A História do Cinto de segurança

O cinto de segurança já salvou a vida a um número incontável de pessoas e já é tão familiar que nos esquecemos que é uma invenção recente.

Conhece a História do cinto de segurança? Se tiver menos do que 40 anos, se calhar o leitor nem imagina que já houve um tempo em que os carros não traziam nenhum dos sistemas de segurança activa actualmente disponíveis. A tecnologia que temos agora ajuda-nos a garantir a segurança ao volante, com elementos como os travões automáticos, mas ainda há poucos anos só tínhamos mesmo o cinto de segurança para nos proteger dentro de um carro. Continua a ser um dos sistemas de segurança mais eficaz que existe.

A evolução do cinto de segurança

Os primeiros cintos de segurança eram dispositivos de retenção desenhados sobretudo para o conforto dos passageiros. Foram criados em 1885 para evitar que os ocupantes das carruagens com cavalos caíssem com a trepidação da estrada. A ideia foi adaptada em 1911 aos aviões. Benjamin Foulois usou cintos de segurança numa aeronave criada pelos Irmãos Wright para evitar que os passageiros caíssem por causa das rajadas de vento.

O crescimento das vendas de automóveis nas décadas de 40 e 50 fez também com que aumentasse o número de acidentes e problemas na estrada e os médicos começaram a pedir a introdução de sistemas de segurança nos veículos. Apesar disso, na altura a noção do consumidor e dos fabricantes é que um carro verdadeiramente seguro não necessitaria de sistemas de segurança adicionais. Sem dúvida, uma ideia muito diferente daquela que, felizmente, temos hoje em dia.

O pioneiro na aplicação de cintos de segurança aos seus veículos foi Preston Tucker. Apesar deste construtor não ter durado muito tempo, a Nash e a Ford copiaram a ideia para os seus carros, introduzindo-os como opcionais durante a década de 50.

A evolução do cinto de segurança

O cinto de três pontos

Nils Bohlin foi o engenheiro sueco que inventou o cinto de segurança de três pontos, aquele que usamos na actualidade. Baseando-se em investigação anterior, em 1959 Bohlin trabalhava na Volvo quando patenteou um sistema de segurança que podia ser fixo apenas com uma mão. Este sistema simples e eficiente prendia a parte superior do corpo e impedia que os passageiros saíssem por baixo, graças ao cinto que ajustável no peito.

A partir desse momento, todos os Volvo começaram a sair da linha de produção com este sistema de segurança e a companhia ofereceu gratuitamente ao mercado a patente do cinto de segurança de três pontos. De esta forma, toda a indústria pode usar esta inovação e quem ficou a ganhar foram os condutores.

Na actualidade este sistema de segurança já evoluiu bastante mais, graças a novas tecnologias como airbags nos próprios cintos, contudo, continua a surpreender que seja necessário realizar campanhas de segurança rodoviária e recorrer a pesadas multas para que todos se lembrem que é necessário colocar o cinto quando entramos num carro. Essa é uma dificuldade que temos todos que superar, pois todos os outros sistemas de segurança de um carro estão pensados para passageiros devidamente apertados com os seus cintos.