Inverno na Madeira: 10 sugestões para visitar a ilha

14 Janeiro | 2019 | Goodyear

A Madeira está em festa até 2020. Em causa está a celebração dos 600 anos da descoberta do arquipélago. A Goodyear aproveita o mote para lhe propor uma rota para desfrutar de tudo o que a ilha tem para oferecer. O mote pode ser o aniversário, mas há muito mais a aproveitar numa rota pela Madeira no Inverno.

Mas que o aniversário tem impacto, tem. Afinal, para o efeito foram reabilitadas quintas para acomodar mais turistas, lançados selos, livros e preparados espetáculos adicionais. Para que não perca pitada, consulte a agenda das festas inclui eventos culturais, exposições, espetáculos, a emissão de selos e medalhas.

A História do arquipélago começa com a descoberta da ilha de Porto Santo em 1418, numa expedição liderada por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, e que continuou no ano seguinte com desembarque na ilha que foi batizada de Madeira devido à enorme quantidade de árvores que tinha.

Celebração: Madeira completa 600 anos

1. Funchal

Instale-se no Funchal. Há inúmeras unidades hoteleiras para todas as bolsas. E, uma vez que irá passar a maior parte do tempo a conhecer a ilha, talvez o alojamento não seja o mais importante. A beleza é tão grande. A começar pela Baía do Funchal quer parece acomodar-se entre a serrania que a envolve, dando origem ao famoso “Anfiteatro”. Além disso, a partir da capital pode chegar a todos os “cantos” da ilha”.

Celebração: Madeira completa 600 anos

2. Fortaleza do Pico

Depois de se instalar, poderá começar por dar uma volta pela baixa do Funchal e visitar a Fortaleza de São João Baptista ou Fortaleza do Pico como é popularmente conhecida, no Funchal, recentemente renovada. Foram recuperados espaços exteriores, paredes e foram abertas três áreas importantes. Existe agora um espaço de exposição, uma área multiusos e, em breve irá abrir uma cafetaria. A entrada é gratuita.

Visite ainda o Jardim da Quinta Magnólia, perto do Lido, um local onde existem inúmeras espécies de árvores e plantas provenientes de todo o mundo. O espaço está dotado de um parque infantil e campos de ténis. Depois de desfrutar do Funchal, onde voltará mais tarde, siga para Machico.

3. Santa Cruz

Irá passar pelo município de Santa Cruz – onde provavelmente terá chegado de avião – e onde irá encontrar vestígios da colonização que teve aqui o seu começo.

Estes vestígios estão por toda a parte e desenham uma vila de indiscutível ar fidalgo e senhorial, onde imaginamos ainda ver ao longo, no mar, os galeões de João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira a aproximar-se da ilha como o fizeram há 600 anos.

4. Machico

Do Funchal até Machico são cerca de 20 quilómetros, a maioria dos quais por auto-estrada. A VR 1 leva-o direitinho a Machico, onde poderá visitar a Igreja Matriz, o aqueduto e a capela dos Milagres.

A Igreja Matriz foi também alvo de recuperação no âmbito das comemorações dos 600º aniversário da região. A construção desta igreja ter-se-á iniciado em finais do século XV e princípios do século XVI e terá sofrido sucessivas intervenções ao longo dos séculos. É um edifício de planta longitudinal, composta por uma única nave e capela-mor retangulares, orientada liturgicamente. A igreja foi construída em alvenaria de pedra e cal percorrida por embasamento em cantaria vermelha. A não perder.

Aproveite para passear na praia de Machico, para conhecer a Levada dos Maroços, a Vereda do Larano ou o Forte de Nossa Senhora do Amparo. Prossiga para o Caniçal e depois para o Faial.

Assalto aos picos da Madeira

5. Faial rumo aos picos

Se, no Faial optar por seguir para o centro da ilha, irá subir rumo aos múltiplos miradouros criados no topo dos diferentes picos da pérola do Atlântico. Pico Ruivo, Pico das Torres e Pico do Arieiro são alguns dos pontos mais altos da Madeira e, também, do país. O Pico do Arieiro é o único acessível de carro, tem uma elevação de mais de 1810 metros e é um dos pontos mais altos a que podemos chegar de carro no nosso país. Atenção, não pise demasiado o acelerador: é quase sempre a direito, mas esconde algumas curvas cegas. De qualquer forma, com a paisagem que começa a tornar-se ainda mais visível à medida que a vegetação se torna mais rasteira, não vai ter vontade de andar depressa. Consoante as condições atmosféricas, a determinada altura da viagem vai passar a barreira das nuvens e começar a vê-las a partir de cima.

