De norte a sul em busca da melhor Cerveja Artesanal

Há quase 100 marcas de cerveja artesanal portuguesa, uma moda que apareceu recentemente mas que cresceu surpreendentemente. A Goodyear desenha um roteiro.

A cerveja artesanal é uma tendência que entrou com força em Portugal na última década e tem já uma séria e qualificada oferta para quem quiser experimentar diferentes vertentes deste néctar. Venha com a Goodyear saber um pouco mais sobre esta moda que, esperamos nós, chegou para ficar e conheça o nosso mini-guia de norte a sul de Portugal, com algumas das melhores cervejas do país.

Entre hobbystas que quiseram produzir a sua própria cerveja e gourmets conhecedores que procuram apreciar diferentes produções de todo o mundo, o mercado tem crescido e multiplica-se em diferentes vertentes. As grandes marcas começaram a editar as suas cervejas de abadia (a versão “homem-comum” das trappists que chegam a ser vendidas a 100 euros a caixa), surgiram ateliers de produção artesanal, nasceram pequenas fábricas e explodiu o número de bares exclusivamente dedicados à cerveja. Já são pelo menos 90 marcas de cervejas portuguesas  que ostentam a orgulhosa distinção de “artesanal”.

O regresso às origens e à cerveja artesanal

O regresso às origens e à cerveja artesanal

Da mesma forma que o vinho desperta paixões, a cerveja apresenta uma grande complexidade de sabores cuja origem está na forma como é produzida. Variam a cevada, o lúpulo, a água e a levedura que os mestres cervejeiros têm ao seu dispor para produzir uma cerveja, mas mudam também os processos e as pequenas manhas que fazem de cada cerveja única. Além disso, é comum que as cervejas de grande produção usem cereais como o milho ou o arroz ou aromatizantes artificiais, adições que são interditas para o conhecedor.

É o referido mestre cervejeiro que busca e harmoniza estes ingredientes, criando um misto de arte, técnica e segredo alquímico. O lúpulo deve dar o sabor amargo de uma cerveja e é o mestre que tem que equilibrar o tom final. A fermentação é um processo complexo, com várias fases, onde se define o carácter lager ou ale, e obriga à dedicação na sua monitorização, escolha das leveduras e controlo da temperatura. É uma fase que necessita de bastante conhecimento prático mas onde há espaço para criatividade e que nunca está terminada nestas cervejas: ao contrário das suas congéneres industriais, as artesanais não são pasteurizadas e as leveduras continuam a trabalhar mesmo depois do líquido ser engarrafado.

Mini-guia, de norte a sul, para a cerveja artesanal portuguesa

Sendo já quase uma centena, as cervejas artesanais portuguesas podem ser encontradas em sites especializados, lojas gourmet e uma série de restaurantes, bares e cervejarias que se transformaram em verdadeiras capelinhas para os apreciadores. Veja aqui a nossa selecção e vai ver que não é só o vinho a justificar passeios de fim de semana em busca de néctares únicos.

Braga

A Letra é uma cerveja artesanal com fábrica em Vila Verde que abriu em 2015, no mesmo local, um bar para apresentar-nos o que aqui se faz, na companhia de croquetes e sandes de carne de porco estufada em cerveja. Aos sábados podemos ir em visita guiada à produção que inclui uma Weiss, uma Pilsener, uma Stout, uma Red Ale e uma Indian Pale.

Trofa

Na Trofa podemos beber uma Post Scriptum  na Malte Taberna. A primeira é a fábrica responsável por cervejas como a Equinox e a Imperial Stout e a segunda é uma agradável taberna onde, além da produção da brewery local, há um vasto leque de outras marcas para serem apreciados na companhia de alguns mariscos.

Porto

É acima de tudo um espaço de venda ao público, mas o Catraio também é local para calmamente apreciarmos uma das marcas disponíveis, com salgadinhos, queijos e enchidos. Com ênfase nas marcas nacionais, o objectivo é criar-se aqui um polo e uma montra para mostrar os produtores portugueses aos conhecedores e “amadores”.

Oliveira de Azeméis

Outra fábrica que dá o salto para ter um espaço aberto ao público, a Vadia tem já oito cervejas diferentes, incluindo uma de ginja de Óbidos. O brewpub da marca tem também queijos e hambúrgueres artesanais e é onde podemos marcar visitas à fábrica.

Anadia/Aveiro

Com a fábrica na Anadia e um bar em Aveiro, a Toira é uma marca artesanal, que surgiu quando Pedro Figueiredo decidiu profissionalizar as experiências que já vinha a fazer há algum tempo com a sua produção própria. Tem neste momento cinco cervejas fixas, mas vai circulando regularmente novas receitas em edições especiais

Coimbra

Produzidas de forma “100% natural”, as Praxis são as cervejas que agarram na tradição cervejeira de Coimbra que vem desde o séc XIX. Diz a fábrica que o segredo é o uso da água da região e pode provar e comprovar o resultado no museu/restaurante ao lado da Quinta das Lágrimas.

Lisboa

Com o nome Dois Corvos e a companhia de edições especiais da série Marvila não há que enganar: é uma fábrica lisboeta e com orgulho em ser alfacinha. E é mesmo em Marvila que a podemos provar, no Tap Room criado pela marca. Há 10 tipos disponíveis em igual número de torneiras de pressão e podemos escolher uma série de tamanhos e tábuas de degustação.

Faro

Apesar de não ter produção própria, acabamos este guia em Faro para visitar a Boheme, onde a atenção principal vai mesmo para as artesanais portuguesas. A Marafada Pale Ale e a Moura são cervejas de produção algarvia e aparecem na companhia da Vadia, Maldita, das Toira, Passarola ou Sant´Ana. Para não caírem na fraqueza, há pastéis de bacalhau, saladinhas e presunto.