Faro, o Algarve escondido à vista de todos

Tem menos turistas, tem uma vida própria que dura o ano inteiro e não é menos algarvia do que as suas congéneres. Conheça o que fazer e visitar em Faro.

Apesar de ser a capital da região, Faro é raramente o destino final do turista que chega de fora. As praias não ficam imediatamente aqui e a vida noturna e entretenimento são mais fortes noutras localidades. Mas as coisas têm mudado bastante. As últimas décadas têm trazido uma alma mais moderna e ativa para a cidade, com novos negócios e novas personagens. Há espetáculos, restaurantes, bares e lojas destinados a um público criterioso e Faro evidencia-se como destino para todo o ano.

Faro nasceu na privilegiada companhia da Ria Formosa, um fabuloso destino natural, mas ao contrário de outros, tem suficientes motivos para nos manter dentro da cidade. O espírito que se vive aqui é bastante diferente das estâncias balneares que encontramos no resto da região.

“Um conto de duas cidades”

A Cidade Velha é a zona muralhada, a que se acede através das antigas portas. A povoação cresceu dentro dos muros de Vila-a-Dentro por altura da presença árabe, sobrevivendo vários monumentos e edifícios históricos. Entre aqui pelo Arco da Vila e rapidamente irá detetar os vestígios árabes que ainda restam. A construção é típica, com as ruas em calçada e as fachadas brancas omnipresentes, com algumas casas encavalitadas a trazer ares de Norte de África. No Largo da Sé encontramos a Câmara Municipal e a Sé Catedral, cuja torre merece uma visita, No alto do sino existe uma varanda com uma vista fantástica sobre a cidade e a Ria Formosa.

Se já estiver com fome, dentro das muralhas poderá encontrar algumas boas propostas. Recomendamos o terraço do Tertúlia Algarvia para provar a moxama e a barriga de atum. Em alternativa, o Cidade Velha é especialista em cataplanas e a comida é sempre feita na hora.

Espreite ainda a imponente porta das muralhas, no Arco do Repouso, atravesse o antigo castelo e dirija-se à saída virada para a Ria. Depois de explorar o interior, com tempo faça também o circuito em redor da muralha e termine no Jardim Manuel Bívar antes de um passeio pela marina. Para terminar este tour pelo passado, recomenda-se ainda a visita à Igreja do Carmo, um pouco mais afastada a norte. Há aqui uma insólita Capela dos Ossos que reuniu os restos dos cemitérios da região e usou-os na construção das paredes.

Faro, o Algarve escondido à vista de todos

Faro rejuvenescida

De regresso à “cidade moderna”, um dos eixos da vida dos farenses desenrola-se em redor da Rua de Santo António. Menos visitada pelos turistas estrangeiros, encontramos na zona uma visão real do dia-a-dia da terra. Em volta encontramos verdadeira gastronomia regional a preços honestos, mas também os bares mais modernos e jovens que alegram a cidade.

Na direção da ria e da marina, a calçada da Rua Conselheiro Bívar é outro convite para abrandar o passo. Rodeada de ruas estreitas com casas modestas, recorda-nos a tradição piscatória da terra mas tem sido recuperada para outros usos. Também aqui têm nascido novos restaurantes, espaços culturais e hospedarias que dinamizam toda a zona. Há comida rápida, mas também bares de tapas e cocktails, música ao vivo e discotecas.

Faro, o Algarve escondido à vista de todos

Mar e campo

Saindo de Faro para conhecer a paisagem que rodeia a cidade temos duas hipóteses. Na primeira, iremos rumar para o interior na direção de Estoi. De costas para o mar, podemos passear pela história nas ruínas romanas de Milreu. O estado de conservação é surpreendente, especialmente no caso do templo paleocristão situado no zona do complexo. É uma delícia para os apaixonados pela história mais antiga. Prosseguindo viagem encontramos o famoso palácio cor-de-rosa, com relaxantes jardins de laranjeiras e palmeiras e um terraço inferior impressionante. Faz parte da rede das Pousadas de Portugal, e é uma séria hipótese para dormir na região de Faro.

Em sentido contrário, e para nos despedirmos de Faro com uma visão do mar, temos a Ria Formosa. O parque estende-se por 60 quilómetros na direção de Vila Real de Santo António e atravessa paisagens memoráveis. Além de todas as aves que poderá avistar, poderá reservar passeios de barco durante quase todo o ano. Ainda mais desertas do que no verão, é possível visitar as ilhas barreira, a Culatra, Farol, Armona ou Hangáres.