Stop! Corrija imediatamente estes erros ao volante!

Cada condutor passaria horas a falar dos vícios mais irritantes que encontramos nas estradas. Tivemos que resumir e estes são os nossos 10. Concordam?

Mesmo os condutores mais bem dispostos, daqueles que gostam de meter a música bem alto e ouvir as playlists do Quilómetros que Contam no meio do trânsito, ficam furiosos com alguns dos erros que todos os dias presenciamos na estrada. Sempre de olhos abertos e muito alertas, todos nós já assistimos a comportamentos e vícios de condução que, para além de diminuírem a nossa segurança, deixam-nos verdadeiramente esgotados depois de nos obrigarem a estar em permanente vigilância no regresso a casa.

Mas não adianta só queixarmo-nos quando as leis e teorias da estatística explicam uma coisa muito simples: há uma grande probabilidade de um dia sermos nós a cometê-los. Somos tão humanos como os nossos companheiros de estrada e, se eles cometem estes erros é porque algo na nossa natureza nos empurra para tal. Assim, partilhe este texto com quem já sabe que padece de pelo menos de um destes 10 males, mas pense também se não devia reequacionar alguns dos seus comportamentos ao volante.

1. Ignorar os piscas

É possível encontrar os dois extremos no mesmo condutor: aquele que não usa os piscas para indicar as suas mudanças de direção e aquele que ignore os avisos dos outros. São raras as situações em que tem que mudar de direção de forma tão súbita que não tenha tempo para acionar antes os piscas, por isso não seja “esse” condutor!

2. Ocupar duas faixas

As estradas portuguesas estão hoje muito melhor assinaladas do que há uma década atrás e as marcações no asfalto não são nenhuma novidade, mas ainda encontramos muitos exemplos de quem não se habituou à ideia que aqueles riscos brancos no chão estão lá por algum motivo. É simples: só é preciso escolher UMA das faixas, a segunda só serve para desviar de um obstáculo.

3. Conduzir continuamente na faixa da esquerda

Por falar em escolher uma faixa, nas vias rápidas e autoestradas, a da esquerda é para ser usada para dar passagem a veículos mais rápidos ou quando estamos a fazer uma ultrapassagem. Fora dessas situações, a condução continuada pela faixa da esquerda torna-se extremamente aborrecida para quem nos quer ultrapassar e até insegura, porque iremos ter permanentemente os “aceleras” nas nossas costas.

4. Pressionar o carro da frente

Este pode ser um erro que, dependendo no nosso estado de espírito e ansiedade em chegar ao destino, pode atacar qualquer condutor. Imagine-se pressionado para chegar a qualquer lado, com um carro mais lento à sua frente e como isso pode ser uma receita para um desastre. A distância segura existe para proteger igualmente quem vai à frente e atrás, por isso habitue-se a contar cerca de 2 segundos de intervalo em relação a quem o precede.

5. Abrandar para ver o acidente

Este é outro de que todos somos culpados: quantas vezes o trânsito continua a fluir livremente mas os condutores abrandam para ver um acidente? Se os nossos conhecimentos ou ajuda não são necessários, ninguém ganha nada com isso e estamos todos a contribuir para que dezenas de pessoas cheguem mais tarde ao seu destino. Além disso, esse abrandar e espreitar de olho pode ele próprio resultar num acidente.

conduzir_zanga

6. Ignorar quem vem atrás de nós nos semáforos

Poucas coisas são mais frustrantes do que falhar um sinal verde por causa da falta de atenção do carro que segue à nossa frente, cujo condutor insiste em andar lento o suficiente para passar o semáforo mas para que todos os outros atrás fiquem presos no sinal vermelho. Andar na cidade é também participar numa comunidade, por isso ganharíamos todos com mais atenção a este tipo de pequenos pormenores.

7. Deixar os máximos ligados

Quantas vezes não encontrámos já aquele condutor que insiste em fazer todo o caminho sempre com as luzes no máximo, ignorando que na maioria das estradas urbanas e modernas isso já nem sequer tem sentido? Não vê melhor, cega quem passa por ele e arrisca-se a fazer parte de um acidente cujo único motivo é a falta de cuidado.

8. Deixar o vizinho entalado

Arrumar na cidade é muito complicado, não precisamos de o dizer a vocês, mas nada justifica que alguém arrume o seu carro sem verificar se deixa o espaço necessário para que os outros condutores façam a sua manobra. Se tiver dúvidas, espreite o carro da frente e de trás e pergunte-se :“será que eu conseguiria tirar o carro nesta situação?” E seja honesto!

9. Ocupar dois espaços de estacionamento

Na sequência do carro entalado no ponto anterior, a mais comum justificação é que, algures nessa linha de veículos, pelo menos um deles esteja a ocupar mais espaço do que aquele que seria necessário. Há quem simplesmente ignore as marcas no chão ou que se esqueça que há mais carros na estrada. Seja qual for a justificação, mantenha a cabeça fria porque a seguir vem o número 10…

10. Ser incapaz de admitir um erro

Os 9 pontos anteriores são suficientes para fazer chegar a mostarda ao nariz de qualquer condutor consciencioso, mas o mais grave, aquele que acaba por resultar em discussões no trânsito e muita vontade de vociferar impropérios, é o erro de não se reconhecer um erro! Não responda de forma acalorada quando ouvir uma buzinadela, pense antes no que lhe poderão estar a dizer e se não fez alguma coisa que justificasse a repreensão.