostas de exposições que destacamos.

E já que falamos de actividades para toda a família, são de referir também os “Monstros Viscosos” e o Peddy Paper do Centro de Ciência Viva de Lagos que, em conjunto com o CCV de Tavira, ajuda à divulgação científica por terras algarvias. Em Tavira, aos sábados de manhã, há a hipótese de “Brincar com a Ciência”, um conjunto de actividades para crianças entre os 5 e os 11 anos.

Em Faro, os espaços do Centro Ciência Viva do Algarve compreendem uma exposição permanente dedicada ao mar, salas dedicadas à física e à química da luz e ao cérebro e aos sentidos, um jardim com um conjunto de módulos dedicados ao aproveitamento das energias solar e eólica, uma estufa inteligente e uma açoteia com uma vista magnifica apara a Ria Formosa. Para além das festas de aniversário, aqui há ainda oficinas de ciência para as férias.

Os pais de Aveiro podem deixar os seus filhos entre as 19h e as 24h00 da última sexta feira do mês na Fábrica, onde o serviço de babysitting para crianças entre os 6 e os 12 anos vem com um toque de ciência. Este CCV tem ainda um clube de cientistas que funciona um domingo por mês no Aveiro Shopping Center com direito a cartão de membro e tudo.

 

Do interior da Terra às florestas

Os CCV´s adaptam-se às características das regiões onde estão sediados. No Lousal, por exemplo, somos convidados a viajar no tempo até à altura em que a exploração mineira era a actividade mais importante da região e as crianças podem brincar numa maqueta que simula o trabalho da mina ou descobrir que partes de um VW “carocha” chegam através da exploração mineira.

Em Proença-a-Nova, onde o pinhal é um dos mais importantes recursos locais, o Centro Ciência Viva da Floresta apresenta um “Menú” de actividades que podemos escolher ao gosto da família: podemos participar em workshops de produção de sabonetes, sais de banho ou velas de cera, e ainda ir à procura do “Monstro da Floresta”.

Também nas Ilhas a ciência tem direito a local de destaque. Nos Açores, em São Miguel, o Expolab mostra-nos insectos, a flora local ao microscópio, as florestas pré-históricas ou um moderno lar digital. O espaço “Brinca com a Ciência” é mesmo pensado para os mais pequenos e conta com uma série de actividade experimentais e lúdicas para eles. Na Madeira é em Porto Moniz que encontramos o CCV local e a sua exposição permanente sobre a floresta Laurissilva da região, a história e a importância da sua preservação.

As propostas não se ficam por aqui mas o espaço é curto e cada um destes pólos merece atenção demorada. Veja aqui a lista e descubra qual o mais próximo de si. Não deixe passar este Inverno sem semear a sede de conhecimento no espírito inquieto dos seus filhos.

Good Year Kilometros que cuentan