Monsanto: de pedra se faz a História

O granito de Monsanto, apesar de nunca ter sido cenário para um filme, seria capaz de suportar toda imaginação de Hollywood e muito mais

Há locais que poderiam servir de cenário a dezenas de filmes e séries televisivas, nas mais variadas épocas históricas. Monsanto, por exemplo, poderia perfeitamente voltar a ser palco de histórias com protagonistas lusitanos e romanos, visigodos e árabes. Poderíamos ver encenada aqui a batalha em que Afonso Henriques derrota os mouros, ou misteriosas histórias dos templários que construíram o seu castelo.

Mas Hollywood não quer saber de nada disto,  transformaria tudo em fantasia medieval e ainda arranjaria forma de ter um dragão à mistura. O granito de Monsanto, apesar de nunca ter sido cenário para um filme, seria capaz de suportar toda esta imaginação e muito mais.

Como tantos outros povoados naquela linha, também aqui a fronteira avançou e recuou várias vezes. O Reino de Leão chegou a destruir o edificado, que só voltaria ser recuperado cem anos mais tarde, novamente pelas mãos dos templários. Os vizinhos espanhóis voltariam no século XVII e os franceses tentariam a sua sorte no século seguinte, mas as difíceis escarpas que se erguem até ao castelo foram mais resistentes.

 

Encontro de civilizações

Apesar de tantas ocupações diferentes, a pedra granítica guarda bem a memória de outros tempos. No alto da escarpada encosta podemos observar a alcáçova, a cintura de muralhas e torres de vigia, bem como as belíssimas ruínas da Capela de S. Miguel e a Capela de Santa Maria do Castelo.

A Capela de S. Pedro de Vir-à-Corça, ali muito perto na base do monte, é um templo românico construído em granito, em redor do qual se realizava uma feira medieval autorizada por D. Dinis. Em São Lourenço, povoação próxima, foi encontrada ainda uma vila e quatro túmulos romanos.

A Festa de Santa Cruz, a 3 de Maio, comemora a resistência aos invasores, deitando-se das muralhas do castelo cântaros com flores, enquanto as mulheres levam as “marafonas”, bonecas de trapos tradicionais, até ao topo das torres. Julga-se que estas peças do artesanato local estejam de alguma forma ligados ao culto da fertilidade e, hoje em dia, são uma presença constante por toda a aldeia.

Monsanto - Quilometrosquecontam

 

A teimosia do Homem

Podíamos passar horas a contar a História da região, mas aquilo que marca todos os visitantes é a forma como a aldeia se empoleira na encosta e, à força da teimosia humana, se agarra à rocha. As casas ficam apertadas por entre aqueles enormes penedos, a maioria delas com espaço ainda para pequenas hortas ou jardins, e tudo se funde com os próprios blocos de granito.

Muito bem preservada, ostenta o título de “Aldeia mais portuguesa de Portugal” desde 1938, o que lhe proporcionou os cuidados necessários para não cair no abandono. Aqui tudo está cuidadosamente preservado, e o orgulho que os habitantes têm pela sua terra está espelhado em todas as janelas e portas, bem cuidadas e ornamentadas. Símbolo bem real da sobrevivência e resistência humana, Monsanto é ainda assim um cenário de sonhos. Se não imaginar hobbits e elfos nas muralhas deste castelo é porque o leitor já não vai há muito tempo ao cinema…