O recanto onde o verde não se extingue

Do alto das fragas: em plena paisagem protegida da Serra do Açor, na estrada que nos leva até ao Piódão, uma placa discreta esconde um segredo

Em plena paisagem protegida da Serra do Açor, na estrada que nos leva até ao Piódão, uma placa discreta esconde um segredo. A madeira tem a inscrição “Fraga da Pena” e a seta aponta para um caminho de xisto rodeado de vegetação. No ar ouvimos o som dos pássaros que cantam e, muito ao longe, a água que corre.

A fama desta cascata precede-a mas não é por isso que deixamos de nos surpreender quando nos deparamos com a água que cai de uma fraga de 20 metros de altura. A cristalina piscina natural que assim se forma é de um encanto digno de cartão postal e é verdadeiramente única em toda a região de Arganil.

 

Vale encantado

Daqui podemos ver a Barroca das Degrainhas, o curso de água que dá origem a esta lagoa e, depois de um desnível bastante mais suave também em cascata, a uma segunda de menores dimensões. Apesar do aspecto convidativo, só o pino do verão é que aconselha a mergulhos aqui, pois a poucos metros da nascente e num desnível onde nunca bate o sol, a água é realmente fria. Por experiência, não tente noutros meses do ano.

Aproveito depois da experiência os bancos ali colocados para apreciar o verde. Só por si, são um bom motivo para despendermos o nosso tempo em total comunhão com a natureza. Aqui, perante o meu olhar embebido, a vegetação vai cobrindo as pedras, enquanto as águas continuam o seu percurso milenar.

 

Miercoles-cuerpo

Aqui o xisto torna-se verde…

Depois de retemperar as minhas forças, subo as escadas, passo pelo velho moinho e visito as outras lagoas que aqui se formam, sempre rodeadas pelo xisto e pelo musgo. Um local óptimo para um piquenique. No meio da Mata da Margaraça, uma floresta antiga e intocada, cheia de espécies raras, onde facilmente encontramos refúgio das temperaturas desta época do ano, o lanche desvenda-se uma experiência dificilmente melhorável. .

Se quiser conhecer este recanto, o melhor ponto de partida será Arganil, onde a oferta hoteleira é variada, mas não muito longe da vila descobri várias quintas e pousadas onde poder aproveitar as delícias do turismo rural. A chanfana, o bucho e a truta são motivos adicionais para o turista, mas prepare-se para andar e gastar as calorias do almoço. A Serra do Açor é feita de uma mistura de vales e miradouros que recompensam o esforço da caminhada sempre com paisagens de tirar a respiração. Decerto irá deixar, como deixei eu, a imaginação a voar sobre uma daquelas nuvens brancas do verão.