Realidade aumentada e inteligência artificial: a oficina do futuro

30 Maio | 2019 | Goodyear

Uma oficina em que as aplicações de realidade aumentada e inteligência artificial, em que a conectividade e os equipamentos de diagnóstico avançados serão uma presença constante. Assim será a oficina do futuro.

A Internet das Coisas (IoT) será – e em alguns casos já é – utilizada em oficinas e mecânicos. Para o efeito, os fabricantes do setor automóvel estão a trabalhar nesta área.

A ideia é tornar o processamento inteligente de grandes volume de dados e a crescente conetividade entre os produtos e o seu ambiente aliados para o diagnóstico e prevenção de avarias. Se as novas tecnologias se aplicam com sucesso à condução autónoma e ao desenvolvimento de mais e melhores baterias elétricas, como irão aqueles avanços afetar as oficinas mecânicas do futuro?

A Bosch está a trabalhar para conseguir uma experiência de condução integrada e o que se conhece como “mobilidade conectada”. A iniciativa da Bosch, pensada para gestores de frotas de veículos, traduz-se em colocar em marcha de uma unidade de comunicação instalada em cada veículo que envia dados sobre o estado do automóvel para a infraestrutura de TI da Bosch para a análise dos dados.

A ubiquidade, o consumo de combustível, a quilometragem e até o estilo de condução são outros dados que podem ser registados na aplicação e que permitem aos gestores de frota e às oficinas compartilhar informação vital para a manutenção e diagnóstico de possíveis avarias. Todos os dados dos clientes são manipulados a partir da nuvem, utilizando mecanismos de proteção para evitar problemas de segurança na transmissão de informação.

Bosch: realidade aumentada e software conetado

O que acontece com a realidade aumentada? Graças a uma câmara de um tablet ou a óculos inteligentes pode obter-se uma imagem real com informação adicional sobre cada veículo. Esta informação pode incluir desde textos explicativos e instruções, manuais ou diagramas de circuitos, até objetos tridimensionais ou fotos e vídeos.

O que já é uma realidade é o Connected Repair. Trata-se de um software, desenvolvido pela Bosch que liga a receção de uma oficia ao equipamento do veículo e às diferentes áreas da oficina automóvel, facilitando o diagnóstico de avarias ou anomalias. O técnico seleciona as ordens de trabalho e as tarefas assignadas para cada veículo. Todos os postos de trabalho estão conectados ao mesmo sistema de partilha de informação, permitindo acompanhar cada tarefa e adicionar novas tarefas à medida que se vão passando as diferentes fases de revisão.

General Motors: os automóveis que fazem autodiagnóstico

A Bosch não é a única empresa que está a trabalhar na oficina do futuro. A General Motors anunciou um sistema de prognóstico há um alguns anos, durante a CES, em Las Vegas. Trata-se de um sistema de sensores que permitem ao próprio veículo prever possíveis avarias.

Está disponível em alguns veículos da marca desenvolvidos em 2016 e, num primeiro momento focou-se em três componentes: a bateria, o motor de arranque e a bomba de combustível. Os dados recolhidos pelos sensores são enviados para os servidores da empresa, onde algoritmos se encarregam de os analisar e determinar se vai ocorrer alguma anomalia.

Caso seja identificada uma falha na bateria, por exemplo, o sistema avisa o condutor do automóvel no seu smartphone ou correio eletrónico. A General Motors está a adicionar outros serviços de autorevisão a mais componentes do veículo, no futuro.

Tesla: oficinas à distância e ao domicílio

A Tesla também tem em marcha um sistema de atualizações à distância. Um formato que permite identificar remotamente 90% das possíveis falhas ou avarias. O sistema apresenta uma possível solução à distância para o condutor e, se a anomalia for mais grave, apresenta a possibilidade de tratar junto do serviço técnico mais próximo. A empresa alargou a sua rede de serviços técnicos com a abertura de uma centena de novas lojas e 1400 mecânicos, que permitiram triplicar a capacidade de atendimento da Tesla a nível global. Este aumento integra o conceito de “técnicos ao domicílio”.

Em caso de necessidade de reparação, e caso não possa deslocar-se à oficina, uma equipa técnica da Tesla vai até ao veículo, se se tratarem de pequenas reparações.

São várias as modalidades de oficina do futuro, mas todas elas passam pela hiperconexão de dados e pela aplicação e novas e avançadas tecnologias ao diagnóstico, reparação e manutenção dos veículos. A realidade aumentada ou a inteligência artificial são elementos da ponta de um icebergue num setor que aponta para a mobilidade conectada e para a condução integrada.

Good Year Kilometros que cuentan