0 A história do GPS nos automóveis: assim mudou a navegação no motor - quilometrosquecontam

A história do GPS nos automóveis: assim mudou a navegação no motor

13 Novembro | 2019 | Goodyear

Sabia que a história do GPS começou há um século? Descubra com a Goodyear a história da navegação GPS no automóvel até aos nossos dias

Nos anos 1960, o Exército dos Estados Unidos já usava um sistema de geolocalização que lhe permitia conhecer a localização exata de toda a sua frota. Hoje, mais de meio século depois, o GPS tornou-se um instrumento de uso quotidiano em qualquer veículo a motor, seja através de navegadores portáteis, integrados no carro ou através de aplicativos móveis.

 Uma revolução nas nossas estradas, eis a história do GPS

Embora nos pareça um sistema realmente moderno e atual, a verdade é que os primeiros sistemas de navegação no mundo dos motores têm mais de cem anos. Esses dispositivos rudimentares tornaram-se hoje sofisticados sistemas de satélite, mas sem os inventores do início do século XX, nada que sabemos hoje seria possível.

Os primórdios: o Jones Live Map

Em 1909, o primeiro sistema de leitura de rotas apareceu na estrada. Foi o trabalho de um americano, J.W. Jones, que se aproveitou do facto de os velocímetros desportivos começarem a ser vendidos e criou discos de papel com informações de rotas até 160 quilómetros de comprimento. O disco informava a posição, o tipo de rota e as curvas que precisavam de ser feitas. Foi um sucesso, mas não conseguiu adaptar-se à rápida atualização das estradas e deixou de ser utilizado apenas uma década depois.

O italiano Iter Avto

Vinte anos depois, em 1930, o Iter Avto apareceu em Itália, um dispositivo que eracolocado na placa de madeira que servia de painel. No interior, havia mapas em papel laminado que passavam pela tela, graças a um cabo ligado ao velocímetro e que regulava a velocidade na qual as informações eram exibidas. Teve um sucesso relativo, uma vez que os mapas tinham que ser recarregados quando acabavam.

Um marco espanhol na história do GPS: o Auto Map

Tivemos que esperar pelos anos 50 para que um espanhol se juntasse à lista de inventores que aprimoraram os sistemas de navegação. O seu nome era Antonio Martín Santos, de León, e criou o Auto Map, um sistema semelhante ao italiano Iter Avto, mas que podia ser interrompido quando o motorista quisesse e que, além disso, era portátil. O dispositivo recebeu vários prémios e poderia ter tido grande sucesso, mas o inventor morreu em 1961 e, com ele, o Auto Map.

Ford Aurora, um grande passo em direção ao GPS atual

O Exército dos Estados Unidos já tinha trabalhado num sistema de geolocalização para ter toda a sua frota constantemente localizável. Mas o primeiro fabricante de automóveis que se atreveu a introduzir um sistema de navegação foi a Ford. A empresa norte-americana lançou em 1964 o Ford Aurora, um carro conceptual que integrava um navegador no painel e cujo mapeamento estava associado ao progresso do carro. Era uma mistura da Inter Avto e do Auto Map, mas melhorada, e marcou um antes e um depois no mundo do automóvel.

Anos 80: já estamos velhos quando nos lembramos de...

Japão, chave na corrida para o GPS atual

Mas o que a indústria automóvel classificou como o primeiro navegador da história moderna foi introduzido no Japão em 1981. A Honda chamou-o de Electro Gyrocator e, embora não fosse um GPS, foi uma grande evolução: era um navegador com uma bússola eletrônica, um sensor de gás hélio e um giroscópio. Juntos, eram capazes de detectar as curvas e as mudanças na trajetória do veículo, para depois um computador filtrar asinformações para localizar o veículo nos mapas exibidos numa tela de fósforo. Uma revolução.

A partir desse momento as novidades sucederam-se. Primeiro com o Etak Navigator, em 1985, um sistema americano baseado num portátil em que as fitas eram carregadas com as informações da rota. Para se ter uma ideia da sua capacidade, só a área de São Francisco ocupava seis fitas. Dois anos depois, em 1987, a Toyota introduziu o CD-ROM como sistema para armazenar informações e apresentou o primeiro navegador com monitor colorido. Foi instalado no Toyota Crown Royal, vendido apenas no Japão.

