Nova Grande Rota da Peneda-Gerês: passear a pé com as crianças

Nova Grande Rota da Peneda-Gerês. Foi inaugurada em 2018 e tem dezenas de novos quilómetros para explorar a pé.

No Parque Nacional Peneda-Gerês há uma nova rota de 200 quilómetros para percorrer. Foi criada o ano passado, mas esteja descansado, pode fazer-se por partes e na companhia de crianças.

A rota pedestre tem, como já referido 200 quilómetros e liga cinco concelhos do único Parque Nacional português.

O projecto é promovido pela Adere/Peneda-Gerês (Associação de Desenvolvimento de Desenvolvimento Regional) e está marcada desde meados de 2018, permitindo a visitantes e moradores tirar partido dos caminhos deste belo território.

O que é o Parque Nacional Peneda-Gerês?

O único parque nacional do país foi criado em 1971 e fica no noroeste de Portugal. Abrange os municípios de Melgaço, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca (distrito de Viana do Castelo), Terras de Bouro (Braga) e Montalegre (Vila Real).

O Parque Nacional Peneda-Gerês é um dos lugares mais belos do país, onde se multiplicam trilhos mais ou menos escondidos e onde abundam as opções de percursos pedestres, canoagem, entre tantas outras atividades.

Dona de belezas naturais indiscutíveis, a região do Gerês tem uma paisagem sem paralelo em Portugal Continental mas continua a ser uma ilustre desconhecida para muitos.

Mesmo com cada vez mais portugueses a terem a hipótese de optar por curtas escapadelas, continua-se a optar preferencialmente pelo litoral, deixando a serra para outras oportunidades. Mas poucos sítios do país apresentam tantos motivos de interesse como o Gerês.

O PNPG tem uma área de mais de 70.000 hectares e uma diversidade biológica inigualável, incluindo um significativo número de espécies endémicas.

O parque de Portugal, integra um outro mais extenso. Em conjunto com o Parque Natural da Baixa Limia/Serra do Xurés, na Galiza, o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurés é, desde 2009, uma Reserva Mundial da Biosfera.

Estiveram envolvidos no projecto desta Rota projecto as autarquias e o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF).

Como percorrer?


A Rota integra sinalização, tem um regulamento de utilização e pretende valorizar outros trilhos complementares. Foi também desenvolvida uma plataforma online para divulgação, promoção e comunicação da Grande Rota.

É um exemplo de turismo da natureza que está a ser promovido também fora de portas.

Passear a pé é, sem dúvida uma das melhores, senão a melhor forma de conhecer e de contactar com os valores naturais e culturais do Parque Nacional.

Antes de se pôr a caminho, explore um pouco a Internet. Existem vários trilhos pedestres sinalizados, a maioria dos quais dispõe de um desdobrável de apoio à sua interpretação. Além destes, é possível percorrer outros percursos, que não estão marcados no terreno, e que correspondem geralmente a caminhos rurais ou trilhos de pastores.

Auxiliares de passeio

Gerês - QuilometrosQueContam

Depois de se informar, antes de partir, deve levar os seus filhos a uma das Portas do PNPG. Estas foram criadas para proporcionar uma adequada receção e informação aos visitantes. São elas a Porta do Lindoso, a Porta de Campo do Gerês, a Porta de Lamas de Mouro, a Porta do Mezio, a Porta de Montalegre e o Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro.

É aqui que irá encontrar informação mais detalhada sobre os percursos pedestres que são considerados instrumentos importantes na sensibilização e educação ambiental dos visitantes do Parque Nacional. Estes percursos estimulam o conhecimento e observação da natureza e promovem um um maior respeito pelo património.

Para divulgar o património natural do PNPG e melhorar o conhecimento e a experiência das pessoas que realizam os percursos pedestres, disponibilizam-se guias simplificados de fauna e flora, com algumas das principais espécies que ocorrem no Parque.

Estes guias podem ser recolhidos nas “Portas” e noutros Centros de Informação. Além dos mapas, há ainda informação sobre empresas de animação ambiental com actividades de interpretação e desporto de natureza.

Cada Porta tem uma exposição temática e trilhos interpretados. As Portas e o Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro organizam também actividades de educação ambiental destinadas aos mais jovens.

Além de levar os seus filhos, este tipo de percurso é o ideal para tomar contacto com a sensibilização e educação ambiental.

É que existem ainda guias simplificados de fauna e flora. Recorde-se que há espécies que apenas existem naquela região.

Cuidados a ter


Tendo em conta que alguns dos percursos assinalados estão localizados na Área de Ambiente Natural, poderá ser necessária uma autorização especial para a prática de algumas atividades de montanhismo.

Além disso, recorde-se que estamos a falar de uma zona de montanha, onde podem haver perigos. Para minimizar os riscos, deverá agir com consciência.

Tenha sempre em conta as condições meteorológicas. Deverá evitar as montanhas em dias para os quais se prevê chuva, trovoadas e nevoeiros.

Nunca deve ir sozinho. Sempre acompanhado e, ainda assim, deve manter alguém – que não foi consigo – informado sobre a sua localização da montanha. Após o passeio deverá informar o seu amigo de que terminou a sua aventura.

O site disponibiliza um código de conduta e várias recomendações, para que tudo corra de feição.