De Cousteau a gourmet em apenas dois dias

Berlengas, testemunhas de raids vikings, mas quem sempre mandou nesta paisagem foram as centenas de espécies que aqui habitam

A menos de 10 milhas marítimas de Peniche, fica um arquipélago mágico, um local onde as águas são tão cristalinas e cheias de vida que parecem saídas de um documentário de vida selvagem. Estas ilhas já foram testemunhas de raids vikings, mas quem sempre mandou nesta paisagem foram as centenas de espécies que aqui habitam.

O acesso às Berlengas é feito de barco, numa viagem que não dura mais do que meia hora e inclui a visão de bandos de golfinhos a passar. Com a possibilidade de pernoitarmos na ilha, eis a escapadela ideal para quem procura dois dias de intenso contato com o mar.

Safári marinho

Adjacente à a Berlenga Maior, ligado por uma pequena ponte, fica o Forte de São Jão Baptista, construção Manuelina de 1502 hoje em dia parcialmente convertido em estalagem, mas são as pequenas praias espalhadas por toda a ilha que farão os encantos de quem aqui veio para nadar e mergulhar.

De fácil acesso para qualquer zona do país, as Berlengas tornaram-se um polo de atração para os entusiastas do mergulho, sedentos de encontrar alguma das espécies que só podem ver aqui. Mas não são só os mais experientes que podem encontrar aqui prazer, já que as calmas e transparentes águas são particularmente apelativas para o mergulho de apneia (snorkeling), actividade acessível a toda a família.

Berlengas - Quilometrosquecontam

Aqui manda a natureza

As sua águas albergam, a par dos mais diversos peixes – robalos, tainhas, sargos, pargos, douradas -, todo um conjunto de animais e plantas – mexilhões, lapas, ouriços e as mais diversas algas. Este é ainda um local privilegiado de desova para muitas espécies (o cação, por exemplo) e é de uma grande riqueza quanto à variedade de peixes presentes, razões mais do que suficientes para ser a única reserva marinha oceânica portuguesa.

Se, para além de os ver de perto, também estiver interessado em levar um destes peixes para a sua mesa, há regras claras a cumprir. É proibido pescar nas pequenas ilhas e rochedos e na Berlenga Grande só há 5 locais onde a atividade é permitida, por isso há muito velho lobo do mar que prefira ir para o largo, já que a oferta de aluguer de barcos e guias é excepcional em toda a zona de Peniche.

 

Caminhar sobre as águas

Não menos interessante é um passeio em pranchas de stand-up paddle em volta da ilha. Assim, poderemos penetrar nas diversas cavernas e explorar todos os recantos de forma descontraída e segura. No fim do passeio, em caso de apertar a fome e tiver vindo desprevenido, experimente o restaurante local.

E assim se passou um fim de semana nada normal: transformámos-nos em Jacques Costeau, sentimos o Sol na pele e ainda arranjámos tempo para apreciar um dos fantásticos peixes da região. Nem parece que foram só dois dias…