Foi em 1990 que a Mazda introduziu o primeiro sistema de navegação em tempo real por triangulação de satélites localizados no espaço; isto é, o sistema que usamos hoje. Foi instalado no Eunos Cosmos, um sedan da época, e abriu o caminho para o restantes fabricantes. Dois anos depois, em 1992, a General Motors foi a primeira a integrar um sistema de navegação GPS num veículo a motor, especificamente no Onis, colocando-os numa frota de veículos de aluguer.

O ano de 1997 foi outro daqueles que marcaram também um antes e um depois no mundo do automóvel. A marca japonesa Alpine revolucionou o mercado com o primeiro navegador GPS portátil, para qualquer pessoa usar em qualquer veículo.

Garmin StreetPilot: hora de cuidar da funcionalidade do GPS

Um ano depois, em 1998, a americana Garmin apresentou o StreetPilot, uma referência tanto pela sua funcionalidade como pela sua capacidade de armazenar informações.

GPS integrado: tendência mundial

Atualmente, o GPS é integrado de série em vários veículos e é oferecido como um extra em grande parte dos modelos à venda. No entanto, com o advento do telemóvel, deixou de ser necessário, pois cada pessoa transporta um navegador no seu smartphone.

Smartphones na história do GPS

Existem várias opções para o nosso telefone, para o qual existem cada vez mais aplicações de navegação GPS. A chegada dos telemóveis desencadeou o uso do GPS, já que temos nos nossos smartphones as aplicações que nos levarão de um lugar para outro, tanto na estrada como dentro da cidade. Estas são algumas das aplicações GPS mais interessantes atualmente no mercado.

Google Maps

Todos conhecemos o Google Maps. É o navegador da gigante Google e o facto de ser instalado como padrão em todos os telefones com sistema Android fez com que seja, de longe, o aplicativo mais usado para nos deslocarmos, quer na cidade quer na estrada. Mapas, estado do trânsito, calculadora de rotas e fotografias de satélite tornam este aplicativo a estrela do mercado e ideal para usar em qualquer veículo a motor.

Waze

A Google comprou esta aplicação com o objetivo de transferir o Google Maps para algumas das ferramentas em que o Waze se destacou, especialmente a comunidade de utilizadores que relata em tempo real os engarrafamentos,os acidentes, etc. Dentro de algum tempo, serão unificados, mas por enquanto há coisas que o Waze faz e o Google Maps ainda não, como personalizar a seta da nossa localização ou a voz das indicações que recebemos ou, até, os preços dos postos de gasolina quando estamos em viagem.

Maps.me

É a melhor opção quando não temos acesso à Internet mas queremos ter um mapa no smartphone. A opção é fazer o download antes que precisemos e salvá-lo no telefone: basta abrir quando for necessário e seguir as indicações. Além disso, contém informações sobre transportes públicos e locais turísticos e de interesse.

Navmii GPS

Não é um dos navegadores mais conhecidos, mas possui ferramentas muito úteis: além de nos orientar para o nosso destino, oferece alertas de engarrafamento e radar graças à sua comunidade de utilizadores e inclui vistas de satélite da área onde nos encontramos. E tem uma característica única: somos classificados como motoristas.

Apple Maps

É a alternativa ao Google Maps para os utilizadores da Apple, embora também possa fazer o download do aplicativo Google Maps para o iOS. O Apple Maps está a melhorar o seu desempenho aos poucos desde o lançamento em 2012 e as suas versões mais recentes são cada vez mais semelhantes às do seu principal rival, com todas as informações. Além disso, tem a vantagem de vir instalado como padrão em todos os dispositivos Apple, logo, não é necessário fazer o download.

Os sistemas de navegação GPS tornaram-se numa das aplicações que não podem faltar em qualquer smartphone. Graças a essas apps, viajar em qualquer veículo a motor é muito mais seguro. Uma ferramenta essencial para continuar a percorrer quilómetros de qualidade e cuja origem, agora já sabe, remonta ao início do século XX.

Good Year Kilometros que cuentan