Que tipos de travões existem?

Ao falar de automóveis começamos pelo consumo, potência, combustível ou tipo de motor. E os travões? O que há a dizer sobre esta função de segurança?

Quando falamos sobre um automóvel, pensamos em consumo, potência, combustível ou que tipo de motor tem. Mas, se algo se destaca em matéria de segurança são os travões. Cada veículo tem sistemas diferentes de travagem que diminuem a velocidade (travão de serviço) ou o mantém imobilizado (travão de mão). Embora o conceito seja o mesmo (exercer uma força que se oponha ao movimento das rodas), a forma como acontece varia. Descobre com a Goodyear que tipos de travões existem e como funcionam.

Travão de mão: aumentar a pressão de travagem

O travão de mão, ou travão de estacionamento apenas afeta as rodas traseiras do veículo. Ao puxar a alavanca rapidamente e seca (ou pressionar o botão correspondente em modelos mais recentes) a haste de tração a que está ligada comunica com um sistema de cabos com a alavanca que aciona o linguete que encaixa numa cremalheira que o fixa e para completamente o veículo.

Embora os travões elétricos sejam cada vez mais frequentes, a verdade é que a maioria dos automóveis ainda tem de travão de alavanca. Frequentemente, os travões de estacionamento com muito uso precisam de ser mais puxados para funcionar corretamente em comparação com o início da vida útil. Se notar que a alavanca do travão de mão está cada vez mais acima, deve pedir na sua oficina para que o ajustem. A manutenção preventiva aumentará a vida útil do seu automóvel.

Tipos de travões de serviço: travões de tambor, travões de disco e travões de cerâmica de carbono.

Os travões de tambor estão gradualmente a deixar de integrar as cadeias de produção e design dos automóveis. Funcionam da seguinte forma: quando se pressiona o travão, um par de pastilhas acionam um tambor em cada pneus e mediante a fricção a rotação diminui e o automóvel perde velocidade.

Apesar de terem sido montados pela primeira vez, em 1952, num Jaguar Racing Heritage Type C, os travões de disco levaram algumas décadas até chegar a um nível de desenvolvimento ótimo e, como consequência, à sua generalização a todos os veículos. O seu funcionamento é simples. Ao pisar no pedal do travão uma bomba hidráulica conduz o líquido de travões a uns pistões que empurram as pastilhas de travão. As pastilhas criam fricção contra o disco, reduzindo a velocidade do veículo. Esta fricção acabará por resultar no desgaste e na reposição das pastilhas.

Que tipos de travões existem?

Atualmente, existem três tipos de travões de disco em função da forma do disco e das suas pinças:

Discos flutuantes com pinças fixas. São discos com peças de alumínio que evitam deformações e três furos que ajudam as pastilhas de travão a manter-se limpas, aumentando a capacidade de travagem.

Discos entalhados com pinças fixas. São utilizados habitualmente em modelos de automóveis desportivos. Têm ranhuras que permitem um melhor funcionamento das pastilhas e uma maior capacidade de travagem do que os travões de disco normais.

Discos fixos ventilados com pinças flutuantes. São maiores discos de travão. Lisos na parte de trás e com ranhuras na zona dianteira para dissipar o que calor gerado durante a travagem. Ao ter pinças flutuantes utilizam um único pistão, mais económico, embora um pouco menos eficaz.

Na zona de maior inovação e custo elevado estão os travões de carbono cerâmico. Praticamente só é utilizado em automóveis de competição já que custam entre 7000 e 12 mil euros. No entanto, ao suportarem temperaturas elevadas e o devido ao coeficiente de atrito têm uma eficácia que nenhum outro sistema de travões pode atingir.

Sistema anti bloqueio de travões: ABS

Em 1978, a Bosch lançou o Antiblockiersystem conhecido como ABS e a sua eficiência é tão elevada que, a partir de 2004, todas as marcas o implementaram nos seus veículos. Em conjunto com o controlo de estabilidade (ESP), o ABS é um dos sistemas de segurança que mais acidentes tem evitado nos últimos anos.

Como funciona o ABS? Quando se pisa o travão, os sensores de velocidade localizados nas rodas informam o módulo de controlo de velocidade reduzindo, se for necessário, a pressão dos travões. Deste modo, ao fazer manobras para se esquivar a um obstáculo na estrada, o automóvel ganha mais estabilidade durante a condução.

Agora que conhece os tipos de travões, lembre-se que são elementos de segurança do seu automóvel, pelo que a manutenção não deve ser descurada. Uma revisão a tempo poderá evitar sustos desnecessários e aumentar a segurança na estrada.