Onde comer na Costa Verde, de Caminha a Espinho

13 Agosto | 2019 | Goodyear

A Costa Verde, assim se chama à orla costeira norte de Portugal, tem muito para descobrir e desfrutar, principalmente se não tiver medo da água mais fria em comparação com outras regiões de Portugal. Dos 943 quilómetros de costa de Portugal, as praias do norte são, amiúde, negligenciadas pelos guias e roteiros de férias e viagens. Mas a realidade é que, de Caminha, no extremo norte do país, a Espinho há praias de grande beleza e muitos procuradas pelos veraneantes.

Aqui, como em qualquer sítio, as férias de praia sabem sempre melhor se forem acompanhadas por petiscos a condizer. Deixamos aqui um pequeno roteiro dos melhores restaurantes para comer na Costa Verde, apresentados no sentido norte-sul.

Sabores do Minho

A região do Minho fará sempre parte de qualquer roteiro gastronómico essencial do nosso país. O bacalhau à minhota ou os rojões, por exemplo, são dois pratos incontornáveis dos sabores minhotos, mas há muito mais para provar no litoral até porque, diz-se, o peixe sabe melhor quando vem de águas frias. Começamos por Caminha, cidade com vista para a Espanha do outro lado do rio Minho, e com o Solar do Pescado, restaurante em que, como o nome indica, o peixe é rei e senhor. O arroz de marisco é a especialidade da casa mas vale a pena experimentar a lampreia e o sável do rio Minho.

Continuando a viagem gastronómica para sul, chegamos a Viana do Castelo, a capital de distrito situada na foz do rio Lima. E aqui encontramos o Camelo, um dos restaurantes mais conhecidos por aquelas bandas, situado na localidade limítrofe de Petigueiras. A tradicional lampreia à Bordalesa é um dos pratos incontornáveis da lista mas há também carnes de respeito, como o cabritinho ou o cozido à portuguesa. Um pouco mais a norte de Viana, não muito longe da praia de Afife, fica o Mariana, onde as iguarias a provar incluem o sardo, o linguado e o rodovalho.

Integrada na Área de Paisagem Protegida do Litoral de Esposende, encontra-se a praia da Apúlia, rodeada pelos seus famosos moinhos de vento, hoje transformados em casas de férias. É junto ao mar que fica A Cabana, onde os pratos de peixe e marisco dominam o menu de um restaurante que, como o nome indica, está instalado numa antiga cabana de pescadores.

Da Póvoa de Varzim a Vila do Conde

A viagem na direção sul prossegue e chegamos ao distrito do Porto, onde ficam a Póvoa de Varzim e , logo a seguir, na foz do rio Ave, Vila do Conde. A Póvoa de Varzim é conhecida pelas suas praias e, claro, pelo casino mas quem for à procura de uma boa refeição não sairá desiludido. A começar pela Lota Ibérica, mesmo ao pé da Marginal e em frente ao porto de pesca, que oferece, como o nome indica, uma mescla de pratos portugueses e espanhóis, dos rojões à paella, do arroz de pato ao chuletón. Mesmo no meio do bairro piscatório da Póvoa fica o 31 de Janeiro, com uma ementa dedicada ao peixe fresco e ao marisco.

Entre a Póvoa e Vila do Conde fica o tradicional bairro piscatório das Caxinas, onde encontramos o Caximar, mesmo à beira da praia do Pôr do Sol Norte. Restaurante antigo – vem dos anos 1960 – oferece uma grande escolha de peixe e marisco, com destaque para o misto de marisco à Caximar. Já em plena Vila do Conde situa-se a Adega da Vila, onde os petiscos, das amêijoas aos caracóis, das moelas aos enchidos, fazem as delícias de quem lá vai.

Um dos clássicos vilacondenses é o Ramon, o restaurante mais antigo da cidade e muito procurado pelos locais e não só. A herança galega do proprietário faz parte da ementa, onde encontra a paella mas também clássicos nortenhos como as tripas à moda do Porto ou os rojões à Minhota.

Logo abaixo de Vila do Conde fica a praia do Mindelo, onde encontramos o Mar à Vista, também conhecido como Café do Fernando. O marisco é dominante, com destaque para o camarão e para a navalheira, que deve depois completar com um prego do lombo.

De Matosinhos a Espinho

Dominada pelo porto de Leixões, o segundo maior porto artificial do país, Matosinhos é uma cidade onde, naturalmente, o peixe e marisco frescos são o prato forte da gastronomia local. E nada como um salto à Esplanada Marisqueira A Antiga, que já leva mais de 60 anos de existência. O arroz de marisco e a açorda de lavagante são as especialidades da casa , onde encontra também todo o tipo de mariscos frescos. Bem perto da Doca Pesca de Matosinhos fica o Salta o Muro, que deve o nome ao tempo em que saltava o muro para chegar à doca. O peixe é grelhado na brasa, sempre acompanhado com batatas a murro e legumes, e há pratos fixos diários, com destaque para a fritada de peixes com arroz de ervilhas ou a caldeirada.

Deixamos o Porto para trás e continuamos para sul até à Aguda, na freguesia de Arcozelo, concelho de Vila Nova de Gaia. É precisamente na praia que fica o Zizi, restaurante onde o peixe o marisco parecem mesmo acabados de pescar, das amêijoas e mexilhões ao robalo, ao sargo e ao rodovalho. A nossa pequena viagem à mesa termina em Espinho, sobre a praia da Baía, onde fica o Aquário Marisqueira, mesmo ao pé do Casino. O robalo assado no forno é dos peixes mais procurados de uma ementa onde o mar domina.

O roteiro está feito, falta só fazer-se à estrada e aproveitar a boa comida da Costa Verde.

Good Year Kilometros que cuentan