A uma hora de Lisboa: 7 paraísos ao lado da capital

Não precisamos de percorrer muitos quilómetros para encontrar surpresas a uma hora de Lisboa. Conheça 10 que o levarão numa rota de prazer e descoberta.

O orçamento, o tempo e a energia podem ser as maiores dificuldades para escolhermos um destino de fim de semana. Mas, apenas a uma hora de Lisboa já podemos encontrar destinos surpreendentes e paisagens originais. Mesmo que não tenha vontade de conduzir durante muito tempo, a escapadela de sonho pode estar depois da próxima curva. Escolhemos 7 opções, todas de fácil acesso e inquestionável interesse, e convidamo-lo a fazer o mínimo de esforço possível. Afinal, quem diria que o paraíso fica a uma hora de Lisboa?

    38.964687-9.302743

    Arrábida

    A estrada de Setúbal até ao Portinho da Arrábida é um belíssimo trecho da costa a que deixa saudades. Aproveite as alturas do ano em que o caminho tem menos tráfego e descubra uma estrada que junta o prazer da condução e um panorama perfeito. A Serra da Arrábida tem aqui uma frente de mar onde mostra a imponência da sua corrente sul. Enquanto a vertente oposta é mais sumptuosa, deste lado o clima marítimo torna a inclinação mais despida e exposta. No fim do caminho, o silêncio e a calma do Portinho da Arrábida são uma benção da Serra e Oceano.

    A uma hora de Lisboa: 10 paraísos ao lado da capital

    Boca do Inferno

    Na N247, de Cascais a Sintra com passagem por Colares o contraste entre o mar e a serra é impressionante. Saídos do centro de Cascais, nos primeiros quilómetros do nosso percurso passamos logo pela pequena Praia de Santa Marta. É um recanto que parece cristalizado no tempo desde o séc XIX. Em contraste, à frente passamo pela Boca do Inferno, precipício onde o mar fustiga a rocha e invoca visões dantescas. Mais suave, é a mesma paisagem que nos leva ao Guincho, com a costa da Guia a ser paragem obrigatória.

    Azenhas do Mar

    Entre a Praia das Maçãs e as Azenhas do Mar ficam apenas três quilómetros, não mais do que 10 minutos. Contudo, é uma frente de mar dramática, que nos obriga a relaxar a condução e a espreitar o horizonte. Nesta costa já naufragaram muitas vidas, fizeram-se outras tantas, mas o Oceano continua aqui a ser o rei da paisagem, o senhor que alimenta o povo mas também o fustiga em momentos de temporal.

    Cabo da Roca

    A nossa costa tem muitas monumentos à força do mar, mas nenhum tão significativo como o Cabo da Roca. Com a serra e a água por companheiras, a estrada que vai até ao ponto mais ocidental da Europa é um delicioso convite à condução e é o centro nevrálgico para algumas dos melhores quilómetros que podemos fazer atrás de um volante.

    Estuário do Tejo, Alcochete

    Quando o corredor Montijo-Sacavém foi escolhido para a segunda travessia sobre o Tejo, atravessando assim as antigas Salinas do Samouco, foi decidido criar uma área protegida de conservação da natureza. Nestes 360 Ha iniciou-se um projeto que é um verdadeiro santuário tanto para as espécies que ali vivem e passam, como para os amantes da natureza que, tão perto de Lisboa, podem encontrar um local de beleza e características únicas.

    Lagoa de Albufeira

    A Lagoa de Albufeira fica na sempre agradável região de Sesimbra, no final da EN377, zona que parece ter sido bafejada pela sorte quando toca aos atractivos da natureza. Protegida do mar pelo cordão de dunas, criou-se aqui um espelho de água na qual um vasto conjunto de animais habita. Se o verão traz milhares de turistas todos os dias e a temperatura convida a entrar dentro de água, durante o resto do ano e no recato da zona interior, conhecida como Lagoa Pequena, os nossos olhos encontram um cenário bastante diferente.

    Tapada de Mafra

    Criada durante o reinado de D. João V, após a construção do Convento, a Tapada de Mafra possui 819 hectares protegidos por um histórico muro de 21 quilómetros. Lá dentro, um enorme manto verde é a casa para uma quantidade invulgar de espécies selvagens e uma flora exuberante. Entre as árvores e plantas que aqui vemos, o sobreiro, o pinheiro-manso e diferentes variedades de carvalhos, salientam-se e, pelo menos três exemplares já foram classificados como de Interesse Público: um castanheiro-da-índia, uma olaia com aproximadamente 120 anos, e um sobreiro com cerca de 300 anos. Texugos, raposas, veados e gamos são outros dos atores responsáveis pelo espetáculo.

    A uma hora de Lisboa: 10 paraísos ao lado da capital