Clássicos de sempre do Carnaval

24 Fevereiro | 2020 | Goodyear

O Carnaval são três dias e nada como aproveitar já esta playlist com êxitos de sempre

O Carnaval significa samba, e não só no Brasil, já que são muitos os desfiles em Portugal onde a música do país irmão toma conta da festa.  É no Sambódromo do Rio de Janeiro que as marchinhas e sambas da época ganham a fama que depois acaba exportada para outras terras brasileiras e para o nosso país e, ao longo dos anos, muitos são os clássicos que entraram nesta espécie de “cancioneiro carnavalesco”. Fique com a nossa lista.

O Sol Nascerá, Cartola

Angenor de Oliveira, vulgo “Cartola” é um dos maiores nomes do samba e tornou-se famoso para o mundo a partir da Estação Primeira de Mangueira, bloco de samba que formou naquela favela durante o princípio dos anos 30. O Sol Nascerá foi, em 1974, a estreia de Cartola em disco, quando já tinha 65 anos.

O Mar Serenou, Clara Nunes

Clara Nunes chegou a ser considerada pela revista Rolling Stone como a nona maior voz brasileira e, pela mesma revista, quinquagésima primeira maior artista brasileira de todos os tempos. Este O Mar Serenou é um excelente exemplo da voz melodiosa e potente da cantora que tinha a Portela no coração.

Atrás do trio elétrico, Caetano Veloso

“Atrás do trio elétrico”, escrita em 1970 por Caetano Veloso,  é uma das primeiras músicas a mencionar o trio elétrico, que, mais tarde, viria a tornar-se no símbolo do carnaval de Salvador da Bahia, tornando-se mesmo numa das mais importantes da história do carnaval no Brasil.

Pecado Capital, Paulinho da Viola

Criada especialmente para a novela com o mesmo nome, em 1975, o tema tornou-se num marco na carreira de Paulinho da Viola. “Dinheiro na mão é vendaval”, dizia o cantor num dos versos mais famosos da canção.

Samba da minha terra, Dorival Caymmi

Nascido na Baía, Dorival Caymmi trouxe uma cor diferente ao samba, não menos rica, simplesmente diferente, como podemos ver neste “Samba da Minha Terra”. Considerado um dos maiores nomes da música popular brasileira, foi o compositor do mega sucesso que tornaria famosa a muito portuguesa Carmen Miranda, de Marco de Canavezes, “O que é que a baiana tem?”

Canta Canta, Minha Gente, Martinho da Vila

Um dos grandes êxitos da carreira de Martinho da Vila, lançado em 1974, em que o simples acto de cantar tudo vence, sendo que “a vida vai melhorar”. Mais de quatro décadas depois do seu lançamento, o tema continua a ser presença obrigatória nos espectáculos do cantor.

Aquele Abraço, Gilberto Gil

É, talvez, a mais famosa música brasileira, apesar de ser menos conhecido o contexto em que nasceu. Quando a compôs em 1969, Gilberto Gil tinha a intenção de criar uma espécie de despedida musicada ao país que abandonaria em breve, rumo ao exílio em Londres. Mas hoje pode ser ouvida de outra forma, como um caloroso convite à folia do Rio de Janeiro que “continua lindo e continua sendo…”

Quem Te Viu, Quem Te Vê, Chico Buarque

É um dos primeiros clássicos de Chico Buarque, escrito em 1967, composta inicialmente para ser cantada por Nara Leão, a musa da Bossa Nova que morreu prematuramente em 1989, aos 47 anos.  “Quem Te Viu, Quem Te Vê” é história de ascensão social e amor não correspondido.

A flor e o espinho, Nelson Cavaquinho

Nelson Cavaquinho leva-nos para um Carnaval mais sombrio, que custa a passar e que se cumpre nos tascos de esquina, com a cachaça a afogar a mágoa. Com toda a distância que os separa, há aqui o mesmo espírito que faz nascer o fado português, agora em versão para abanar o corpo.

Festa, Ivete Sangalo

O Nordeste brasileiro tinha também de estar representado. Esta “Festa”, um dos temas mais conhecidos de Ivete Sangalo, cantora de grande sucesso no nosso país e presença habitual no Rock in Rio Lisboa, mostra toda a folia do carnaval nordestino.

O Carnaval vai embora tão depressa quanto chega. Ponha, assim, esta playlist a tocar bem alto e dance pela noite fora.

Good Year Kilometros que cuentan