O café: a religião portuguesa

O café faz parte da história de Portugal e hoje continua a ser a estrela das nossas mesas. Já sabe onde experimentá-lo?

Quando um estrangeiro chega a Portugal depressa fica perplexo perante o conceito e cultura do café por aqui. Contrariamente ao habitual noutros países, percebem no nosso um cuidado especial e meticuloso na elaboração e um catálogo alargado e diverso de receitas que, a olhos pouco experientes, parece denotar uma obsessão nacional com este tesouro que veio da África subtropical (acredita-se que foi a Etiópia o primeiro país do mundo a produzir café, um desconhecido na Europa até há 500 anos atrás. Há quem diga que um espresso é um espresso apenas em Portugal e na Itália.

Se tivéssemos que escolher os melhores locais para desfrutar de um ótimo café no nosso país, abriríamos uma dura competição com um vencedor incerto e um júri hesitante. Não é uma tarefa fácil e muito menos justa: na compilação ficariam fora tantos e tão bons locais quanto ficassem dentro. E mesmo que escolhêssemos apenas os mais referenciados -e reverenciados-, inevitavelmente crivaríamos com a sensação de qualquer coisa de errada no nosso proceder.

É por isso que vamos fazer uma escolha de locais para desfrutar de um bom café indicando claramente que obedece apenas a perceções subjetivas, e nem sempre sobre o sabor do café: também o local, o seu charme e beleza. Não é, pois, uma guia dos melhores locais do país, mas dalguns que merecem serem lembrados. Aliás, e para completar a experiência “cafeteira” no nosso país, acrescentaremos abaixo uma proposta de visita a um local  reconhecido neste mesmo ano pela sua divulgação desta autêntica cultura popular.

Amigos - Quilometrosquecontam

É inevitável que nos venham à memória as primeiras décadas do século XX quando pensamos em locais tradicionais de café. Aqueles espaços de tertúlia e elegância, repletos de “bon vivants” e artistas, onde se ensarilhavam as ideias em volta das taças de café. No Majestic do Porto parece encerrar-se ainda todo o charme daqueles anos em que ainda era chamado de Elite no 112 da Rua de Santa  Catarina. Ainda hoje impressiona a imponente fachada em mármore de aspectos vegetalistas e sinuosos, e o seu pátio interior à imagem de um jardim de Inverno onde até mesmo Teixeira de Pascoaes desfrutou do bom café. Não é apenas pelo seu delicioso produto que vale a pena vir até ao Majestic: exposições, concertos e até mesmo programas de televisão têm estado por cá, associando o nome do local para sempre ao imaginário cultural da cidade.

Uma alternativa mais moderna na mesma cidade está na rua Galerias de Paris. Lá, o Café aul Lait espera pelo visitante num edifício antigo com portas de arco, tirado do coração do século XIX. Para além de café, é um local que oferece uma seleção muito variada e apetitosa de refeições ligeiras. Também aqui podemos desfrutar simultaneamente de um bom café e de um bom concerto de estios diversos.

Em Lisboa, A Brasileira é o primeiro local que lembramos. Ex-libris do café português, completou recentemente 110 anos de existência na Rua Garrett, junto ao Largo do Chiado. Foi historicamente um café muito concorrido na mesma época que o Majestic pela intelectualidade portuguesa da altura, contando-se Fernando Pessoa entre os seus clientes mais emblemáticos (hoje lembrado com uma estátua da autoria de Lagoa Henriques no exterior). Hoje é um local insubstituível nos percursos históricos pela cidade, onde mergulhar à vez no nosso passado e no nosso melhor café. Dizem que foi aqui que nasceu a palavra bica para referir-se ao espresso no nosso país, quando o dono do local recomendava “Beba Isto Com Açúcar” (BICA).

Cafe - Quilometrosquecontam

Um local onde o aroma do café já nos envolve cedo na manhã é, perto da lisboeta Praça do Príncipe Real o Bettina & Niccolò Corallo, uma cafetaria muito concorrida por nacionais e estrangeiros que oferece também chocolates frescos e começa a torrar o produto muito cedo. Vindo do Brasil, a Indonésia ou o Panamá, o café da nossa taça é uma lembrança dos motivos para um fim de semana em Lisboa.

Mas, e se quisermos levar para a nossa casa o café visando aprender como o preparar do modo mais delicioso? A Pérola do Rossio é um estabelecimento operativo desde 1923 que vende cafés e chás. O produto não esquece os complementos como doces e compotas, bolachas ou máquinas de café. No interior do local encontraremos o charme dos comércios tradicionais da zona e poderemos até mesmo contemplar os moinhos de café centenários lá empregados. Entrar na Pérola é viajar imediatamente para a época dos nossos avós.

E, para despedir este percurso pelo café no país, temos de mencionar o Centro de Ciência do Café, um espaço criado pela Delta que visa reunir todas as temáticas relacionadas com esta bebida. Trata-se de um museu abrangente que oferece uma viagem interativa ao mundo do café no seu contexto histórico e patrimonial para Portugal.  Este espaço foi distinguido como Museu Português 2015 pela Associação Portuguesa de Museologia e encontra-se na Herdade das Argamassas, Campo Maior (distrito de Portalegre). Aproximar-nos dele é aproximar-nos de uma parte do nosso país que os estrangeiros valoram especialmente e só pode ser motivo de orgulho para nós.