Como funcionam os sensores de estacionamento e porque precisa deles?

O que são e como funcionam os sensores de estacionamento? Se se sente inseguro a estacionar em lugar apertados podem ser um precioso aliado.

Já não há desculpas para não estacionar o seu automóvel naquele espaço apertado. Já conhece as manobras indicadas para estacionar em cada situação, as aplicações mais úteis para o ajudar na condução e se isto ainda é pouco, existem no mercado automóveis que estacionam sozinhos. Mas, se ainda assim se sente inseguro e/ou não quer trocar de carro, pode sempre recorrer a sensores de estacionamento para assegurar que o seu automóvel entra em qualquer lugar, sem riscos nem sustos.

Os sensores de estacionamento, uma inovação que até há pouco tempo parecia algo do universo da ficção científica, vêm hoje de série em muitos modelos de automóvel e são um aliado para estacionar com êxito.

A principal função dos sensores de estacionamento é facilitar as manobras em espaços apertados, embora alguns, mais desenvolvidos, possam igualmente ser úteis para evitar colisões. Mas, como funcionam os sensores de estacionamento e que tipos existem? E, sobretudo, como pode incluir estas opções se o seu automóvel não os tiver incorporado?

Função principal: emitir sinais

Os sensores de estacionamento instalam-se nos para-choques do veículo e alertam, através de sons, e em alguns casos também com recursos a sinais visuais, a que distância se situam os objetos quando estamos a fazer manobras (outros veículos, colunas, postes). Embora os modelos de automóveis mais recentes tenham estes dispositivos incorporado de série, também podem ser adquiridos como acessórios, e colocados em qualquer veículo.

Os alertas sonoros tendem a aumentar de frequência e intensidade à medida que a distância em relação ao objeto diminui. Os sinais visuais poder ser leds que, através de um código de cores, indicam as distâncias, ou gráficos que referem a quantos centímetros exatamente se encontra, por exemplo, a parede.

Tipos de sensores, de acordo com a tecnologia

Como detetam os sensores os possíveis obstáculos quando estamos a estacionar? A sua tecnologia é mais simples do que parece. Existem dois tipos de sensores consoante a tecnologia utilizada: por ultrassons ou por deteção eletromagnética.

Os sensores de estacionamento por ultrassons calculam as distâncias graças ao eco que recebem quando emitem as ondas ultrassónicas. Têm geralmente o aspeto e o tamanho de uma moeda e são colocados nos para-choques junto aos faróis.

Os sensores de estacionamento por deteção eletromagnética, ou radar, são uma tira metálica instalada no interior do para-choques que calculam a distância através da deteção de alterações no campo eletromagnético.

Como funcionam os sensores de estacionamento e porque precisa deles?

Qual é o melhor sensor de estacionamento?

A pergunta que agora se coloca é: qual é o melhor sensor de estacionamento? A resposta, como habitualmente, é depende. Depende do tipo de veículo e das necessidades do condutor mas, em geral, os sensores por ultrassons detetam as distâncias em praticamente qualquer situação, mas têm ângulos mortos. Por seu lado, os sensores eletromagnéticos podem não funcionar totalmente em condições de chuva, embora captem todo o espaço em torno do para-choques, detetando ainda obstáculos em movimento.

Conhecer o alcance e as limitações dos diferentes sensores de estacionamento é importante, porque se o seu veículo não integra esta tecnologia de série, pode ser adquirida como acessório. No mercado existem tanto sensores de ultrassons como por radar com cabos ou sem fios. Sim, é preciso ter em conta que o sensor necessita conectar o para-choques traseiro ao painel, uma operação que, a priori, se for por cabo, poderá não ser simples (sempre e quando o quiser montar sozinho).

De qualquer modo, antes de comprar um sensor de estacionamento para o nosso veículo e se esquecermos assim pequenos desgostos na hora de estacionar, é recomendável prestar atenção a algumas das suas características.

O que ter em conta antes de comprar sensores de estacionamento?

Para escolher um bom sensor de estacionamento é importante ter em conta, sobretudo, o alcance que tem. E, uma vez que o que pretendemos é estacionar num espaço apertado, o mais relevante é a distância mínima. Idealmente o sensor deve detetar obstáculos a menos de 30 centímetros e, sobretudo, deve apresentar medidas precisas. Quando à distância máxima, a maioria dos modelos alcança o metro e meio.

Outra características a ter em conta o tipo de sinais que emite. Se são sonoros, devem ouvir-se claramente, mas sem que sejam estridentes. E, se trata de sinais visuais, é melhor que sejam intuitivos, sem o distrair da condução.

Os modelos são universais e compatíveis com qualquer tipo de veículo, mas verifique sempre que são adequados para o seu veículo, antes de os adquirir.

Se, como condutor, ainda temes lugares de estacionamento estreitos, as colunas das garagens ou os pilaretes em algumas ruas, os sensores de estacionamento podem ser a sua salvação. Claro que, embora indiquem a distância a que se encontram os obstáculo, não são o suficiente para estacionar bem e à primeira. A prática e a experiência são os outros aliados.