Inspeção automóvel: como passar com distinção!

Aproxima-se a sua primeira inspeção obrigatória e tem dúvidas sobre o processo? Nós explicamos os cuidados que deve ter para passar logo à primeira.

Não precisa de recear o momento da inspeção automóvel. É com certeza um inconveniente ficar sem carro durante umas horas ou receber uma nota para gastar dinheiro no mecânico. Temos, contudo, que encarar a IPO (Inspeção Periódica Obrigatória) como uma obrigação positiva. É uma forma de assegurar que todos os que circulam na estrada, fazem-no nas melhores condições de segurança para si e para os outros. Se o seu carro já tem alguns anos ou anda a adiar uma visita à oficina, percebemos que fique nervoso. Para facilitar todo o processo, contamos-lhe o que precisa de saber para passar com sucesso na inspeção automóvel.

Além de ser obrigatória, a melhor razão para levar o seu carro à inspeção é a sua paz de espírito. Uma nota ou uma reprovação vão obrigar a abrir a carteira, mas se estiver preparado antes de ir até ao centro de IPO, a hipótese de passar aumenta exponencialmente. A principal forma de evitar um chumbo é a manutenção regular do carro e uma inspeção “caseira” ajuda muito. A sua condução diária deverá dizer-lhe muito do que precisa de resolver mas, em caso de dúvida, leva o carro a um mecânico para que este faça uma pré-inspeção.

Quando é que preciso de ir à inspeção?

A inspeção automóvel de ligeiros de passageiros é obrigatória até ao fim dos primeiros 4 anos de circulação do veículo, e daí em diante, a cada 2 anos. Depois de completar 8 anos, a periodicidade deverá ser anual. Se tiver outro tipo de carro, consulte o simulador de inspeção do IMTT para saber o que se aplica. O veículo deve ser inspecionado até à data em que se deu o registo do matrícula, no período de três meses que a antecedem.

Que papéis preciso preparar?

O condutor deverá entregar três documentos. O Documento Único Automóvel (certificado de matrícula), o seguro automóvel e a folha da última inspeção (quando disponível). Caso não os tenha, poderá pedir segundas vias online. Se tiver efetuado quaisquer alterações em relação ao modelo de origem, assegure-se que essa informação está incluída no livrete. A folha de inspeção não deverá ter anotações do tipo 1 por resolver. Se voltar ao IPO com o mesmo problema, a classificação passa para tipo 2 e o chumbo é automático.

O que devo verificar no carro antes de ir à inspeção?

Um condutor atento será sempre o primeiro a detetar problemas no seu carro. Travões em mau estado e a chiar, direção desalinhada, suspensão a bater ou manchas de óleo no asfalto, são problemas que resultarão em chumbo. O seu carro desvia-se quando quer ir em linha reta? Tem um comportamento instável em curva? Se sabe de antemão que o seu carro precisa de algum cuidado especial, trate disso antes que a despesa cresça. Além da experiência de condução, há algumas verificações que o próprio condutor pode fazer sozinho.

Siga a nossa checklist:

. verifique o funcionamento de todos os faróis, nas diferentes intensidades, assim como as luzes de sinalização. Deverão estar todos a funcionar e cada par deverá ter a mesma intensidade;
. limpa para-brisas e escovas de limpeza, traseiros e dianteiros;
. estado dos pneus. Siga o nosso guia de manutenção de pneus para os ter no melhor estado. Pneus de dimensões ou marca diferentes no mesmo eixo resultam em chumbo.
. cintos de segurança. Mesmo que não transporte passageiros nos bancos traseiros, deverão estar operacionais se não quiser chumbar;
. kit de segurança: não esquecer os coletes, triângulo reflectores e pneu sobresselente;

Por que motivos pode um carro ficar assinalado na inspeção?

O seu carro irá sair da inspeção com uma folha de anotações onde ficarão assinalados os problemas a resolver. Poderão ser de três tipos:

Tipo 1 – “deficiência que não afeta gravemente as condições de funcionamento do veículo nem diretamente as suas condições de segurança, não implicando, por isso e só por si, nova apresentação do veículo à inspeção para verificação da reparação efetuada”. Se acumular mais de 5 defeitos deste tipo, o veículo deverá ser sujeito a nova inspeção. Nos 30 dias seguintes, depois de efetuada a reparação, dirija-se novamente ao centro para atribuição de uma ficha sem anotações.

Tipo 2 – “deficiência que afeta gravemente as condições de funcionamento do veículo ou diretamente as suas condições de segurança ou desempenho ambiental, ou que põe em dúvida a sua identificação, devendo o mesmo, consoante o caso, ser apresentado no centro de inspeção, para verificação da reparação efetuada, nos serviços do IMT, I. P., para o esclarecimento de dúvidas”. Se a nota se refere aos sistemas de direção, travagem ou suspensão, o carro fica impedido de circular com passageiros ou carga. Esta classificação obriga à reparação e reinspeção.

Tipo 3 – “deficiência muito grave que implica a paralisação do veículo ou permite somente a sua deslocação até ao local da reparação, devendo esta ser confirmada em posterior inspeção”. O carro poderá circular apenas para o local de reparação e regressar à inspeção no prazo de 30 dias. Se voltar a falhar neste exame, é marcado outro 15 dias depois, no mesmo centro.