O que tem de saber sobre reboques

Um reboque é um modo óptimo para complementar a capacidade de carga natural do nosso carro. Eis coisas que não pode ignorar por segurança na conduçao

Um recurso muito empregado quando as férias de verão multiplicam a necessidade, e não a disponibilidade, de carga no nosso automóvel é recorrermos ao emprego do reboque. Uma solução temporária, pensada para um momento determinado de urgência, que precisa de uma planificação adequada de modo a funcionar correctamente. 
O reboque, como alteração de uma viatura corrente, está contemplado na legislação com normas muito estritas quanto ao seu emprego. Se atendermos ao código da estrada vigorante, veremos que:

– É proibido transportar objectos susceptíveis de prejudicar a condução ou constituir perigo para a segurança das pessoas e das coisas ou embaraço para o trânsito (por exemplo: um piano).

– Se infringir estas disposições, arrisca-se a uma coima que pode chegar até 300 euros. E pode ser superior se esquecer que “a cada veículo a motor não pode ser atrelado mais de um reboque”. A brincadeira de construir um comboio de reboques pode ser muito cara: 600 euros.

 

Parte práctica no transporte por reboque
Compreendida a normativa a respeito do transporte por reboque, chegamos à parte prática, a verdadeiramente complicada. Eis coisas que não pode ignorar:

– Os pneus precisam, embora não seja uma viatura a motor, uma comprovação de pressão para testar se aquela está correcta.

– O sistema deve funcionar de modo a atrelar perfeitamente o reboque e com as conexões de alumbramento bem acopladas.

– Também os faróis têm de ser revisados antes de ligar o carro, pois é frequente acumularem sujidade, especialmente se o reboque esteve quase um ano inteiro de férias na garagem! Na estrada, os salpicos podem emporcalhar o alumbrado e até mesmo a matrícula, que por lei deve ser visível. Assegure-se de que isto não aconteça entre viagens.

– Quando o reboque estiver atrelado, com os faróis em funcionamento óptimo e limpo como se o tivesse comprado ontem, estará na hora de testar o chassis. Todos os elementos daquele devem estar em perfeito estado após o último emprego, sem peças faltantes e com o terceiro pneu, aquele que serve para a manipulação do reboque desatrelado, bem guardado e segurado.

– Lembre-se de breves noções de física na hora de repartir peso e garantir a estabilidade. Situar os objectos mais pesados no centro e sempre da forma mais baixa possível, de modo a rebaixar o centro de gravidade, por exemplo.

Fixe a carga para impedi-la de se mexer com as curvas da estrada. As cilhas devem ser fortes de de qualidade, e cobrir correctamente a carga para repartir a distribuição do peso. Pode empregar uma lona tensa.

Reboque segurança - Quilometrosquecontam

 

Outras questões na estrada
Pronto! Já podemos girar a chave e devorar quilómetros na estrada. Agora que conduzimos sob o sol pungente do verão, está na hora de atendermos outras questões.

– A viatura que manejamos tem dimensões e dinâmica diferente ao nosso carro de sempre: o vento lateral afecta mais ao passo, forçando-nos a reduzir a velocidade.

– Notaremos que o carro pesa mais e, em consequência, requer uma distância de freado muito superior, em proporção directa à carga total transportada. Aumente a distância de segurança com os carros pela frente e se tiver intenção de ultrapassar lembre-se do peso e da longitude da sua viatura, que farão com que precise mais distância para se incorporar de volta à faixa da direita.

Um reboque é um modo óptimo para complementar a capacidade de carga natural de uma viatura e um recurso empregado por muitas pessoas, especialmente para transporte de cães ou outros animais. Como acontece habitualmente com todas as novidades, é só ter paciência, um bocadinho de meticulosidade e, a seguir, desfrutar de uma viagem cómoda!