Museus de Lisboa: os mais divertidos para as crianças

O conhecimento é divertido: depois de muitas visitas aos museus de Lisboa estamos convencidos que estes são os 7 mais divertidos para as crianças.

Conseguir obter e manter a atenção de uma criança pode ser tarefa muito complicada. Com tantos novos estímulos a que estão constantemente sujeitas, não admira que a sua imaginação divague. Para ajudar a prender a atenção dos seus jovens visitantes, há museus que apostam em avançados componentes interactivos, outros deixam as imaginação das crianças correr livre. Depois de muitas visitas aos museus de Lisboa estamos convencidos que estes são os 7 mais divertidos para as crianças.

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

O MAAT é a mais recente proposta cultural de Lisboa. Cruza várias áreas num edifício inovador e impressionante, desenhado pelo atelier de arquitetura Amanda Levete Architects. Ao seu lado, a Central Tejo é exemplo da arquitetura industrial da primeira metade do século XX.
Para as crianças apresenta oficinas criativas e ensina a construir carrinhos solares. Além disso, a sua frente rio é ideal para apreciar o Tejo em divertidos passeios de bicicleta.

Pavilhão do Conhecimento

O Pavilhão do Conhecimento é o maior centro interativo de ciência do país desde 1999. Os temas são diversos, Física, Matemática ou Tecnologia,mas sempre com exemplos do dia-a-dia e hipóteses de meter “mão à massa”.
Para as crianças oferece um espaço para brincarem aos cientistas, outro para explorarem o mundo, praticarem centenas de experiências e até participar na construção de uma casa permanentemente inacabada.

Museu das Marionetas

A exposição permanente do Museu das Marionetas tem marionetas de todo o mundo. Começa na Ásia e, depois de uma passagem pela tradição europeia, passa pela África, pelo Brasil e pelo México, para regressar e terminar em Portugal. Para além do circuito permanente e de exposições temporárias, o Museu da Marioneta promove espectáculos e festivais.
Para as crianças tem por hábito organizar ateliers e programas para famílias. Há visitas animadas, peddy papers, oficinas de expressão dramática, etc..

Museu do Dinheiro

Apesar do tema sério, o Museu do Dinheiro consegue ter argumentos para fixar a atenção dos mais pequenos. Fica na Baixa de Lisboa, apresenta nove núcleos temáticos e, com os mais modernos conceitos museológicos, traz uma nova visão para a História do “vil metal”.
Para as crianças, todos os meses organizam-se duas “Oficinas Pais e Filhos”. Os temas são diversos, mas usam sempre o dinheiro como ponto de partida. De piratas a grandes figuras históricas, há muito que o dinheiro nos pode contar.

Museu Nacional de História Natural e da Ciência

É um espaço dedicado à História da ciência e do conhecimento, venha ele do jurássico ou do espaço exterior. De um laboratório do século XIX podemos saltar para o planetário ou conhecer os dinossauros que viviam na península.
Paras as crianças tem o jardim botânico recentemente reaberto, assim como o seu borboletário. Conhecer tudo vai levar tempo, por isso o melhor é aliciar o seu filho para um dos programas de “férias no museu”.

Aquário Vasco da Gama

Depois da criação do Oceanário, o Aquário Vasco da Gama perdeu algum destaque. Apesar disso, muito mais pequeno e comedido nas ambições, com menos visitantes, pode tornar-se um espaço mais agradável. Já mostra necessidade de renovação, mas mantém o charme dos museus de outras épocas e ficamos bem próximos das focas.
Para as crianças os motivos de interesse são muitos. Há tartarugas de água doce de todos os tamanhos, muitos exemplares da vida das costas portuguesas, corais, e as simpáticas otárias a brincar no tanque principal. Se tiver tempo, visite ainda o Planetário ou o Museu da Marinha, já em Belém, que fazem também parte do conjunto de museus da Marinha Portuguesa.

Museu das Comunicações

Aberto ao público em 1997, o Museu das Comunicações apresenta exposições permanentes onde, de uma forma lúdica, nos é dado a conhecer o passado das comunicações e a dinâmica das novas tecnologias de ponta.
Para as crianças terem uma noção daquilo que as aguarda, há uma Casa do Futuro. O espaço é constantemente atualizado com o apoio de diversas agentes ligados à inovção tecnológica. Subir e descer estores, ligar e apagar as luzes, abrir a porta, controlar a opacidade das janelas, dar ordem para pôr música a tocar e pesquisar sobre tudo o que se encontre online são apenas alguns dos comandos verbais que os visitantes podem experimentar através da sua própria voz.