Música para conduzir: rock para desenjoar do Carnaval

Aqui só há rock! Velhinho mas cheio de energia para fazer esquecer qualquer carnaval que invada as ondas da rádio. Conheça o nosso top 10 para a sua festa.

Perdeu a paciência para o axê, funk e velhos clássicos do samba? O Carnaval pode ser ao mesmo tempo uma época divertida e um tormento para muita gente. Mas não desanime! Há outro som capaz de levar uma festa ao rubro e meter a pista de dança aos saltos: o rock! Se está a organizar uma festa com os amigos, se precisa de companhia para a condução nestas mini-férias ou quer apenas desenjoar… conte com a Goodyear para o ajudar com a playlist anti-carnaval perfeita!

Paradise City, dos Guns N’ Roses, é uma daquelas canções que ficou no ouvido de todos, como um verdadeiro hino. Se a festa está morta, o remédio para a salvar não precisa de passar por aumentar os BPMs. Basta o início deste tema épico para levantar a plateia dos assentos e começar a exibição de air guitars.

Depois de encher a pista, é altura de regressar à infância como se vestíssemos os calções de Angus Young. Os AC/DC nunca foram uma banda que se levasse muito a sério, ingrediente perfeito para o carnaval. Claro que o rock é tema grave, mas esta gente é realmente australiana até no espírito descontraído. Highway to Hell, no fundo leva-nos para bem longe do inferno!

Enter Sandman traz-nos um João Pestana muito diferente daquele que apresentámos aos nossos filhos. Os Metallica, que recentemente passaram por Portugal, preferem falar-nos de pesadelos e escuridão. Mesmo assim, quem tem sangue rocker ou passou pela adolescência nos anos 90 vai saltar imediatamente para a pista. Com este riff, a festa vai abaixo.

Vitamina rock

E, se o espírito ficar sombrio depois do metal, o grunge dos Nirvana encarrega-se de o reanimar. Smells Like Teen Spirit vai convidar ao mosh, a agitar a cabeça freneticamente e a perder as estribeiras. Não existe nada mais próximo da ideia de folia, sem tocar sequer na ideia de carnaval.

Os Queen fizeram um percurso que os levou para lá do rock, com um forte sentido de burlesco. Aliás, até estão muito longe de ser anti-carnaval e Freddie Mercury era artista de muitas máscaras. Mesmo assim, fizeram um percurso eclético, capaz de agradar e gregos e troianos, que lhes garante o festivo reconhecimento. We Will Rock You é um hino e um grito de intenções. É festa!

O rock claramente está fora de moda. Já não são muitas as bandas a chegar aos tops de venda, enquanto os sons latinos e do Caribe enchem as tabelas. Mas largue Whole Lotta Love numa pista cheia de trintões e vai ver como as guitarras ainda mexem muita gente. Os Led Zeppelin não eram um banda normal, não senhor, e esta energia poucas vezes se repetiu na História do rock.

Crus e minimalistas, os White Stripes eram “rockers improváveis”. Ninguém diria que de uma batida seca de bateria e uma guitarra low-fi acabaria por gerar um mega-sucesso como Seven Nation Army. Passaram-se 15 anos e já deu provas mais do que suficientes que, dentro de mais 15, continuará a agitar ancas.

Rock’s not dead. Yet.

O rock já não vende como no passado mas ainda tem gente que não baixa a bandeira. Os Foo Fighters já são malta madura, com muitos anos de estrada e sala de ensaios. Apesar disso, o espírito de descontracção rocker nunca os abandonou. A diversão é um tema sério para esta banda. É o gozo que continuam a levar para palco e para o público que os transforma num caso único.

Com uma playlist que (quase) parece um achado arqueológico dos anos 90, perdoa-se a pergunta. Estamos a passar por uma Midlife Crisis? Se calhar! Os Faith No More trouxeram o tema à baila, antes de eles próprios se deixarem enredar por esse sentimento. Mas é preciso ter uma crise de meia idade para se regressar ao prazer do rock? “We think not!”

Garrafas partidas, gente que não leva desaforo para casa e acelerador a fundo. Os Motörhead eram tipos que nunca encontraríamos num sambódromo. E é mesmo por isso que os convidamos a encerrar esta playlist. São o exemplo perfeito do espírito anti-carnaval sem perderem pitada da descontração que procuramos nesta altura. Acabe a festa com uma explosão…