A Goodyear esclarece-lhe as 7 dúvidas mais comuns sobre óleo lubrificante

O óleo do carro é a garantia para que todas as partes se movimentem com o máximo desempenho e zero problemas. Tire todas as suas dúvidas com a Goodyear.

Verificar o nível do óleo e saber quando deve ser mudado, não é nenhum bicho de sete cabeças e todos os automobilistas deviam ter algumas noções básicas de como funciona. É um elemento muito importante para manter o seu carro em boa saúde e vai poupar-lhe muitos euros na oficina. De seguida, a Goodyear desfaz as 7 dúvidas mais comuns sobre o uso e manutenção do óleo lubrificante do seu automóvel.

1 Para que serve o óleo lubrificante?

Os óleos permitem reduzir o atrito das peças móveis, com a função de recolherem impurezas e impedir a sua acumulação em partes chave do motor. Com a introdução de diferentes aditivos, ganha também um papel no combate à ferrugem e controlo de aquecimento. Dependendo do seu tipo e uso, irá perdendo a viscosidade e terá que o trocar de forma regular, normalmente a cada 10.000 quilómetros.

2 Que tipos de óleo existem?

Há três tipos básicos, minerais, sintéticos ou de base sintética, e não é recomendada a mistura de dois tipos diferentes. Os minerais multi-viscosos são os mais comuns, enquanto os semi-sintéticos e sintéticos são considerados de rendimento superior e usados em motores que o justifiquem, beneficiando das suas características superiores de lubrificação. Use apenas o tipo e grau de viscosidade recomendados pelo seu fabricante.

3 Tenho mesmo que trocar o filtro quando mudo de óleo?

A troca do filtro é uma parte essencial da manutenção do óleo: ao longo de 10.000 quilómetros, o circuito bombeia 240 mil litros de lubrificante através do filtro para retirar impurezas. Se o filtro impedir a circulação do fluído, o óleo vai deixar de chegar às peças onde tem que fazer o seu trabalho.

Verifique regularmente o nível do óleo
4 Qual o nível de óleo correcto?

Com o uso, o carro irá naturalmente perder óleo e isso não é motivo de preocupação. Tenha só em atenção para que mantenha o nível correcto. Pare o carro num local plano e deixe arrefecer completamente o motor. Retire a vareta, limpe o óleo, e volte a introduzí-la no orifício. Vai encontrar dois traços que indicam os valores máximos e mínimos, mas nunca deve usar só o indicador superior porque isso leva a encher demasiado o depósito. Se exagerar, aumenta a pressão no cárter e pode provocar problemas nas bielas. Se verificar que o nível está abaixo do mínimo é altura de repor, com óleo do mesmo tipo.

5 Quando devo trocar o óleo?

Acima de tudo, respeite os prazos de revisão indicados pelos fabricantes. Contudo, poderá ter sinais de fatiga do seu óleo mais cedo do que conta: trepidações, um barulho diferente no motor ou consumo excessivo são sintomas que o lubrificante pode estar no fim de vida. Os motores e fluídos modernos começam a ter períodos de manutenção cada vez mais alargados, mas o uso em cidade ou em condições extremas pode alterar as contas.

6 Como trocar o óleo?

A resposta é directa: não o faça. O processo é simples mas obriga a suficiente preparação para que resulte melhor em oficina. Se o quiser fazer por si mesmo, tarefa que só recomendaríamos a quem sabe muito bem o que está a fazer, terá que arranjar forma de elevar a viatura, aceder ao cárter e proceder ao sangramento do fluído. No final, a lei obriga-o a entregar o óleo usado num centro de reciclagem. Como vê, é mais um caso de barato que sai caro.

7 Preciso de usar aditivos?

A não ser que use o seu carro em competições desportivas ou outras actividades de elevada exigência, o seu óleo não precisa de mais nada para além daquilo que o fabricante meteu na lata. Os óleos modernos já contam com uma série de aditivos para aumentarem o seu desempenho e cumprir as suas funções de limpeza e proteção. Se quiser poupar alguns euros com o seu carro é em situações como esta.