Tabuaço: local romântico no Douro Vinhateiro

Tabuaço: lugar ideal para uma escapadela romântica a dois, no coração do Douro Vinhateiro, onde se combina a história, o vinho e as magníficas paisagens.

Se está a procurar um refúgio romântico para uma escapadela de fim de semana com a sua cara-metade, o Tabuaço e as regiões em seu redor são uma boa opção. Em primeiro lugar fica no coração do verde da região das beiras. Em segundo lugar, é aqui que termina o centro do país. Finalmente, faz parte integrante do Alto Douro Vinhateiro, coberto por vinhas em socalcos. É aqui que crescem as uvas que darão origem aos vinhos do Douro, incluindo o vinho do Porto.

O concelho de Tabuaço fica a norte do distrito de Viseu, inserido no Alto Douro Vinhateiro. É considerado Património da Humanidade, classificado pela UNESCO. 6000 habitantes vivem no município composto por 13 freguesias distribuídas por 142 km2. “Tabuaço é uma varanda entre serras e rios, onde a natureza se deslumbra e encanta e se parte à descoberta de um território onde se encontram dois pequenos mundos que a natureza, o labor dos homens curtidos pelo sol estival e a história juntaram, e de onde brotam néctares abençoados pelos deuses”, de acordo com o site do município.

E uma forma de entrar no espírito desta escapadela pode começar por uma deslocação ao jardim central, onde se encontra a Loja Interativa de Turismo. A tecnologia está presente neste posto de atendimento que, mesmo quando fechado, permite consultar informações sobre o que visitar. É também aí que pode visitar aquele que é, alegadamente o relógio mais completo do mundo. Além disso, foi construído por um português!

Património de Tabuaço

É indispensável um passeio pelo centro da vila, onde vai encontrar a Igreja Matriz e o Pelourinho. Além disso, encontramos restaurantes para provar as melhores iguarias da região.

Nas imediações da vila, paisagem varia entre natureza em estado puro, vinhas em socalco, florestas mediterrânicas, soutos de castanheiros, rios bucólicos, tradições e cultura popular. A não perder estão as atividades ligadas ao enoturismo, à pesca, ao turismo fluvial e ao turismo da natureza.

Os seus passeios podem incluir momentos românticos e de envolvimento nas lendas e tradições da região. Se a gastronomia for da sua predileção tem opções relacionadas com o azeite e o vinho. Se prefere apreciar a paisagem, pode optar pelos miradouros, pelo os passeios pedonais. Se prefere conhecer a obra do Homem aproveite para visitar solares, casas senhoriais, quintas do Douro, ou monumentos pré-históricos. Por certo não não quer perder uma visita à igreja de São Pedro das Águias.

O relógio mais completo do mundo

Tabuaço é a morada daquele que é, alegadamente o relógio mais completo do mundo. O Rijomax pode ser observado dentro da loja interativa de Turismo. O relógio foi inventado e construído pelo relojoeiro Amândio José Ribeiro que, em 2002, doou o referido equipamento à Câmara. O artesão terá gasto 16 mil horas, entre 1945 e 1973 às voltas do “seu relógio”.

“O relógio tem mostradores que indicam os movimentos aparentes do Sol e da Lua, fazendo acertos do tempo sideral em ciclos de 6272 anos, a começar em 1900 d.C. Ainda assim, o relógio marca segundos, minutos, 24 horas, hora universal, hora solar, hora legal, assinala anos bissextos, suprimindo automaticamente 24 horas de 128 em 128 anos”.

Igreja de São Pedro das Águias

A pouca distância da Quinta do Convento, a Igreja de São Pedro das Águias, tem uma paisagem agreste mas surpreendente. O templo românico foi restaurado em meados do séc. XX e exibe uma fachada percorrida por modilhões decorados com figuras humanas e de animais. Destaque ainda para os portais ocidental e norte, “guarnecidos por arquivoltas apoiados em feras guardiãs”. Finalmente, “o interior caracteriza-se por uma ténue luminosidade, sobressaindo o arco triunfal”.

De uma casa ao Peso da Régua

Em torno de Tabuaço, a sul, não pode deixar de passar por Peso da Régua e, voltar atrás no tempo. Reza a lenda que a localidade terá tido origem numa casa romana que aí existiu, a “Villa Reguela” e que terá registado o seu maior desenvolvimento após 1756 com a criação da Real Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro. Instituiu-se então a primeira região demarcada de produção vitivinícola a nível mundial. Junto ao Rio Douro, era daí que as pipas de vinho eram transportadas em barcos rabelos até Vila Nova de Gaia, onde o vinho envelhecia nas caves. Vinhas em socalcos, miradouros como São Leonardo em Galafura e Santo António do Loureiro são bons motivos.

Pinhão: o centro geográfico da região

Um pouco a norte da vila de Tabuaço, fica Pinhão, zona que é considerada o centro geográfico da Região Demarcada do Douro. Também aqui se encontram muitas quintas produtoras do vinho do Porto. Poderão ser uma boa opção para ficar nesta escapadela romântica, uma vez que muitas são espaços de turismo rural. No Pinhão não deixe de visitar o edifício da Estação de Caminhos de Ferro, construída no final do séc. XIX, cujo interior é inteiramente revestido de painéis de azulejos.

Lamego: nas origens do vinho do Porto

A Oeste de Tabuaço, a 12 km das margens do Douro, proporciona passeios onde se podem admirar admiráveis panoramas dos extensos vales onde nasce o vinho do Porto. A história de Lamego está intimamente ligada ao vinho. Afinal, já no século XVIII se produzia ali “vinho fino”, que deu, posteriormente origem ao vinho do Porto. Com uma história repleta de conquistas e reconquistas foi definitivamente conquistada por Fernando Magno de Castela, bisavô de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal. Os tempos medievais deixaram marcas na localidade incluindo o castelo, a Sé e a pequena igreja de Santa Maria de Almacave. A influência da Igreja dotou a região de vários edifícios monumentais, incluindo a Igreja do Convento de Santa Cruz, com vista para a cidade, e para o sumptuoso e monumental santuário barroco dedicado a Nossa Senhora dos Remédios. Seja como for, indispensável é a visita ao Museu de Lamego.

Onde comer e dormir

O blogue de viagens Viaje Comigo, recomenda a Confeitaria Tulipa para lanchar. Para jantar a recomendação recai sobre o restaurante Tabuad’aço, perto das Piscinas Municipais, e conhecido “pelos seus pratos de cozinha tradicional portuguesa mas também pelos pratos internacionais, criados pelo dono e chef, o austríaco Thomas Egger”. Para dormir, as opções podem recair, entre muitas outras alternativas, sobre a Casa dos Ruis ou sobre o alojamento da Quinta da Padrela.