5 lugares para fazer um safari fotográfico

O bom tempo convida a sair. Por isso, neste início de primavera pegue na máquina fotográfica – ou no telemóvel – faça um safari fotográfico.

Tirar um fim-de-semana para conhecer o país através da participação num safari fotográfico é fantástico. Évora, Vila Nova de Gaia ou Douro internacional são apenas alguns exemplos do que pode encontrar.

Na cidade

O Centro Histórico da cidade de Évora é o palco da primeira proposta de safari fotográfico que lhe fazemos. A atividade deve ser feita em grupo na cidade classificada Património da Humanidade pela UNESCO.

As equipas têm de seguir um guião e fotografar a cidade, seguindo escrupulosamente as regras que lhes são dadas. O cumprimento das regras obriga à interação entre os vários elementos, ao mesmo tempo que permite descobrir sítios interessantes na cidade. Segundo a organização, o programa pode ser adaptado a outros centros históricos e é divertido mesmo para quem já conheça a cidade.

No campo

A Faia Brava é uma zona, localizada no vale do Côa, na faixa fronteiriça do Distrito da Guarda. É ainda praticamente desconhecida, mas combina uma paisagem riquíssima, com acesso às pinturas rupestre.

Antes de entrarmos na Reserva da Faia Brava, recordemos o que é o Parque Arqueológico do Vale do Côa, um espaço de interesse patrimonial e cultural, criado em 1996. Dois anos depois, os núcleos de gravuras rupestres foram classificados como Património Mundial, pela Unesco.

A Faia Brava abrange cerca de 1000 hectares entre nos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo e Pinhel. Aqui podem encontrar-se nas encostas fluviais do Côa, com grande declive formadas por escarpas, importantes comunidades de aves rupícolas.

É uma Birdlife International Important Bird Area e faz parte da rede nacional de áreas protegidas desde 2010. Nessa altura passou a designar-se por Área Protegida Privada da Faia Brava. É ainda uma área-piloto do projecto europeu Rewilding Europe – que promove a gestão de áreas abandonadas, de forma a reconvertê-las em espaços naturais, e o desenvolvimento do turismo de natureza.

A Wildlife organiza safaris fotográficos no local onde se podem fotografar – se aparecerem, naturalmente, das escarpas, das quais se destacam: Cegonha-preta, Abutre do Egipto, Grifo, Águia-real, Águia de Bonelli, Bufo-real, Andorinhão-real, Melro-azul. Recentemente, foi ainda confirmada a nidificação do raro Andorinhão-cafre.

No rio

O desafio da Tejo Internacional é fazer um safari fotográfico na região. O objetivo é dar a conhecer caminhos e trilhos rurais dos cantos mais espetaculares do Parque Natural do Tejo Internacional para fotografar a fauna e a flora mais significativas e muitas vezes não percebidas.

A organização ensina técnicas fotográficas, sendo possível sentir um autêntico privilégio de aceder a lugares mágicos, exóticos e desconhecidos do parque natural e de os poder imortalizar com o seu próprio estilo.

Para as crianças

Os Trilhos da Terra, em Aveiro, é um espaço de co-work para artistas fotográficos, mas é também aqui que se promovem workshops de fotografia para pais e filhos.

É um local extraordinário para as crianças, onde a fotografia ganha toda uma nova dimensão. Tudo nasceu porque “a paixão pelo mundo levou-nos à fotografia” e “agora queremos partilhar a experiência de fotografar para que possas sentir o mundo com os teus olhos”. É assim que esta iniciativa se descreve. Inscreva os seus filhos e veja posteriormente os resultados.

A última proposta é um programa de passeios fotográficos à descoberta de monumentos, natureza e vistas fantásticas. Os especialistas acompanham para dar a conhecer os segredos de Cascais, de Sintra e do Estoril ou de Lisboa durante um dia inteiro ou mesmo em meio dia.

A proposta é da Casa Vela Hotel, em Cascais.

Dicas para fotografar com o telemóvel

Atualmente, os telemóveis são também equipamentos fotográficos de alta qualidade. Um dos fabricantes partilhou algumas dicas para tirar as melhores fotografias.

  • Utilize a regra dos três terços para enquadrar a tua foto;
  • Espaço negativo: tire partido das as áreas em redor e entre os objetos de uma imagem;
  • Concentre-se em apenas um objeto. Esse objeto só deverá ocupar uma pequena área do espaço a fotografar. Os restantes dois terços da foto dever ser espaço negativo.
  • Procure diferentes perspetivas;
  • Brinque com os reflexos (poças, grandes massas de água, espelhos, óculos de sol, copos e superfícies metálicas);
  • Capture pequenos detalhes. Imagens em close-up que capturam pequenos detalhes delicados podem criar um conteúdo visual realmente atraente.
  • Fica atento a texturas e padrões como o descascar de tinta, uma estrada de cascalho ou um azulejo de mosaico.

Quando se fala de fotografia móvel as opções são imensas. Estas são apenas algumas das dicas e técnicas essenciais para capturar uma boa imagem, mas existem muitas mais, para aplicar num safari fotográfico ou em qualquer outro momento da vida.