Dia de praia canino!

23 Julho | 2015 | Goodyear

A melhor viagem é a que fazemos na melhor companhia, mas às vezes a melhor companhia nem sequer é humana. O nosso animal de estimação, nomeadamente se falarmos dum cão, é uma escolha ótima para termos um acompanhante simultaneamente  silencioso e carinhoso, e pronto a aceitar, sempre, o destino que você escolher sem murmurar nem uma queixa.  Certo é que a conversa tem limites mais do que evidentes, mas quem disse que a escolha fosse perfeita? Apenas ótima!

O problema na hora da viagem com animais está na legislação, que visa proteger os direitos de todas as partes e faz com que, evidentemente, haja limites nos locais que podemos incluir na planificação das nossas férias. Felizmente, ainda com precauções necessárias,  podemos desfrutar dum dia de praia com o nosso amigo, sempre que atendermos uma série de normas básicas (que incluem o emprego de trela e até mesmo de açaime se for necessário no caso do seu cão, como na legislação habitual). Lembre que nas praias concessionárias é proibida tanto a circulação quanto a permanência dos animais (excepto cães de assistência como os das pessoas invisuais) seja a época que for. E, no resto delas, fique atento ao edital de cada praia, pois por decreto-lei nacional é a Direção Geral da Autoridade Marítima que contempla e designa a definição ou interdição de aspetos relativos aos usos públicos como a presença de animais de estimação. É, pois, fundamental consultarmos o edital aquando da nossa chegada ao areal.

Lembre, aliás, que o seu cão precisa de ter atualizadas todas as vacinas, porquanto a praia é um ambiente muito propício para a difusão de doenças. É preciso o veterinário fazer uma comprovação do estado do animal. Também não esqueça que não é recomendável levar à praia cães menores de quatro meses, ainda cachorros, pelos vários riscos em idades assim tão curtas.

Praia - Quilometrosquecontam

Quando tiver escolhido a praia e comprovado que os cães não estejam probidos, lembre duas coisas que são sempre necessárias: a primeira é um saquinho, porque manter as praias limpas é uma responsabilidade comum e ninguém quer encontrar, no dia seguinte, os “presentes” do seu animalzinho sob a areia em que se deita. A segunda é uma coleira identificativa com os dados relativos a você, dono do animal, como nome, telefone e outras informações de utilidade. Se o seu cão tiver um mau dia e decidir isolar-se entre a multidão e muitos outros cães, decerto que irá agradecer uma precaução assim tão básica que evite o problema. Aliás, uma garrafa de água fresca é muito boa ideia tanto para você quanto para o cão, especialmente porque o seu animal de estimação pode sentir necessidade de beber e não sabe, como você sim, que a água salgada é má para o organismo.

Após um completo dia de praia, o que é melhor que um refrigerante à sombra das esplanadas do passeio marítimo? A boa notícia é que, após a última mudança legislativa, as esplanadas de cafés e restaurantes, desde que não estiver assinalada devidamente a proibição, permitem a presença de cães. A lei explica que “não é permitida a permanência de animais em espaços fechados, salvo quando se tratar de cães de assistência e desde que cumpridas as obrigações legais por parte dos portadores destes animais”. As esplanadas são habitualmente espaços abertos e, por isso, disponíveis para o seu acompanhante.

E não esqueça que, para chegar até a aqui, terá antes de transportar o seu cão devidamente. Lembre que no carro nunca pode ir solto e a forma mais segura de transporte é numa caixa específica colocada no chão ou na bagageira com grelha ou com rede divisória. Outro modo é mediante cintos e coletes adaptáveis que já estão disponibilizados para animais de estimação. No entanto, se viajar num motociclo ou semelhante, a lei é clara: reboque ou caixa de carga.

E, para a dormida, tem a sorte de que, devagar, há a cada dia mais alojamentos que aceitam animais em Portugal.

Good Year Kilometros que cuentan