Filtro de óleo: tipos, quando mudar e para que serve

29 Agosto | 2019 | Goodyear

O óleo é um dos elementos mais importantes no funcionamento do motor de qualquer veículo. Sem a sua presença, seria impossível que todas as peças que compõem o motor encaixassem perfeitamente, para além de que possibilita a lubrificação indispensável para que o atrito constante de todas essas peças não provoque avarias. E se o óleo é essencial para o veículo, os filtros de óleo são de igual importância para a vida útil do motor.

Para que serve o filtro de óleo?

A função dos filtros de óleo é proteger o lubrificante das impurezas. O óleo lubrifica todo o motor e permite que as peças funcionem na perfeição mas, se estiver sujo ou tiver impurezas, pode danificar esses elementos. Graças ao filtro, as micropartículas que se desprendem do atrito das diferentes peças do motor ou do processo de combustão não chegam ao óleo e assim não se espalham pelo motor.

Os especialistas explicam que graças ao óleo reduz-se a fricção do motor e os elementos que compõem a mecânica do automóvel desgastam-se menos. Mas para que tal suceda, de modo a que vida útil do motor seja alargada, o óleo deve estar o mais limpo possível. É esta a função principal do filtro de óleo: protegê-lo das impurezas.

E como o filtro de óleo reduz a fricção das partes móveis do motor, evita que as impurezas passem para o circuito de lubrificação, reduzindo o desgaste das peças e aumentando a vida útil do motor. Além disso, o filtro de óleo faz ainda com que a temperatura não suba em excesso, o que poderia danificar o motor.

O filtro de óleo não só retém as partículas que resultam do desgaste do motor mas também outras que vêm do exterior, como a poeira ou os resíduos de carvão gerados pela combustão.

Quando deve ser mudado o filtro de óleo?

Os especialistas coincidem em assinalar que é recomendável trocar o filtro de óleo cada vez que se substitui o óleo do motor. Nos automóveis mais modernos o normal é fazê-lo a cada 15.000 quilómetros, aproximadamente, ainda que existam veículos de gama alta que possuem um sistema ‘long life’ que permite que o óleo dure pelo menos 50.000 quilómetros.

O melhor é seguir, sempre, as indicações de cada fabricante, já que a duração é diferente entre marcas distintas e, inclusivamente, entre modelos da mesma marca. Em caso algum se deve deixar o filtro velho quando se muda o óleo: o gasto é quase impercetível, entre 5 e 15 euros, mas a reparação da avaria que pode provocar será dispendiosa.

Além disso, é importante saber que há casos em que não se deve esperar pela mudança de óleo para trocar o filtro: sucede nas ocasiões em que o filtro está obstruído, já que pode afetar o funcionamento do motor, mas também quando se circula pouco com o veículo. Ainda que não existam quilómetros estipulados para esse ciclo de óleo, não pode estar muito tempo no veículo, já que se estraga. O melhor é substituir quer o óleo quer o filtro pelo menos a cada três anos.

Tipos de filtro de óleo

Os filtros de óleo podem classificar-se de diferentes maneiras: se o filtro pode ou não separar-se, pela sua composição ou pelo método de filtrar.

Filtros de óleo por separação

Filtros blindados: é mais utilizado atualmente nos veículos, em que o elemento filtrante não pode ser separado do invólucro. São chamados de selados, blindados ou monoblock porque quando são substituídos há que fazê-lo completamente e não apenas uma parte. Possuem uma rosca no invólucro para que possam fixar-se diretamente no motor.

Filtros de cartucho: nestes filtros é só preciso limpar o invólucro e voltar a colocá-lo, pelo que os filtros são, diretamente, o elemento filtrante. É mais utilizado nos veículos a gasolina, embora só representem 5 por cento do total, aproximadamente.

Filtros de óleo por composição

De papel ou celulose: são os mais ecológicos e, ao mesmo tempo, os mais fáceis de encontrar e os mais baratos. Podem ser reciclados levando-os a um ponto verde e filtram um pouco menos de 50 por cento das partículas que contaminam o óleo.

De material sintético: podem filtrar mais partículas nocivas porque os seus poros são mais estreitos que os de celulose e, assim, podem agarrar partículas mais pequenas. Filtram mais de 50 por cento das partículas contaminantes.

Com membrana de micro-cristais: são os melhores do mercado e multiplicam a eficácia dos outros tipos de filtro. Isso significa que o seu preço é também bastante mais alto, pelo que é normalmente utilizado nos veículos de gamas mais altas.

Filtros de óleo por método de filtragem

Mecânico: são também conhecidos como filtros de óleo de pressão porque o óleo passa pelo filtro graças à pressão exercida pelo motor. É dos mais comuns e é normalmente utilizado com filtros de celulose ou papel.

Centrífugos: empregam a força centrífuga para obrigar as partículas contaminantes a atravessar a zona filtrante. A maioria são filtros de cartucho, já que quando acumulam excesso de sujidade são facilmente substituíveis.

Sedimentação: a força da gravidade faz com que as partículas nocivas se depositem diretamente no filtro. É o método de filtragem mais simples.

Magnéticos: usam um íman para capturar as partículas sólidas da suspensão, pelo que normalmente não é utilizado em motores mas sim em caixas de velocidades que possuem o seu próprio óleo.

O filtro de óleo agarra as impurezas antes que atinjam o óleo e se espalhem pelo motor, pelo que mantê-lo em perfeito estado é fundamental para o funcionamento perfeito de qualquer veículo a motor.

 

Good Year Kilometros que cuentan