10 grandes concertos que não pode perder em 2016

25 Abril | 2016 | Goodyear

Com a companhia do bom tempo chega também a música e os festivais ao ar-livre. Antes de se deslocarem para a praia ou para o campo, os rockers portugueses têm muito para ouvir em Lisboa e Porto, na vaga de festivais urbanos que inaugura a temporada. Entre o passeio marítimo de Algés, a Belavista e o Parque da Cidade do Porto, não faltam ideias para mudarmos a playlist do carro.

Eis os nossos 10 destaques de grandes concertos que estão mesmo a chegar:

Muse. 2 e 3 de Maio. As duas datas na MEO Arena já estão esgotadas e isso mostra bem a força que estes rapazes têm no nosso país: não há tournée que os Muse façam por Portugal que não se paute pela casa cheia. As digressões da banda são sempre apresentadas em formato “máxi”, sendo unanimemente consideradas como ambiciosas e fantásticas, em virtude de uma mise-en-scène sempre primorosa. Mas a música não fica atrás e o rock épico e musculado da banda é garantia de um grande espectáculo.

AC/DC. 7 de Maio. Depois de uma surpresa desagradável (o estado de saúde de Brian Johnson não lhe permite participar na tournée), o regresso da banda australiana aos nossos palcos vai trazer um bónus na bagagem: Axl Rose irá cumprir as vezes de vocalista, num dois-em-um verdadeiramente original, numa altura em que os Guns´n´Roses também estão de regresso. Se vai funcionar não podemos garantir, e as redes sociais estão em chamas a discutir os “pros e os contras”, mas os portugueses irão ser os primeiros a descobrir em Algés.

Bruce Springsteen & The E Street Band. 19 de Maio. Depois de um concerto genial em 2012 e de ter surpreendido todos os presentes com a sua aparição ao lado dos Rolling Stones em 2014, o Boss regressa mais uma vez ao Rock In Rio Lisboa para abrir o festival com chave de ouro. Não nos importamos nada de receber uma visita regular deste calibre, ainda mais quando a companhia se mantém clássica como no caso da E Street Band. Na bagagem trazem nada mais, nada menos, do que um dos mais importantes discos do rock: “The River” vai ser tocado na íntegra e nós vamos estar nas primeiras filas a entoar cada verso.

Queen & Adam Lambert. 20 de Maio. Foram a primeira confirmação oficial para o festival do parque da Belavista e já se adivinha um verdadeiro desfile de hits. Brian May e Roger Taylor são os elementos restantes da formação original mas a máquina está oleada o suficiente para garantir um espetáculo altamente energético, não se desse o caso de Adam Lambert, descoberto no “American Idol”, ser também um “animal de palco”. Uma oportunidade única de ver a mítica banda.

The Chemical Brothers. 7 de Julho. Com disco novo para apresentar, o nome maior do big beat continua a reinventar-se e é uma aposta certa em cima de um palco. A dupla de veteranos dos Chemical Brothers já pisou recintos portugueses por várias vezes e a fórmula resulta sempre em multidões satisfeitas e aos saltos. “Galvanize”, “Go” e “Block Rocking Beats” fazem parte do alinhamento e o Alive irá, com toda a certeza, recebê-los de braços abertos.

Pixies. 7 de Julho. Outra visita regular nas salas e festivais portugueses, a carreira dos Pixies já vai longa, apesar dos hiatos pelo meio, e faz parte das memórias de, pelo menos, duas gerações diferentes. Kim Deal, a histórica baixista, já não faz parte do line up mas tudo o resto mantém-se: algumas das melhores canções que a música indie já produziu, os sonhos de Black Francis com OVNIS, e uma guitarra inconfundível. Já os vimos uma dezena de vezes, mas poderíamos ver outras tantas. São “assim de bons”.

Robert Plant & The Sensational Space Shifters. 7 de Julho. Robert Plant que nos perdoe mas, apesar da sua extensa vida depois dos Zeppelin, quando o voltarmos a ver em cima de um palco, no Passeio de Algés, vamos querer ouvir é os clássicos como este “Whole Lotta Love”. E o alinhamento parece que foi feito a pensar em nós, se tomarmos em consideração espetáculos recentes de Plant com este ensemble. Se tivermos sorte e a banda para tal estiver inclinada, poderemos ouvir ainda temas como “Black Dog”, “Going to California” ou “Ramble on”, tudo pérolas extraídas dos tesouros dos Led Zeppelin.

Radiohead. 8 de Julho. Sempre que aterram em Portugal, o resultado são concertos históricos. Mas de uma banda destas pode-se esperar tudo e, sem confirmarem o novo álbum que se espera a qualquer momento, é difícil prever o que é que os Radihoead vêm apresentar. A sua última visita tinha servido para fechar o Alive de 2012, com aquele que continua a ser o seu mais recente longa duração, “King of Limbs”,  por isso haverá tempo, com toda a certeza, para passar os ouvidos por malhas de “OK Computer” ou “Kid A”.

Arcade Fire. 9 de Julho. As lojas contam com álbum novo dos canadianos no final do ano e está confirmado que a banda está a trabalhar em novos temas para suceder a “Reflektor”, por isso é natural que se escutem canções novas. É a quinta vez que os Arcade Fire tocam em portugal, mas desta vez a ocasião tem algo de especial, pois a banda não anda em tournée e este é um dos dois únicos concertos que dará na Europa este ano. No meio de um público que os conhece muito bem e do qual já mostraram gostar, espera-se um grande concerto.

Iggy Pop. 15 de Julho. Se nos pedissem para dizer quem é o “Sr. Rock”, Iggy Pop estaria no topo da lista. “Post Pop Depression” é a última (e excelente) carta que o vocalista dos Stooges traz para jogar, mas o jogo deste mestre já o conhecemos bem e nunca nos farta: da fase Bowie deverá chegar “China Girl”, dos anos 80 “Wild One” e “Cry for Love”, e podemos contar com um final de espetáculo em ritmo acelerado, com passagem pelos clássicos punk extraídos de “Raw Power” e “Fun House”. A dar grandes concertos desde 1969, sem sinais de abrandar…

Good Year Kilometros que cuentan