Nazaré, esticada junto ao mar

Nazaré, moderna e tradicional, olha para o mar e oferece um marco perfeito para uma escapadela de Abril

Portugal nasceu à beira do mar e é do mar que veio uma importante parte da sua alma. O nosso país olhou sempre para o Atlântico, esse desafio que ousou superar e atravessar, e foram as riquezas das suas águas que encheram as mesas e os olhos dos nossos antepassados. As vilas pesqueiras, espalhadas pela costa como atavios entre a areia, fazem parte da nossa paisagem íntima de sempre.

É o caso da vila de Nazaré, no distrito de Leiria. Vila de bom clima e agraciada com uma beleza natural e também patrimonial,  estende-se pela costa à beira da longa meia-lua de areia que é a sua praia e barreira perante o mar. Quando chega a primavera e os dias soalheiros a luz saltarica da areia branca que cintila para o mar azul onde mergulha, esse mesmo mar que crepita sob os primeiros raios após o inverno.

É a pesca a atividade que aparece ligada a esta praia desde muito antigamente. Ainda é frequente ver as peixeiras que põem à venda gritando a captura dos barcos. Mais recentemente, Nazaré ficou conhecida pelo surfe: o Canhão da Nazaré é uma formação submarina que está por trás da causa das gigantescas ondas que os surfistas caçam quando começa a época. Foi perto, na Praia Norte, que o havaiano Garrett McNamara conquistou em 2011 um recorde Guiness com uma onda de 30 metros.

Nazaré vistas - Quilometrosquecontam

A vila de Nazaré, terra adentro, não desmerece um passeio sossegado entre as ruas brancas, onde é fácil encontrar um bom restaurante. Mas a grande riqueza turística para lá da praia é o incrível espaço natural que envolve a povoação por três bandas.

Ao norte podemos ver um promontório de onde a falésia mergulha no mar, coroado por uma pequena igreja. Trata-se do Sítio e da Ermida da Memória, um lugar de importância capital na história local. Pois diz a lenda que o topónimo de Nazaré vem de uma imagem da Virgem oriunda da Palestina que veio para Portugal no tempo dos visigodos. Já no século XII, Dom Fuas Roupinho, alcaide-mor do Castelo de Porto de Mós, foi salvo de morrer despenhado pela falésia abaixo por uma intervenção mariana enquanto perseguia um veado durante uma caçada. No Miradouro do Suberco ainda podemos contemplar o sinal que a ferradura do cavalo gravou na rocha.

Muito perto do Sítio podemos chegar, se estivermos dispostos a um passeio, ao Parque da Pedralva. Este espaço natural recuperado no Oriente da vila oferece um local de lazer muito adequado para as visitas familiares graças as suas praças e a sua grande clareira relvada, quase desenhada de propósito para uma tarde primaveral. Os caminhos que o atravessam levam ao Monte Branco, um espaço de pinhais sobre terreno de arenita que alberga um miradouro que permite contemplar uma vista de grande beleza de Nazaré.

Mas sem dúvida nenhuma, o Miradouro da Pederneira, além do parque, é o local idóneo para desfrutar plenamente da melhor vista da região. Situado no bairro histórico e perto do antigo concelho, aqui pode contemplar o conjunto da vila e o seu litoral e o frondoso pinhal de Leiria, num arco que abrange muitos quilómetros de costa e resulta especialmente formoso sob o sol da meia tarde nos longos dias da primavera. A não perder.