Vila Nova de Cerveira, encontro com a arte e a tradição

Num fim de semana em Vila Nova de Cerveira encontramos arte por todas as esquinas, mas também um Minho genuíno que convida à descontração.

O ritmo é o das águas do Rio Minho que aqui corre, nem muito depressa nem muito devagar. Vila Nova de Cerveira já defendeu a fronteira, mas hoje prefere estender a mão à Galiza. Nas últimas 4 décadas ganhou fama entre o público das artes, que aqui vêm por altura da bienal e, em alguns casos, deixa-se ficar. Há ateliers de portas abertas, com criadores que encontram aqui paz e inspiração, mas há também um Minho genuíno e bem conservado. Fomos à procura destas duas faces e contamos o que ver, visitar e sentir em Vila Nova de Cerveira.

Monte da Encarnação

Toda a linha da fronteira do Minho é de uma beleza natural invulgar. No alto do Monte da Encarnação é possível assistir a este cenário do rio, com as ilhas da Boega e dos Amores a seduzirem o olhar. Aqui foi colocada uma escultura do Mestre José Rodrigues de um cervo, animal que deu o nome à localidade. Visível a toda a volta, é um dos primeiros sinais para o recém-chegado que Cerveira respira arte. Se fizer a subida a partir da vila, aproveite as diferentes perspectivas que vai encontrar sobre a região. Recomendam-se também os miradouros do Alto da Pena e do Calvário.

Feira de Vila Nova de Cerveira

Apesar de se ter modernizado e perdido alguma da sua personalidade tradicional, a feira semanal continua a ser chamariz para os habitantes de toda a região. No centro histórico da vila, aos sábados de manhã chegam galegos e minhotos para procurar cuecas, meias ou chouriços. É uma das feiras mais concorridas da região e os produtos contra-feitos são comuns. No mercado é possível encontrar produtos locais e, ao fim da manhã, aproveitar os restaurantes em redor.

Vila Nova de Cerveira, encontro com a arte e a tradição

Um passeio pela vila

Nascida na idade média, a localidade ainda exibe solares e casas senhoriais do séc. XVI e XVII. São dessa altura o pelourinho, a Igreja da Misericórdia ou a capela da Nossa Senhora da Ajuda. Ao andarmos pelas ruas empedradas cruzamo-nos com estas velhas senhoras, lado a lado com esculturas e outras intervenções artísticas. Resistem também algumas das portas do Castelo do século XIV e, lá do alto, continua-se a poder espreitar a fronteira. Mais tardias, também vale a pena a vista das fachadas da Casa Verde ou do Solar dos Castros.

Margens do Minho

A zona em frente ao rio é de paragem obrigatória e aconselhamos a aproveitar bem o seu tempo aqui. Com Espanha pela frente e os barcos de recreio ancorados, os reflexos da água, os sons dos pássaros e o verde que se debruça sobre o espelho são uma verdadeira aguarela. Para montante ou jusante encontramos bosques ribeirinhos que são o pacífico habitat da fauna e flora locais. Pode fazer aqui um passeio de barco e a nossa recomendação vai para o caiaque. É uma experiência tranquila e segura, uma oportunidade perfeita para passar uma manhã ou tarde com amigos ou familiares. Das ilhas Boega e dos Amores no estuário do rio Minho poderá apreciar a biodiversidade desta área protegida.

A Bienal de Vila Nova de Cerveira

Parte muito importante da magia de Cerveira, as últimas quatro décadas foram de arte para a vila. A localidade tem mantido uma relação equilibrada entre a tradição e a criação, com a Bienal na sua origem. Assumiu o papel de “Vila das Artes” e, para além da festa que ocorre de dois em dois anos, conseguiu fixar novos residentes. As Casas Atelier, as intervenções artísticas que encontramos e o Museu da Fundação trouxeram nova vida. A próxima bienal ocorre em 2019 mas, até lá, Cerveira tem um calendário recheado de propostas artísticas e culturais.

Dormir com as anjas

Construído no séc. XIV e abandonado no séc. XIX, o Convento de San Payo foi salvo da ruína pelo escultor José Rodrigues. Alvo de um cuidado restauro, tornou-se no seu atelier e tem hoje centenas das suas peças. Para melhor apreciar o espólio do mestre e outros artistas, o convento convida-nos a passar a noite. Há 8 suites decoradas com peças da família, onde encontramos mobiliário actual e antiguidades que dão um toque genuíno a cada quarto. Cá fora, o passeio pelos jardins e a vista sobre Cerveira completam a experiência.