Como colocar bem o triângulo na estrada

Porque a segurança na estrada é fundamental, é essencial saber as regras para sinalizar a sua presença com os triângulos.

O uso do triângulo é fundamental. Uma das questões essenciais passa por saber reagir em caso de acidente ou avarias para assegurar a própria segurança e a dos restantes utilizadores da via pública.

Para o efeito, é imprescindível ter à mão, no nosso veículo, todos os elementos de segurança viária necessários, mas também saber usá-los corretamente. Um deles é sinal de pré-sinalização de perigo, mais conhecido como “o triângulo” ou o triângulo de emergência (Artigo 88.º, do Código da Estrada). Mas, como colocá-lo corretamente?

Triângulo de emergência e colete refletor: imprescindíveis na segurança na estrada

Vermos ter sempre à mão um triângulo de emergência para o utilizar em qualquer circunstância que nos obrigue a parar o veículo. Caso o seu carro tenha uma avaria ou esteja envolvido num acidente ou ainda quando deixar cair carga na estrada, o triângulo irá permitir-nos alertar os outros condutores sobre a presença do nosso veículo (ou carga) na estrada para evitar outros acidentes.

Neste sentido, antes de colocar o triângulo, devemos ter em conta algo fundamental: vestir o colete refletor para colocar o triângulo e, em geral, para todas as situações em que nos encontremos fora do veículo neste tipo de circunstâncias.

A que distância se deve colocar o triângulo

Os triângulos de pré-sinalização devem ser visíveis a, pelo menos, 100 metros de distância, pelos condutores que se aproximam do veículo imobilizado. De acordo com o Código da Estrada, para conseguir essa visibilidade, devemos colocar os triângulos da seguinte forma:

1. O sinal deve ser colocado perpendicularmente em relação ao pavimento e ao eixo da faixa de rodagem. Este aspeto é bastante relevante, pois se o sinal estiver inclinado poderá não ser visível para os restantes veículos em movimento.

2. A uma distância nunca inferior a 30 metros da retaguarda do veículo ou da carga a sinalizar.

3. Bem visível a uma distância de, pelo menos, 100 metros.

Atenção que estas regras são em Portugal. No entanto, deverá ter sempre em conta as regras locais e, mesmo aqui ao lado, em Espanha, qualquer veículo em circulação, independentemente do país de origem é obrigado a transportar dois triângulos de sinalização, como detalha este artigo do Quilómetros que Contam espanhol. Em Espanha as regras são mais detalhadas em caso de curvas, lombas e outros locais em que a visibilidade é insuficiente, incluindo quando há obstáculos como outdoors de publicidade.

Em Portugal é apenas obrigatório transportar um sinal de pré-sinalização de perigo (triângulo) e um colete, ambos retrorrefletores, e de modelo oficialmente aprovado. Só estes devem ser utilizados. Para distinguir um triângulo homologado de uma falsificação, devemos ter em atenção ao código inscrito. Em Espanha tem a seguinte fórmula: E9 27R 03 216. A referência pode ser ligeiramente diferente em função do ano e do país de homologação. Tomando como exemplo a combinação apresentada, este inclui os dados básicos deste elemento de segurança imprescindível: O código do país que homologou o sinal (E9 para Espanha ou E21 para Portugal), o número do regulamento a que diz respeito a homologação (27R), a versão do regulamento em vigor (03) e o número de homologação (216).

Porque é importante a utilização correta dos triângulos?

Caso os triângulos não estejam corretamente homologados, é possível que os seus elementos autorrefletores e a sua visibilidade não sejam adequados. Deste modo, ante os comprar, deve verificar-se se se tratam de triângulos oficiais que se encontram em perfeitas condições e que estão homologados segundo as regras vigentes.

Mesmo quando os triângulos estão homologados e são visíveis, colocá-los de forma incorreta pode pôr em risco a sua segurança e a dos condutores que se aproximam do veículo (ou da carga) imobilizados. Se o triângulo está demasiado perto do automóvel, os outros condutores podem não ter tempo suficiente para reagir e podem colidir com o veículo ou atropelar alguém que se encontre na estrada.

Outra consequência possível de uma má sinalização em caso de acidente ou avaria, é que o condutor que se aproxima do automóvel parado, ainda que reagindo a tempo, invada outra faixa de rodagem, para evitar atropelar a pessoa na estrada, acabe por provocar um acidente maior com outros automóveis que circulem em sentindo contrário ou a ultrapassar. Além disso, a visibilidade limitada reduz o nosso tempo de reação e pode ter consequências graves para os condutores que circulam normalmente.

Aumentar o tempo de reação

Um condutor médio pode reagir a algo inesperado numa fração de segundo. Isto significa, a circular a 90 quilómetros/hora, que o veículo percorre ainda 25 metros antes de o condutor carregar no travão. Se se aumentar a velocidade e adicionarmos possíveis condições externas (chuva, ultrapassagens, sentidos duplos…), a distância que um veículo pode percorrer antes de se ter capacidade de evitar um acidente aumenta substancialmente. Deste modo, utilizar de forma correta os triângulos de emergência aumenta a margem de ação em caso de imprevistos.