Como reagir em caso de acidente?

Com mais de 30.000 acidentes por ano só em Portugal, é inevitável que, um dia, se confronte com um. Sabe como reagir? A Goodyear explica-lhe.

Em Portugal Continental morreram 510 pessoas na estrada em 2017. Por outras palavras, mais de quatro vidas colhidas em acidentes a cada três dias, segundo os dados publicados pela Pordata. Em 2017, ocorreram praticamente 34.000 acidentes em Portugal Continental, do qual resultaram 44 mil feridos e 510 mortos. Por isso, se se deparar ou se vir obrigado a reagir a acidentes (por exemplo, na autoestrada ou, agora no Outono muitas vezes provocados pelos efeitos da aquaplanagem), saber como agir é básico e disso podem depender vidas humanas. A Goodyear explica com agir em caso de acidente.

O que fazer se encontrar um acidente

Se estiver a circular e encontrar um acidente, há uma regra básica: parar. O mesmo se se vir envolvido num desastre. Abandonar o local do acidente pode resultar em sanções. No caso de resultarem do acidente mortos ou feridos, deve aguardar no local do acidente até à chegada das autoridades. Caso contrário, poderá ser-lhe aplicada uma coima de, entre 360 e 1800 euros (artigo n.º 89 do Código da Estrada).

Se, além disso, caso existam vítimas graves, se sair do local, poderá ser acusado do delito de omissão de auxílio (artigo 200º do Código Penal), que pode resultar em pena de prisão até um ano ou pena de multa até 120 dias. Para agir corretamente e não piorar a situação é aconselhável seguir o protocolo PAS: proteger, ajudar, socorrer. Mas, vamos por partes.

PAS: Proteger, ajudar, socorrer

1. Antes de parar o seu veículo, certifique-se que o faz numa zona segurança, de preferência fora da estrada, para evitar possíveis colisões ou atropelamentos;
2. Não saia do carro sem vestir o colete refletor;
3. Face a um acidente, a primeira coisa a fazer é manter a calma e analisar a situação;
4. Chame o 112 para alertar os serviços de emergência, a não ser que não haja feridos;
5. Forneça informações claras e concretas, como o lugar do acidente (o ideal é o nome da artéria e o ponto quilométrico), veículos implicados, se há vitimas mortais, feridos graves, o seu número de telefone, etc.;
6. Mesmo que seja um pequeno incidente, se alguém lhe pedir para ser notificado, faça-o para possíveis reclamações ou compensações;
7. Se nenhum dos envolvidos sinalizou a zona com os triângulos de sinalização de emergência para alertar os outros condutores, faça-o. Lembre-se que se for uma via de sentido único bastará apenas um triângulo (atrás), mas se é de dois sentidos deverá ser colocado também um na frente do local do acidente. A distância recomendada são 50 metros (cerca de 100 passos);
8. A autoproteção e a proteção das vítimas são essenciais. Por isso, esteja atento caso algum dos veículos esteja a arder, caso haja gasolina no chão, óleos ou materiais perigosos.

O que fazer no local do acidente?

É importante não modificar o local do acidente até que chegue a autoridade policial já que pode ser determinante em caso de sinistros em que os envolvidos não chegam a acordo, especialmente se resultar em vítimas mortais. Mexa apenas em algum objecto que esteja no meio da estrada e que possa ser perigoso para outros condutores ou para os feridos. Certifique-se que os veículos envolvidos estão com o motor desligado e trave-os com o travão de mão.

Além dos dispositivos de sinalização de perigo, se possível, ligue os sinais de emergência (os quatro piscas) dos veículos implicados e, consoante as condições metereológicas e a visibilidade – por exemplo, num túnel -, eventualmente as luzes de presença.

Em caso de incêndio

É uma das situações mais perigosas, quando ocorre um acidente de trânsito. Se tiver um extintor, utilize-o. Caso contrário, verifique se algum dos automóveis parados no local do sinistro o têm. Se não, utilize mantas, toalhas, terra, areia. Mas, nunca água. Já agora não fume, nem acenda fósforos ou isqueiros e verifique se mais ninguém o faz.

Como reagir em caso de acidente

Como agir em relação às vítimas

Em caso de acidente com vítimas, estas são prioritárias.
1. Em primeiro lugar, verifique quantos são e qual a sua gravidade para estabelecer prioridades;
2. Regra geral, não deve mover as vítimas, a menos que exista um perigo maior evidentes, como um incêndio no carro;
3. Se a vítima tiver capacete (por exemplo um motociclista), este não deve ser retirado, a menos que apresente problemas em respirar.

Se for necessário retirar a vítima de um carro (caso seja excecionalmente perigoso e evidente) deve fazê-lo mantendo o eixo cabeça-pescoço-tronco, isto é, em bloco, movimento para o qual será necessário, no mínimo, três pessoas.

Que aspetos se devem avaliar nos feridos?

Devem ser avaliadas três funções vitais:
consciência: relacionado com o sistema nervoso. Para o verificar deve falar com a vítima, observar se abre e fecha os olhos, se se queixa ao dar-lhe um beliscão. Se não responder, tiver os olhos fechados e não reagir à dor, considera-se inconsciente;
respiração: verificar se está a respirar, aproximando-se da sua boca e nariz;
circulação: confirme se tem pulso.

Se alguma destas três funções falhar, é sinal de que se está perante um caso grave. Nunca se deve dar água, nem administrar medicamentos, nem tentar manobras de reanimação, a menos que se tenha conhecimentos para o fazer.

Como agir com hemorragias?

Em caso de hemorragias, a primeira coisa a fazer é pressionar a área afetada colocando previamente uma gaze, um lenço ou um pedaço de roupa limpa. Se não pára de sair sangue e a ferida for nos braços ou nas pernas, deverá ser elevada. Por fim, pressionar sobre o a artéria afetada ajudar a estancar o fluxo. É importante entender que os torniquetes só se utilizam em casos excepcionais já que colocam em perigo a vida do ferido. Seria aplicável, por exemplo, no caso de uma amputação em que a hemorragia não pára, apesar de aplicar as medidas anteriores.

O que fazer com fraturas?

Em caso de fraturas, a norma a seguir é: “não intervir” e procurar manter o acidentado imóvel.

Como agir face a queimaduras?

Se houver queimaduras, deverá limpá-las com água e nunca retirar a roupa da zona afetada

Comunicação com as autoridades ou outros condutores implicados

Quer seja um dos envolvidos no acidente ou uma testemunha do mesmo, deverá disponibilizar os seus dados e colaborar com os agentes policiais. Caso esteja envolvido, a documentação do automóvel, a carta de condução e o seguro são também necessários, especialmente se há danos materiais, feridos ou mortos. Se se tratam apenas de danos materiais pouco graves, os envolvidos podem preencher uma declaração amigável de acidente automóvel.

Em relação a acidentes graves ou de desacordo, deve esperar-se pela intervenção policial para que seja levantado o auto. Além disso, há que disponibilizar informação sobre o que provocou o acidente, bem como submeter-se a testes de alcoolemia e/ou estupefacientes.

Mantenha a calma

Manter a calma e agir com bom senso é essencial em caso de acidente, em caso de acidentes, especialmente antes da chegada dos serviços de emergência que tomarão conta da situação quando estiverem no local do sinistro.