Vila Viçosa: a Princesa do Alentejo

Vila Viçosa é conhecida como a Princesa do Alentejo. É pequena mas uma das maiores preciosidades do Alentejo. É uma encantadora vila-museu.

A Princesa do Alentejo. Vila Viçosa, em Évora, é uma autêntica vila-museu. O nome da localidade tem origem na fertilidade do seu solo. Mas é também a terra natal da poetisa Florbela Espanca que tornou o nome da povoação conhecido se não em todo o mundo, pelo menos em Portugal. Descubra as nossas recomendações do que ver e sentir numa escapada em Vila Viçosa.

Vila viçosa transpira História. O património é invejável e a maravilhas naturais ou criadas pelo Homem perduram ao longo dos séculos. A combinação das rochas decorativas, incluindo o mármore de qualidade superior, com a arte e o engenho humano fazem desta matéria-prima um dos eixos económicos da região. Afinal, no concelho existem cerca de 160 pedreiras, que são, naturalmente, um dos ex-libris da localidade.

Como é comum em terras alentejanas, existe uma grande variedade de de igrejas, conventos, museus. Mas sendo uma vila museu, a história circula também nas ruas personalizada nas suas gentes. Gentes estas que aqui vivem deste tempo imemoriais. A localidade foi ocupada, ao longo dos séculos, por romanos e muçulmanos tendo sido conquistada em 1217. É vila desde 1270 e aí foi erguido um castelo, por D. Diniz, no século XIV. Naturalmente, o castelo é algo que não pode deixar de visitar.

A corte na província

Um dos mais emblemáticos monumentos da povoação é o Paço Ducal de Vila Viçosa, cuja construção se iniciou em 1502. Quando D. João IV, Duque de Bragança, sobe ao trono de Portugal em 1640, dando início à quarta dinastia, a Vila passou a ser a residência de férias da família real. A implantação da República em 1910 levou ao encerramento do Paço Ducal de Vila Viçosa e, em seguida e por vontade expressa em testamento de D. Manuel II, reabre portas nos anos 40 do século XX, após a criação da Fundação da Casa de Bragança.

Uma das curiosidades históricas que nos remetem para esta vila chega-nos do ano de 1646 quando D. João IV ofereceu a coroa de Portugal a Nossa Senhora da Conceição, como forma de agradecimento pela vitória portuguesa na Guerra da Restauração. Nossa Senhora da Conceição tornou-se assim Rainha e Padroeira de Portugal.  Desde então mais nenhum rei deste país usou a coroa a partir desta data.

Mas nem só de momentos bons viveu a povoação. A Vila foi abalada pelo Terramoto de 1755 e no início do século XIX a foi pilhada nas Invasões Francesas. Em 1910, com a Proclamação da República, Vila Viçosa entrou em declínio. Renasceu a partir da década de 1930 com a exploração dos mármores e mais tarde, com a abertura do Paço Ducal aos turistas.

O que visitar?

Quem passa por Vila Viçosa tem de visitar o Palácio Ducal de Vila Viçosa ou Paço do Duque. A sua edificação iniciou-se em 1501 por ordem de D. Jaime, quarto duque de Bragança, mas as obras que lhe conferiram a grandeza e características que hoje conhecemos prolongaram-se pelos séculos XVI e XVII, explica informação da autarquia. Com 110 metros de comprimento tem a fachada totalmente revestida com mármore da região. O Palácio tem mais de 50 salas abertas ao público, com colecções de pintura, escultura, mobiliário, tapeçaria, cerâmica e ourivesaria.

Castelos e poetisas

Naturalmente, terá de passar igualmente pelo Castelo de Vila Viçosa. Dentro das muralhas, há uma capela gótica de Nossa Senhora do Castelo, onde se encontra um Santuário. É a imagem original desta que é a padroeira de Portugal. As vestes das rainhas e outras damas da Casa Real foram usadas para vestir a imagem da padroeira, desde 1820.

Ao lado, no cemitério, descansam os restos mortais de Florbela Espanca. No Castelo pode visitar os museus da Caça e da Arqueologia. Além disso, se subir às muralhas, poderá contemplar todo o circuito urbano da vila, incluindo a Praça da República.

Vila Viçosa: a Princesa do Alentejo

Recomenda-se ainda a visita a locais como a Casa Museu Bento de Jesus Caraça, o Museu do Mármore, a Igreja e Convento dos Agostinhos, a Igreja de São João Evangelista, a Igreja de São Bartolomeu, a Igreja da Lapa, o Cruzeiro de Vila Viçosa, a Igreja e Convento dos Capuchos, a Casa Museu Bento de Jesus Caraça, o Museu Agrícola e Etnográfico, a Porta do Nó, a Porta da Vila ou o Pelourinho. Mas, se quiser acompanhar as festas e romarias da vila, marque a sua escapadela para o primeiro domingo de maio ou para o segundo de setembro.

Onde ficar

Para ficar em Vila Viçosa e poder usufruir ao ritmo alentejano todas as maravilhas colocadas à sua disposição pode ficar na Pousada Convento de Vila Viçosa – D. João IV ou Pousada do Convento das Chagas de Cristo. São mais duas experiências memoráveis em que o presente se entrelaça com o passado.

Outra opção é o Solar dos Mascarenhas, no centro histórico de Vila Viçosa, a menos de 300 metros do Palácio Ducal. É um boutique hotel que conta com um edifício do século XVI onde está localizada a receção, salas de estar e a sala dos pequenos-almoços. Os quartos estão localizados nos antigos jardins e cavalariças do solar, numa construção totalmente nova.

O que comer

O difícil é, como sempre, escolher. A não perder é a doçaria calipolense, por exemplo, as conhecidas e muito apreciadas “Tibornas”. Não deixe de provar migas, açorda, sopas de tomate, ensopado de borrego, borrego guisado com ervilhas, arroz de fressura, queijos e enchidos, doce dourado, ameixas em calda e, naturalmente, o vinho de Borba.

Um dos locais que pode selecionar para uma refeição é o restaurante Os Cucos” . É uma das principais referências no que concerne à excelência da cozinha regional alentejana, segundo o próprio restaurante. Tem cerca de 150 lugares interiores e uma esplanada totalmente circundada por um espaço verdejante afastado da poluição citadina.