Lagos, uma escapadela de encher a barriga!

Durante uma escapadela em Lagos há tempo para se apreciar o pôr do sol, belíssimos restaurantes e praias de água quente azul-turquesa numa cidade milenar.

Uma das cidades mais agradáveis do Algarve, Lagos tem um misto de antiguidade e juventude que já é raro na região. Mantém ainda muito do seu carácter original, as casas brancas e claras ao lado de monumentos históricos, mas é também local de romaria para turistas jovens e bem dispostos, transformando a noite da cidade numa das mais divertidas do Algarve. Além disso, a toda a volta, encontram-se algumas das praias mais bonitas de Portugal e a fabulosa Ponta da Piedade. Venha passar um fim de semana a Lagos, uma das pérolas do Algarve.

Lagos conheceu fenícios, gregos, cartaginenses, romanos e árabes antes da conquista cristã, tendo-se mantido um importante foco da região durante o período dos Descobrimentos. Foi daqui que se partiu depois para a conquista do Norte de África e tornou-se então um importante entreposto comercial de escravos e outros bens trazidos do sul. Perdeu a sua influência regional para Faro mas, já no século XX, acabaria por recuperar algum do seu antigo destaque com o crescimento do turismo.

O que ver no centro

O centro de Lagos não foi ainda tomado completamente pelo turismo. Mantém as suas ruas de casas brancas, algumas delas decoradas a azulejos e varandas de ferro forjado, assim como frescos recantos onde nos podemos refugiar do sol de verão. Um passeio de um par de horas pelas suas calçadas vai levar-nos até à igreja de Santo António, à Praça Infante Dom Henrique, pelas arcadas do Mercado de Escravos e o Palácio de Lançarote de Freitas. Na praça vamos encontrar ainda Igreja de Santa Maria e o Palácio dos Governadores, hoje em dia cedido à Santa Casa da Misericórdia local.

Pela marginal da Avenida dos Descobrimentos, até à velha ponte de D. Maria ou, na direção oposta, o Forte da Ponta da Bandeira, ficamos a conhecer a etapa final da ribeira de Bensafrim e a Marina de recreio. Não muito longe, o mercado local é de visita obrigatória para conhecer os frutos do mar, assim como uma espreitadela a partir do terraço do último piso para ver a marina e a avenida.

Antes do sol se pôr, rumamos pela Travessa do Forno, na direção da Praça de Armas, para encontrar uma das antigas portas da muralha começada a construir pelos romanos. Mantenha a muralha à sua direita e comece a seguir na direção do mar. Arrume o carro no parque de estacionamento da Praia dos Estudantes e procure um local para apreciar os últimos momentos do dia: com vista para o mar azul esmeralda, vai presenciar um dos mais bonitos pores do sol da sua vida.

Lagos, uma escapadela de encher a barriga!

Meia praia, praia completa

Famosa com a canção de Zeca Afonso e a memória de tantas gerações que cresceram por aqui, a Meia Praia é a longa extensão de areia que segue ao longo da baía, interrompida pelas Praias de São Roque e Vale da Lama, com a foz da ribeira de Odiáxere a fazer a última divisão antes da praia do Alvor. Só precisa de escolher a vista, porque aqui espaço não falta. Na direção oposta, são as pequenas praias que, apesar disso, são sempre convidativas: a Batata, Dona Ana ou o Camilo e, maior, Porto de Mós.

A qualquer hora do dia ou altura do ano, esteja a maré vazia ou cheia, o passeio de barco até à Ponta da Piedade é uma obrigação e um momento inesquecível. Pode alugar um barco na Praia de D. Ana ou na própria Ponta de Piedade e daí seguir para a descoberta das pequenas praias, túneis e rochedos de formas singulares. Há o Gigante da Baía, o Ferro de Engomar, a Boneca ou o Arco do Triunfo, todos nomeados segundo a sua parecença com objetos reais e a imaginação dos pescadores da zona.

Lagos, uma escapadela de encher a barriga!

Se tivermos sorte no guia escolhido, vamos ter também acesso a velhas histórias de pescadores, mais ou menos floreadas ao gosto da audiência, mas se não estivermos dispostos a partilhar estes momentos com uma espécie de “taxista do mar”, há também caiaques e canoas de aluguer nas praias em redor. Imprescindível é trazer uns óculos de mergulho: para além da vontade irresistível de mergulhar nas águas azuis-esmeralda, a vida que esconde aqui por baixo é demasiado fascinante para a deixarmos passar sem a espreitar.

Ataque à lota!

Não basta repetir que ainda é possível comer muito bem no Algarve, porque em Lagos a oferta é muito diversa. O Chico Zé (à entrada da cidade) é uma capelinha de eleição quando a religião é o peixe grelhado. Não usam mais do que sal e carvão, mas o peixe fresco que chega diariamente da lota de Lagos faz toda a diferença. No centro da cidade também não faltam opções, com a a Rua 25 de Abril a juntar algumas delas, como o Dom Sebastião e o São Gonçalo a apresentarem autênticas iguarias portuguesas. Com uma carta mais “internacional”, o The Garden é um agradável restaurante num jardim da Lançarote de Freitas, e o Saibos fica na Gil Vicente e apresenta também hambúrguers e pratos vegetarianos.