0 Madeira: a ilha onde não há inverno - quilometrosquecontam

Madeira: a ilha onde não há inverno

29 Novembro | 2019 | Goodyear

Numa altura em que o frio e a chuva já chegaram ao continente, que tal uma escapadinha até à Pérola do Atlântico?

Com a chuva e o frio a abaterem-se sobre Portugal continental, talvez seja melhor estabelecer um plano de fuga, pelo menos para os mais friorentos. Fuga aqui, equivale, é claro, a uma escapadinha, seja de fim-de-semana ou por mais alguns dias.

E é aqui que entra a Madeira, a ilha onde não há inverno. A Pérola do Atlântico tem sempre muito para oferecer a quem a visita e, por esta altura, quando o outono começa a transformar-se em inverno, apresenta-se como o destino perfeito para a tal escapadinha. Deixamos uma série de sugestões para ver e fazer a quem decidir-se meter-se no avião e viajar até ao Funchal.

Madeira natalícia

A época oficial do Natal começa já a 1 de dezembro, e é precisamente nesse dia que a cidade do Funchal vai iluminar-se de forma espectacular, quando se acenderem mais de um milhão de lâmpadas (1.194.224, para sermos mais exatos). Tal como aconteceu, aliás, no ano passado. 

Devidamente bem iluminado, rume para a Avenida Arriaga, onde vai encontrar o tradicional mercado de Natal para fazer umas compras e, já agora, comer um bolo do caco devidamente acompanhado por uma poncha. E é mesmo na Avenida Arriaga onde está instalado um dos muitos presépios que, por esta altura, enfeitam a ilha, das localidades às encostas das montanhas.

Madeira com estrelas Michelin

A (boa) notícia acabou de chegar. Há dois restaurantes madeirenses que vão continuar a figurar no conceituado Guia Michelin na sua edição de 2020: o Il Gallo d’Ouro, com duas estrelas, e o William, com uma estrela. Por isso, se o seu orçamento estiver à altura de uma refeição gourmet, porque não experimentar estes dois templos gastronómicos madeirenses?

O Il Gallo d’Ouro está integrado no hotel The Cliff Bay, no Funchal, onde o chef Benoît Sinthon utiliza os produtos regionais para criar uma cozinha verdadeiramente requintada, feita de pratos com nomes memoráveis como Descoberta do Caminho Marítimo, Ondas Cristalinas ou Do Vale à Montanha.

Integrado também num hotel, neste caso o Belmond Reid’s Palace, fica o William Restaurant, detentor de uma estrela Michelin. A carta, desenhada pelo chef Joachim Koerper, é posta em prática pelo chef executivo Luís Pestana, que proporciona iguarias como o lavagante com duo de caviar e shiso ou o leitão confitado com castanhas, salsifis e bergamota.

Madeira vista (quase) do céu

E que tal uma vista sobre a ilha a 1861 metros de altitude? É essa a altura do Pico Ruivo, o cume mais alto da Madeira e ao qual é possível chegar se gostar de uma boa caminhada, sempre a subir, e não tiver vertigens, é claro.

Falamos da Vereda do Pico Ruivo, um percurso de 2,8 quilómetros, com hora e meia de duração (ida e volta), e que sobe por entre as encostas do Faial de Santana. Ao longo da subida pode contar com vários abrigos, já que a variação climática pode ser brusca, sendo frequente a área ficar mergulhada num mar de nuvens ou mesmo acima delas.

Pelo caminho pode parar na Achada do Teixeira, local onde se encontra o  “Homem em pé”, uma formação rochosa basáltica. E, claro, pode e deve apreciar a paisagem que o rodeia, do Vale da Ribeira Seca aos picos das Torres e do Areeiro, do Parque Florestal das Queimadas ao Vale da Ribeira Grande.

Madeira a pique

Se já ficou estabelecido que não tem vertigens, não pode perder um desvio até à Fajã dos Padres. A pouco mais de 15 minutos do Funchal pela VR1, este pequeno pedaço de paraíso é praticamente inacessível por terra. Assim, para lá chegar, vai ter de entrar no teleférico que, numa curta viagem de dois minutos o meio, o faz descer ao longo de 300 metros de falésia.

Chegado lá baixo, há muito para ver. Como as pequenas casas onde viveram os frades da Companhia de Jesus, que naqueles terrenos férteis introduziram a casta malvasia, hoje uma das mais apreciadas no vinho da Madeira. É, aliás, possível visitar a antiga adega onde o vinho era produzido. E aproveite também para almoçar no restaurante da Fajã dos Frades, onde o peixe é fresco e as sobremesas são confeccionadas com frutos produzidos na propriedade, assim como o vinho para acompanhar.

Marque quanto antes a sua viagem para a madeira e aproveite o que de melhor a Pérola do Atlântico tem para oferecer.

 

Good Year Kilometros que cuentan