6. Miradouro do Pico dos Barcelos

Os outros picos ficam para os aventureiros interessados em trekking e escalada. Mas, talvez seja melhor esperar pelo verão para o fazer. Nesta altura do ano fique-se pelo Pico do Arieiro, localizado relativamente próximo do Funchal, sendo um dos locais mais visitados da cidade. Se partir do Funchal são 20 quilómetros. Aliás, se vier deste lado, poderá parar pelo caminho por ver a vista a partir do miradouro do Pico dos Barcelos. A panorâmica sobre o Funchal é de visita obrigatória.

Se vier do norte, vire à direita no lugar do Poiso. Aqui cai granizo e neve, sopra o vento e o nevoeiro é presença conhecida. Apesar disso, aproveite para fazer uma paus a na Casa de Abrigo do Poiso e beber uma poncha: aquece logo a alma com a bebida local feita com aguardente de cana, mel e limão.

Madeira Sao Vicene

7. Igreja do Monte

Nesta zona terá a possibilidade de ver a Igreja do Monte, local onde se encontram os famosos carros de vime. Poderá experimentar, mas também poderá seguir caminho para a Igreja do Monte, um belo edifício, que cumpre a preceito o estilo arquitetónico da Madeira, e ergue-se em frente a uma mancha verde bem agradável e convidativa ao passeio.

Celebração: Madeira completa 600 anos

8. Santana

Já que está a passar pela zona de Santana, lembre-se que existe aqui uma Reserva da Bioesfera. Também já o abordámos num artigo mais aprofundado sobre as onze Reservas de Biosfera, da Rede Mundial de Reservas da Biosfera da Unesco. O título foi conquistado em 2011 e do mar até à montanha há paisagens singulares e pitorescas. A região disponibilizou um roteiro turístico que é uma amostra do que o concelho tem para oferecer, sendo um ponto de partida e deixando o resto programa ao seu critério: um espaço “para a aventura e para a descoberta”. O roteiro inclui as Casas de Colmo, percursos pedestres, programas de observação de aves ou de estrelas, geocaching, artesanato, entre outros motivos de interesse. Siga até São Jorge.

a ER101 é uma estrada que acompanha o mar, entre curvas, contra-curvas, túneis e cascatas.

9. São Jorge

Chegado a São Jorge, tem duas opções para percorrer a costa norte da Madeira: seguir pela antiga ER101 uma estrada que acompanha o mar, entre curvas, contra-curvas, túneis e cascatas. Ou pelo novo percurso mais largo e seguro, com uma série de túneis entre São Vicente e Porto Moniz.

O percurso pela estrada velha é espetacular e tem de ser feito pelo menos uma vez na vida e que explorámos detalhadamente num artigo sobre esta estrada “dramática e exigente como poucas”. No entanto, tenha atenção, porque a parte velha da estrada, não obstante continuar transitável deve ser evitada em épocas de chuva intensa, pois há cascatas e podem cair pedras sobre a estrada.

madeira balcoes

10. Ponta Delgada e Porto Moniz

Siga em direção a Ponta Delgada. Pode parar no miradouro da Boa Ventura e apreciar a paisagem até ao Arco de São Jorge. Aproveite também para espreitar Fajã do Penedo, onde a montanha se confunde com o mar. Se prosseguir irá chegar a São Vicente. Aproveite para almoçar. Poderá depois seguir para o centro da ilha ou seguir pelo norte da ilha rumo a Porto Moniz. Para aqui chegar irá passar por Seixal e Ribeira da Janela. Do Seixal até ao Paúl da Serra irá encontrar um importante repositório de Laurissilva e um pouco mais à frente irá passar pelo vale onde se aloja a Ribeira da Janela. É aqui que poderá tirar uma fotografia, enquadrada por altas e extraordinárias montanhas. Ao chegar a Porto Moniz, no Sítio da Santa, visite a Capela de Santa Madalena.

Mas as possibilidades são imensas. Pois pode conhecer a Madeira de norte para sul, de este para oeste ou de oeste para este.

Good Year Kilometros que cuentan