516 Arouca: a vertigem por cima do Rio Paiva

23 Outubro | 2020 | Goodyear

É a mais longa ponte pedonal suspensa do Mundo e um complemento perfeito para os passadiços do Paiva. Venha conhecer a 516 Arouca.

Arouca já era palco para a fantástica Serra da Freita e os famosos Passadiços do Paiva, mas ganha agora um novo motivo de visita. Está aqui agora a ponte pedonal suspensa mais longa do Mundo. Pelo planeta existem exemplos mais altos e vertiginosos mas nenhum outro tem esta vista para a surpreendente Cascata das Aguieiras. Antes da sua visita, conheça melhor a 516 Arouca com a Goodyear.

Os Passadiços do Paiva já trazem à região de Arouca visitantes de todo o país. São, inclusive, responsáveis por uma verdadeira moda de passadiços que atravessa o país nos últimos anos. Vejamos: temos já os do Penedo Furado, do Sistelo,  do Alamal, do Alvor ou de Osso da Baleia. E, de certeza que nos escapou algum por falta de memória ou desconhecimento. (Aproveite e deixe-nos nos comentários as recomendações dos seus preferidos, quem sabe poderão aparecer aqui no nosso blog brevemente…). 

Mas os Passadiços do Paiva são, definitivamente, especiais. Quando os visitamos pela primeira vez, deixamos aqui no QuilómetrosQueContam: “Até onde a vista alcança encontramos paisagens de grande beleza que abrigam, não só flora e fauna selvagens, mas também espaços geológicos singulares. Entre as praias fluviais do Areinho e da  Espiunca, a cada curva das passagens, encontramos uma sucessão de recantos que nos apaixonam e obrigam a mais um “clique” na máquina fotográfica”.  O percurso dos passadiços dá-se dentro do Arouca GeoPark, uma região reconhecida pela UNESCO como Património Geológico da Humanidade. E agora temos a possibilidade de assistir ao espetáculo de um ponto de vista privilegiado…

Até chegarmos aqui

A “516 Arouca” teve um nascimento complicado como, aliás, tem sido a vida dos passadiços que a acolhem. Depois dos incêndios que assolaram a região, a ponte passou por várias alterações de engenharia e localização até ficar no seu destino final. Esteve três anos em construção e abriu apenas no Outono deste ano de pandemia para evitar grandes enchentes e permitir realizar todos os testes necessários. Poderão circular até 1.800 pessoas na ponte, mas esse valor máximo ficará dependente dos resultados dos testes em diferentes condições meteorológicas. 

O acesso mais direto à nova ponte dá-se pela entrada da praia do Areininho ou Garganta do Paiva, mas pode ser também visitável entrando nos passadiços por Espiunca. Em qualquer dos casos, teremos que subir uma elevação considerável nas proximidades da cascata para a encontrarmos. Nada de especial para quem já vai a meio de um percurso de cerca de 8 quilómetros… E a vista é realmente impressionante: a 175 metros de altura no seu máximo, e com 516 metros de extensão, parece imagem saída de um filme de aventuras. 

516 metros de vertigem

Apesar de evocar uma imagem do Tibete, a construção é metálica, com cabos e malhas que suportam as 127 grades rígidas que constituem o seu piso. O desenho esteve a cargo do gabinete Itecons que conseguiu apresentar uma proposta com um impacto mínimo na paisagem. 

Atravessar o vazio não deverá ser tarefa fácil para todos: apesar do metal e da ciência nos dizerem que nada vai correr mal, há coisas em que a mente se recusa a acreditar. Assim, se sofre de vertigem, esta não é uma aventura para si: demorará cerca de dez minutos a passar de um lado ao outro, enquanto a estrutura semi-flexível abana ao sabor do vento. É tudo perfeitamente normal, mas até os suores frios são perfeitamente normais…

E lá fora…

A anterior ponte suspensa pedonal mais longa era a Charles Kuonen, nos Alpes suíços e e 494 metros de comprimento, seguida pela de Hongyagu (China), com 488 metros de extensão, e pela Titan-RT, nas montanhas alemãs de Harz, com 458 metros. A ponte suspensa com fundo de vidro mais alta do mundo fica em Zhangjiajie, na China, e tem uma plataforma de onde se pode fazer bungee jumps de 260 metros de altura.

Good Year Kilometros que cuentan